ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSA SEXTA-FEIRA

NACIONAIS

CELSO DE MELLO LIBERA AÇÃO DE GLEISI PARA JULGAMENTO

Celso de Mello liberou a ação penal contra Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo na Lava Jato para julgamento pelo Supremo, informa o repórter Daniel Adjuto, do SBT.

Caberá a Ricardo Lewandowski, que agora preside a Segunda Turma do STF, decidir a data.

Será a segunda ação penal da Lava Jato julgada pelo Supremo –a primeira foi a do deputado Nelson Meurer.

Fonte: O ANTAGONISTA

 

PF Investiga Supostos Pagamentos Da Odebrecht A Rodrigo Maia E Eunício Oliveira

  • 08/06/2018

Polícia Federal solicitou ao setor de perícias a realização de uma análise sobre os supostos pagamentos de propina registrados nos bancos de dados da Odebrecht, o Drousys e o Mywebday, aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para permitir o avanço do inquérito que apura ofertas de vantagens indevidas a eles em troca de benefícios em medidas provisórias no Congresso Nacional.

O ofício comunicando a realização da perícia foi enviado ao Supremo Tribunal Federal na última quarta-feira pela delegada Graziella Balestra, que conduz as apurações do caso. As análises abrangerão também outros supostos repasses ao senador Romero Jucá (MDB-RR) e ao deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA), que são investigados no mesmo inquérito. Com isso, a PF busca comprovar se os pagamentos aos quatro políticos foram efetivamente realizados, como relatado na delação dos executivos da Odebrecht.

LEIA MAIS: Temendo ser vaiado em aviões de carreira, o deputado Rodrigo Maia viajou 250 vezes em aeronaves da FAB

A delegada frisa em seu pedido que deverão ser analisados pagamentos de R$ 2,1 milhões ao codinome Índio, “provavelmente relacionado à pessoa do senador Eunício Oliveira”, e de R$ 100 mil ao “possível codinome Botafogo, provavelmente relacionado à pessoa do deputado federal Rodrigo Maia”.

Trecho do óficio que foi enviado ao STF para pedir a perícia – Reprodução

O objetivo do trabalho é identificar as comunicações internas da Odebrecht com os responsáveis por fazer a entrega dos recursos. A delegada solicita a identificação de quatro itens relacionados aos pagamentos de propina: “a) negociações para realização do pagamento de valores em sistema de contabilidade paralela; b) previsões ou cronogramas; c) tratativas para a realização dos pagamentos dos valores, locais e senhas; d) comprovação efetiva dos pagamentos realizados”.

LEIA MAIS: Delator da propineira JBS, detalha acerto de propina dentro do Senado a Eunício de Oliveira

Esse inquérito investiga se Maia, Eunício, Jucá e Lúcio Vieira Lima receberam pagamentos da Odebrecht em troca de atuar em favor dos interesses da empresa na votação de uma medida provisória no Congresso Nacional que reduzia tributos para o setor petroquímico –de interesse direto da Braskem, controlada pela Odebrecht. Todos eles já negaram terem atuado a favor da Odebrecht e dizem só ter recebido doações legais.

O GLOBO revelou, em janeiro, que Rodrigo Maia esteve na sede da Odebrecht no Rio de Janeiro em 2010 no mesmo dia em que o sistema de contabilidade paralela da empresa registrava um pagamento de caixa dois destinado à campanha eleitoral de seu pai, César Maia. Rodrigo seria o responsável por negociar esse pagamento com o diretor-presidente da construtora, Benedicto Junior.

Maia já prestou depoimento à PF e afirmou que não reconhece o codinome Botafogo, atribuído a ele, e que os registros de pagamento no sistema não lhe dizem respeito. Eunício disse à PF que “nunca deu tratamento diferenciado no encaminhamento dos pleitos de grandes doadores de suas campanhas” e que a acusação dos delatores da Odebrecht é “inverdade”. Procuradas, as assessorias de Maia e Eunício ainda não responderam. Lúcio Vieira Lima e Jucá também negaram irregularidades.

Fonte: Notícias Brasil On Line

 

PGR Pede Que Inquérito Que Investiga Humberto Costa No ‘PETROLÃO’ Vá Para Moro

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresentou pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que um inquérito que investiga o senador Humberto Costa (PT-PE) desça à primeira instância. O pedido de declínio para foi a 13ª Vara Federal de Curitiba, onde o juiz Sergio Moro é responsável pelas investigações da Operação Lava Jato.

LEIA MAIS: Humberto Costa recebia propina em casa de massagem, diz delator

Humberto possui foro privilegiado, mas a PGR lembra que os crimes de que é acusado ocorreram antes de ser senador. A acusação de corrupção remonta de um caso de 2010 (e ele só assumiu o mandato no ano seguinte), em sua delação, Paulo roberto costa revelou que recebeu R$ 30 milhões da Odebrecht e repassou parte da propina a alguns políticos. O petista teria recebido R$ 1 milhão. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, ainda deve decidir se vai, ou não, declinar o inquérito.

Fonte: Jornal do Comércio

 

Justificativa

Mantega diz a Moro que dinheiro na Suíça é de venda de imóvel

Magistrado havia intimado Mantega a prestar esclarecimentos sobre uma conta na Confederação Helvética, revelada pela própria defesa do ex-ministro da Fazenda, em 2017

Ex-ministro Guido Mantega (2006-2015/Governos Lula e Dilma)

O ex-ministro Guido Mantega (2006-2015/Governos Lula e Dilma) informou ao juiz federal Sérgio Moro que o dinheiro mantido em sua conta na Suíça “tem origem em negócio imobiliário realizado com a construtora Sandria Projetos e Construções LTDA , pertencente a Victor Garcia Sandri”. Como o jornal O Estado de S. Paulo revelou no dia 23 de maio, o magistrado havia intimado Mantega a prestