ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESTA SEGUNDA-FEIRA

Por G1

 

Senadores articulam proposta para tentar incluir estados e municípios na reforma da Previdência. A presidente da CCJ diz que a tramitação do projeto no Senado deve levar 2 meses. PSB abre processo contra deputados que votaram a favor da reforma. Bolsonaro volta a defender indicação do filho para a embaixada dos EUA e diz que críticas são ‘sinal de que é o certo’. O governo faz acordo para reduzir a mil o número de futuros radares em rodovias federais. Em Uruburetama (CE), os vereadores avaliam se afastam o prefeito acusado de abusar de pacientes. Na Inglaterra, um herói injustiçado da 2ª Guerraestampará a nota de 50 libras.

INTERNACIONAIS

Herói injustiçado

Matemático Alan Turing vai estampar a nota de 50 libras

Matemático Alan Turing vai estampar a nota de 50 libras

O rosto de Alan Turing, inglês pioneiro da computação e decifrador de códigos, vai aparecer na nova nota de 50 libras da Inglaterra. O matemático gay será homenageado pelo trabalho que ele executou durante a 2ª Guerra, considerado uma ajuda vital aos Aliados, que derrotaram os países do Eixo.

Depois de ajudar seu país a vencer a guerra, Turing foi perseguido por ser gay. O matemático foi demitido e condenado a ser castrado quimicamente depois de uma condenação por “atividade homossexual” em 1952. Em 2013, ele recebeu um perdão póstumo.

NACIONAIS

Reforma da Previdência

Simone Tebet considera 'muito otimismo' aprovar PEC da Previdência em 45 dias no Senado

Simone Tebet considera ‘muito otimismo’ aprovar PEC da Previdência em 45 dias no Senado

A votação em 2º turno da reforma da Previdência na Câmara ficou para agosto. Mas no Senado já começaram as articulações para uma proposta paralela que reinclua estados e municípios, o que para a presidente da CCJ, a senadora Simone Tabet, pode dificultar a tramitação na Casa.

Segundo ela, é ‘muito otimismo’ aprovar a PEC da Previdência em 45 dias no Senado“Mas, com 60 dias, é um tempo confortável: agosto e setembro”, opinou a presidente da comissão que é a primeira etapa da tramitação da reforma entre os senadores.

Entenda a tramitação da reforma da Previdência — Foto: Arte/G1Entenda a tramitação da reforma da Previdência — Foto: Arte/G1

Caça aos infiéis

O PSB decidiu abrir processo contra 11 deputados que contrariaram a orientação do partido e votaram a favor da reforma da Previdência na 1ª votação da Câmara. A punição será definida em agosto, e pode render de advertência até a expulsão.

Cotado para embaixada

'Se está sendo criticado é sinal de que é a pessoa adequada', diz Bolsonaro

‘Se está sendo criticado é sinal de que é a pessoa adequada’, diz Bolsonaro

O presidente Bolsonaro voltou a comentar a possibilidade de indicar o filho Eduardo para assumir a embaixada do Brasil em Washington, e afirmou que críticas à eventual nomeação são ‘sinal de que é a pessoa adequada’ para o cargo.

“Por vezes, temos que tomar decisões que não agradam a todos, como a possibilidade de indicar para a embaixada dos EUA um filho meu, tão criticado pela mídia. Se está sendo criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”, afirmou Bolsonaro na tribuna da Câmara, em uma comemoração de aniversário do Comando de Operações Especiais do Exército.

A possível nomeação de Eduardo foi levantada pelo presidente na quinta-feira (11). Desde então, a iniciativa tem gerado críticas e causou espanto entre diplomatas, políticos e no meio jurídico e abriu discussão sobre nepotismo. O presidente ainda não bateu o martelo sobre a decisão.

Sem taxa de visitação

Presidente Bolsonaro quer acabar com taxa de visitação de praias em Fernando de Noronha

Presidente Bolsonaro quer acabar com taxa de visitação de praias em Fernando de Noronha

Bolsonaro quer acabar com a taxa de visitação de praias na ilha de Fernando de Noronha, em Pernambuco, em nome da proteção ambiental do arquipélago. Em uma rede sozial, no final de semana, ele classificou a tarifa como um “roubo” praticado pelo governo federal.

Atualmente, o turista paga duas taxas para entrar na ilha. O governo estadual cobra R$ 73 por dia de permanência, e a União exige desde 2012 a cobrança de R$ 106 para brasileiros e de R$ 212 para estrangeiros entrarem nas praias do Parque Nacional Marinho.

Menos radares

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, anunciou que o governo e o MPF fecharam acordo que prevê a instalação de 1 mil radares de controle de velocidade em rodovias federais, e reduziu de 8 mil para 2,2 mil o número de faixas a serem fiscalizadas nessas estradas. A medida vai gerar economia de R$ 600 milhões ao governo.

Suspeita de estupro

Ginecologista grava vídeos de pacientes nuas e enquanto praticava abusos sexuais

Ginecologista grava vídeos de pacientes nuas e enquanto praticava abusos sexuais

Vereadores de Uruburetama (CE) decidiram afastar por 90 dias o prefeito e médico do município José Hilson de Paiva, denunciado por abusar sexualmente de pacientes e filmar os crimes.

Os 11 vereadores da Câmara, que estava em recesso, foram convocados extraordinariamente para decidir se abriram o processo de afastamento após repercussão de matéria exibida no Fantástico sobre o caso (veja no vídeo acima).

G1 também teve acesso a 63 vídeos, filmados pelo próprio ginecologista, com as pacientes vítimas dos abusos. A reportagem ouviu seis vítimas em duas cidades e teve acesso a boletins de ocorrência. Hilson, de 70 anos, atendia em clínica particular e hospitais públicos. O MP investiga o caso.

O prefeito nega ter realizado qualquer prática de abuso. Para ele, as denúncias são uma estratégia de políticos de oposição para afastá-lo.

Também teve isso…

Fonte: G1
Por Blog do BG

Em 2018, mais de 20 milhões de crianças não foram vacinadas no mundo

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil 

Dados de agências da Organização das Nações Unidas (ONU) revelam que 20 milhões de crianças em todo o mundo não foram vacinadas contra doenças como o sarampo, a difteria e o tétano em 2018. As informações foram divulgados nesta segunda-feira (15), pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Para as agências, esse número equivale a mais de um em cada 10 menores em todo o planeta.Doses

O nível de estagnação da cobertura de vacinação com três doses de difteria, tétano e coqueluche, também conhecida como tosse convulsa, e uma dose da vacina contra o sarampo, é de cerca de 86% em nível global. Apesar de ser considerado elevado, esse nível de cobertura não é suficiente. As agências destacam que é necessária uma cobertura de 95% entre países e comunidades em todo o mundo, para proteger as crianças contra surtos de doenças que podem ser evitados pela vacinação.

Grande parte das crianças que não foram vacinadas vive nos países mais pobres e está desproporcionalmente em nações que vivem em conflitos ou são afetadas por eles de alguma forma. Quase metade do total de crianças não vacinadas vive em 16 países com esses problemas: Afeganistão, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Haiti, Iraque, Mali, Níger, Nigéria, Paquistão, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria e Iêmen.

De acordo com as agências da ONU, se essas crianças ficarem doentes, correm o risco de sofrer as consequências mais graves para a saúde e têm menor oportunidade de acesso a tratamentos e cuidados de saúde que salvam vidas.

Acesso

De acordo com as agências da ONU, as grandes disparidades no acesso a vacinas acontecem em países de todos os níveis de rendimento. Essa situação resultou em surtos de sarampo em muitas partes do mundo, incluindo em países com altas taxas de vacinação em geral. Em 2018, quase 350 mil casos de sarampo foram registrados em todo o mundo, mais do dobro do que em 2017.

No topo da lista de incidência da doença em 2018 está a Ucrânia. Apesar de o país ter vacinado mais de 90% de seus bebês, a cobertura foi baixa durante vários anos, deixando um grande número de crianças mais velhas e adultos em risco.

Várias nações com alta incidência e cobertura têm grupos significativos de pessoas que não foram vacinadas contra o sarampo no passado. Essa situação “demonstra como a baixa cobertura ao longo do tempo ou comunidades distintas de pessoas não vacinadas podem desencadear surtos mortais”, diz a ONU.

HPV

Pela primeira vez, os dados de cobertura de vacinação contra o Vírus do Papiloma Humano, o HPV, foram revelados pelas agências internacionais. A cobertura da vacina protege as meninas contra o cancro do colo do útero na idade adulta.

De acordo com o estudo, 90 países introduziram a vacina contra o HPV nos seus programas nacionais desde 2018. O número de meninas alcançadas na área analisada equivale a uma em cada três em todo o mundo.

A OMS e o Unicef fazem parte da parceria com a Aliança Global para Vacinas e Imunização (Gavi), que ajuda a reforçar os sistemas de imunização e resposta a surtos em países. As iniciativas incluem vacinar todas as crianças com imunização rotineira, conduzindo campanhas de emergência e dando formação aos profissionais de saúde como parte essencial da qualidade dos cuidados de saúde primários.

Agência Brasil

Comments

Órgão do MPF critica ‘cruzada moral’ ao comentar vazamentos da Lava Jato

A Procuradoria Federal dos Direitos dos Cidadãos, braço da Procuradoria-Geral da República que atua na área de direitos humanos, publicou uma nota pública comentando o vazamento de mensagens entre procuradores revelado pelo site The Intercept Brasil no último mês e afirmando que as investigações contra corrupção não devem se tornar uma “cruzada moral”.

A nota, assinada na última sexta-feira (12), afirma que a apuração de casos de corrupção deve “respeitar integralmente todos os direitos fundamentais” fixados na Constituição e que é inadmissível que o Estado, “para reprimir um crime, por mais grave que seja, se transforme, ele mesmo, em um agente violador de direitos”.

O comunicado não faz menção direta ao ex-juiz Sergio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, principais alvos de críticas após os vazamentos, mas diz que o caso “reforça a necessidade de compreensão das diversas dimensões dos direitos humanos e de promoção conjunta do enfrentamento à corrupção, do devido processo legal”.

Um trecho da nota afirma que um dos elementos essenciais é o direito a um julgamento perante juízes “independentes e imparciais, no qual o réu e seus advogados são tratados com igualdade de armas em relação ao acusador”.

“Portanto, é vedado ao magistrado participar da definição de estratégias da acusação, aconselhar o acusador ou interferir para dificultar ou criar animosidade com a defesa.”

Nos diálogos já revelados, foi mostrado, por exemplo, que Moro discutiu com a força-tarefa rebater publicamente a defesa do ex-presidente Lula após um depoimento do petista, em 2017, e que o então juiz sugeriu ao Ministério Público a inquisição de uma testemunha que poderia reforçar a acusação.

“Um julgamento justo somente ocorrerá quando estritamente observada a separação do papel do Estado-acusador (Ministério Público) em relação ao Estado-julgador (juiz ou tribunal). Portanto, o réu tem direito a ser processado e julgado por juízes neutros e equidistantes das partes”, diz a nota da Procuradoria.

O comunicado é assinado pela chefe do órgão, procuradora Deborah Duprat, e pelos colegas Domingos Dresch da Silveira, Marlon Weichert e Eugênia Gonzaga. Duprat já foi vice-procuradora-geral, de 2009 a 2013, e candidata a procuradora-geral.

Eles afirmam que, embora a comunicação informal entre partes e juízes seja prática arraigada no Judiciário brasileiro, não é permitido o aconselhamento ou a emissão de juízos prévios.

“A investigação, acusação e punição de crimes em situação alguma podem se confundir com uma cruzada moral ou se transformar num instrumento de perseguição.”

A parte final da carta trata da liberdade de imprensa e defende a divulgação do conteúdo das mensagens pelo Intercept Brasil e outros veículos.

Para a Procuradoria, a ilegalidade na obtenção das mensagens “não obstrui o direito de publicação”. “Eventual responsabilidade pela invasão indevida de privacidade deve ser investigada de modo autônomo e, se comprovada, sancionada, sem, contudo, interferir na liberdade de publicação.”

O órgão da PGR diz ainda que o governo deve informar se há alguma investigação em face de jornalistas ou meios de comunicação que estejam envolvidos com a publicação. Represálias contra os veículos, diz a nota, “podem, inclusive, ser consideradas crime de responsabilidade e improbidade administrativa”.

O jornalista Glenn Greewald, fundador e editor do Intercept Brasil, reclama que o governo não informa se há investigação contra ele em tramitação atualmente. O hoje ministro da Justiça Sergio Moro, em audiência no Congresso, não respondeu a respeito do assunto.

Folhapress

Defesa volta a pedir acesso à investigação sobre sargento da FAB no caso da cocaína

A defesa do sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues entrou hoje (15) com novo pedido de acesso à investigação sobre o militar. A petição foi protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF). No dia 25 de junho, Rodrigues foi preso em Sevilha, na Espanha, com 39 quilos de cocaína, quando passava pelo controle alfandegário.

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs, responsável pelo caso, afirma que não conseguiu ter acesso à investigação militar que está em andamento na Aeronáutica. O caso deve ser analisado pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, devido ao período de recesso na Corte, que termina dia 1º de agosto.

Na semana passada, o mesmo pedido foi protocolado no Superior Tribunal Militar (STM), mas não chegou a ser julgado. O vice-presidente do STM, ministro José Barroso Filho, arquivou o pedido por motivos processuais.

Quando foi preso, o sargento havia partido do Brasil em missão de apoio à viagem presidencial ao Japão para a reunião do G20, integrando a tripulação que ficaria em Sevilha. O sargento foi acusado pelas autoridades espanholas por crime contra a saúde pública, categoria em que se encontra o tráfico de drogas.

De acordo com a FAB, o inquérito para apurar o episódio deve ficar pronto em até 40 dias. O resultado deve ser encaminhado ao Ministério Público Militar (MPM), que poderá, então, abrir uma denúncia-crime contra o sargento da Aeronáutica.

Agência Brasil

Comments

Mourão está otimista no relacionamento com o Congresso, mas avisa: “É um jogo de paciência”

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Em agenda hoje (15) no Rio de Janeiro, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, considerou uma vitória a aprovação da Reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara, mas falou sobre as dificuldades na relação entre governo e Congresso, que na visão dele é fragmentado com o número elevado de partidos políticos. Mourão lembrou que mais da metade da Câmara é formada por deputados em mandatos novos que ainda estão descobrindo as suas capacidades junto a parlamentares com mais tempo de Casa.De acordo com ele, funciona no Brasil quase um presidencialismo de coalizão, que junta partidos para garantir maioria aos projetos do governo, mas essa não é a forma de governar do presidente Jair Bolsonaro, que escolheu os ministros, independentemente dos partidos aos quais pertenciam. Para Mourão, não é fácil a tarefa do ministro da Casa Civil, Onix Lorenzoni, de fazer a ponte entre o Legislativo e o Executivo.

“Vejo daqui para frente, se o presidente mantiver a linha de ação dele, de que vai buscar a maioria transitória dependendo do projeto ou daquilo que deve ser aprovado, vai ser o tempo todo esse puxa encolhe no Congresso. É um jogo de paciência”, apontou durante coletiva a correspondentes internacionais, na sede da Confederação Nacional do Comércio, no centro do Rio.

Mourão já tinha falado da fragmentação do Congresso mais cedo durante palestra na abertura do II Rio Money Forum, na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV), na zona sul da cidade, quando também defendeu uma reforma política para o Brasil, com redução no número de partidos e a adoção do voto distrital.

Agência Brasil

Comments

Para 31% dos brasileiros, país não deve violar lei internacional de direitos humanos

Três em cada dez brasileiros (31%) acreditam que o país nunca deve violar a lei internacional de direitos humanos, aponta uma pesquisa feita em 24 países. Segundo o levantamento, o Brasil é o quinto país que menos concorda com a questão –a média global é de 38%.

Os dados são do instituto Ipsos, que entrevistou 17 mil pessoas entre abril e maio deste ano. No Brasil, foram ouvidas cerca de mil pessoas, e a margem de erro é de 3,1 pontos percentuais.

Segundo os resultados, a Polônia é o país que mais acredita que as leis de direitos humanos não devem ser violadas, com 58% de respostas positivas para essa questão. Em seguida vêm Hungria e Espanha, ambas com 49%.

Na outra ponta está a Coreia do Sul, em que apenas 13% responderam que o país deve respeitar as leis de direitos humanos sempre. Depois vêm Malásia (22%), Japão (24%) e Estados Unidos (31%).

No Brasil, além dos 31% que acreditam que a lei internacional de direitos humanos nunca deve ser violada, 21% disseram que ela pode ser quebrada em circunstâncias extremas e 20%, que ela deve ser levada em conta tanto quanto outros fatores na hora de tomar decisões. Para 5%, ela deve ser ignorada.

Quando os entrevistados foram questionados sobre o que deve ser mais importante para os líderes brasileiros ao decidir sobre as relações com outros países, os benefícios econômicos vieram em primeiro lugar, citados por 39%.

Em seguida aparecem benefícios de segurança (32%) e impacto ambiental no país (25%). Os direitos humanos foram mencionados por 22%, empatados com “se o país é ou não uma democracia” e “se o país obedece ou não as leis internacionais”.

Rússia (65%), Malásia (63%) e Coreia do Sul (61%) são os países que mais valorizam os benefícios econômicos.

Folhapress

Comments

Anatel: consumidor poderá incluir nome na lista de ‘não perturbe’ do telemarketing a partir desta terça

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou nesta segunda-feira (15) que a partir desta terça (16) quem não quiser mais receber ligações de telemarketing das empresas de telecomunicação poderá se cadastrar na chamada lista do “não perturbe”.

A lista nacional e única vale para clientes das empresas Algar, Claro/Net, Nextel, Oi, Sercomtel, Sky, Tim e Vivo. Ainda segundo a Anatel, o prazo para o bloqueio é de 30 dias após a solicitação do cliente.

As prestadoras que descumprirem a regra podem ser advertidas ou penalizadas com multa no valor de R$ 50 milhões.

A implementação da lista nacional de “não perturbe” regula apenas as chamadas feitas pelas empresas de telecomunicação, e não se estende a chamadas realizadas por companhias de outros setores.

O cadastro poderá ser feito no site criado pelas empresas, que entrará no ar nesta terça. Na página, o usuário terá de inserir o CPF da linha telefônica que deseja cadastrar para não receber mais ligações de telemarketing e selecionar quais das companhias quer bloquear.

De acordo com a Anatel, também será possível bloquear especificamente um serviço oferecido pelas empresas de telecomunicação: telefonia fixa, celular, internet e TV por assinatura.

Lista

A criação da lista foi uma determinação da Anatel. Segundo a agência, as empresas não poderão mais fazer ligações telefônicas com o objetivo de oferecer seus pacotes ou serviços de telecomunicações para os consumidores que registrarem seus números na lista nacional.

De acordo com a Anatel, estudos de mercado estimam que pelo menos um terço das ligações indesejadas no Brasil sejam realizadas com o objetivo de vender serviços de telecomunicações, que só podem ser prestados por empresas reguladas pela agência.

A lista de “não perturbe” deve ser única e o meio de acesso a ela, ou seja, onde o consumidor poderá registrar seu número, também deverá ser único, fácil e amplamente divulgado pelas prestadoras.

G1

Comments

‘Não vai ter mais radar escondido’, afirma ministro da Infraestrutura

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que a renegociação dos contratos para instalação de radares eletrônicos nas rodovias federais gerou uma redução de praticamente dois terços de seu valor. Segundo ele, o ministério fez um acordo na Justiça para manter mil radares em 2.200 trechos monitorados. A reportagem que revelou que a manutenção da instalação desses equipamentos foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

“Isso foi acordado, então estamos cumprindo a determinação do presidente Jair Bolsonaro e trazendo tecnicidade para colocação de equipamentos”, disse. “Não tem polêmica nenhuma. O presidente quer facilitar vida do cidadão e está muito preocupado com a redução de custo. Ele nos passa essa diretriz diuturnamente”, acrescentou.

O ministro disse que os radares que serão instalados são o “mínimo necessário” para manter a segurança nas rodovias. Segundo ele, os equipamentos serão instalados principalmente nos trechos em que há transição de área rural para urbana e nas proximidades de escolas. “Serão radares bem sinalizados, e o usuário não será surpreendido”, disse. “Não vai ter mais radar escondido, radar que tem objetivo de prejudicar simplesmente o cidadão”, acrescentou.

Os contratos, licitados em 2016, ainda no governo Michel Temer, previam a instalação de radares de velocidade em 4.204 pontos de estradas, ao custo de R$ 1 bilhão. No início do ano, Bolsonaro disse em sua conta no Twitter que havia mandado cancelar a instalação de 8 mil radares no País – entre novos radares e equipamentos a serem substituídos por outros. “Importante lembrar que herdamos contratos, que não fizemos”, destacou o ministro.

Tarcísio disse que os contratos, que somam R$ 1 bilhão, não eram “razoáveis”, já que o contrato para manutenção de toda a malha tem valor de R$ 2 bilhões. “Não é só radar que salva vidas, mas manutenção rodoviária, correção geométrica e sinalização”, acrescentou.

Sobre o projeto de lei proposto por Bolsonaro para rever o Código de Trânsito Brasileiro, o ministro disse que cabe ao Congresso avaliar se a sociedade está pronta para as mudanças sugeridas.

Entre as propostas, está o fim da multa para motoristas que transportarem crianças sem cadeirinha, substituída por uma advertência, e o aumento do limite de 20 para 40 pontos para o motorista perder a carteira.

“Foi essa questão que foi colocada para sociedade. Estamos maduros para não termos mais pena pecuniária para cadeirinha? Será que, se tirássemos hoje a obrigatoriedade de cinto de segurança, alguém deixaria de usar?”, questionou. “Eu não transportaria filho sem cadeirinha. A questão que se coloca é se sociedade está pronta para dar esse passo. Se for essa a percepção de momento, a percepção histórica, isso não vai passar no Congresso.”

Segundo o ministro, como muitos motoristas estão chegando próximos do limite de 20 pontos, os Detrans não estão conseguindo processar a informação. Um dos problemas, segundo ele, é que dois terços das multas do código são graves ou gravíssimas e, portanto, têm alta pontuação. “Será que são (graves e gravíssimas), mesmo?”, criticou.

Estadão Conteúdo

Fonte: Blog do BG

 

Por G1 RN

 

Enem acontece nos dias 3 e 10 de novembro — Foto: Enem

Enem acontece nos dias 3 e 10 de novembro — Foto: Enem

O Rio Grande do Norte tem 119.324 candidatos confirmados no Exame Nacional do Ensino Médio 2019 (Enem). O número final de pessoas inscritas foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta segunda-feira (15).

O número de inscritos chegou a superar os 140 mil, mas caiu devido à falta de pagamentos dos boletos de confirmação. As provas do Enem serão realizadas nos dias 3 e 10 de novembro – primeiro e segundo domingo do mês. No país, a edição tem 5.095.382 inscritos.

No Rio Grande do Norte, a maioria dos inscritos é do sexo feminino: 57,4%, que representam 68.452 do total dos inscritos. A faixa etária com mais candidatos é a ente 21 e 30 anos, com 40.866 pessoas – 34,2% do total.

Pessoas de cor parda são maioria entre os inscritos: 59.588 ou 49,9% da totalidade. E 80.085 (67,7%) do total de candidatos já concluíram o ensino médio.

Entre as 40 cidades em que as provas serão aplicadas, Natal é a que tem mais candidatos inscritos, com 33.2% do total: são 39.570 pessoas. Mossoró, com 13.741 (11,5%), Parnamirim, com 6.025 (5%) e Caicó, com 4.654 (3.9%) são as outras cidades com mais pessoas inscritas.

Veja o perfil

Sexo

  • Feminino: 68.452 (57,4%)
  • Masculino: 50.872 (42,6%)

Faixa Etária

  • Menor que 16: 1.451 (1,2%)
  • Igual a 16: 5.793 (4,9%)
  • Igual a 17: 13.743 (11,5%)
  • Igual a 18: 15.595 (13,1%)
  • Igual a 19: 13.565 (11,4%)
  • Igual a 20: 10.482 (8,8%)
  • De 21 a 30: 40.866 (34,2%)
  • De 31 a 59: 17.617 (14,8%)
  • Maior ou Igual a 60: 212 (0,2%)

Cor/raça

  • Amarela: 2.724 (2,3%)
  • Branca: 42.782 (35,9%)
  • Indígena: 485 (0,4%)
  • Não declarada: 2.123 (1,8%)
  • Parda: 59.588 (49,9%)
  • Preta: 11.622 (9,7%)

Situação do Ensino Médio

  • Cursando a última série/ano no ensino médio: 25.823 (21,6%)
  • Cursando o ensino médio, mas não concluirei no ano letivo de 2019: 13.041 (10,9%)
  • Concluiu o ensino médio: 80.085 (67,1%)
  • Sem cursar nada e sem concluir ensino médio: 375 (0,3%)

Fonte: G1 RN

 

Por G1 RN

 

Grupo inglês The Cinelli Brothers se apresenta em Pipa — Foto: Divulgação

Grupo inglês The Cinelli Brothers se apresenta em Pipa — Foto: Divulgação

O Fest Bossa & Jazz divulgou a programação completa para a edição do festival que acontece nas ruas da Praia de Pipa, litoral Sul potiguar, entre os dias 15 e 18 de agosto, de forma gratuita. Entre as principais atrações musicais, estão a percussionista Lan Lanh e a banda inglesa The Cinelli Brothers.

Serão pockets shows gratuitos entre ruas, galerias e praças à noite, distribuídos em cinco polos ao longo da Baia dos Golfinhos, avenida principal da praia. À tarde, os shows acontecem em três restaurantes na praia do centro.

No total, são 22 bandas, em 48 apresentações durante os quatro dias de evento, além das Jam Sessions, realizadas ao final da noite, quando músicos e público se unem para improvisar e cantar.

Além de Lan Lanh, que será acompanhada pelo violão sete cordas de Guto Menezes e o cavaquinho cinco cordas de João Felippe, e da banda The Cinelli Brothers, o trio formado por Moraes, Mathisen e Zimring também vai se apresentar.

Além deles, são atrações:

  • Banda Terráquea & Cacá Magalhães (BA),
  • Brazuka Jazz (RN)
  • Indiana Nomma (Honduras e RJ)
  • Duetto Cabroso (RN)
  • Darlan Marley Quarteto (RN)
  • Gabriel Yang (CE)
  • Arthur Philipe & Quintessence (PE)
  • Chico Bethoven & Regional Choro do Elefante (RN)
  • Macumbia (PB)
  • Clara Menezes (RN)
  • Duo Rock Cello & Piano (RN)
  • Gumbo Blues (CE)
  • Duo Jubileu Filho & Cacá Velloso (RN)
  • Jammin” (RN)
  • Blues Sinners (PE/RN)
  • Pablo Osta (ARG)
  • Fernanda Fialho (CE)
  • Quarteto da Pipa (URU/ SP/CE/ BA)
  • Bossa & Jazz Street Band (RN)

O festival também contará com ações socioambientais, com palestras, caminhadas ecológicas, oficinas e workshops musicais. Nos dias 15 e 16 de agosto haverá palestra musical para crianças da comunidade, com Luciano Prates em ‘O que é esse tal de Jazz’. No dia 17, o músico brasileiro Gabriel Yang ministra o workshop musical para guitarristas e entusiastas, durante quatro horas, com a ‘Construção de Guitarras Artesanais “Cigar Box’’. Já no dia 18 de agosto, haverá uma roda de conversa para músicos locais sobre ‘Viver da Música: Realidade e Desafios’, com a cantora e compositora hondurenha Indiana Nomma.

Após passagem por Pipa, o festival, que completa 10 anos em 2019, segue para Mossoró, de 19 a 21 de setembro e, por fim, São Miguel do Gostoso, de 10 a 13 de outubro.

Fonte: G1 RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Sign up
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.
We do not share your personal details with anyone.
0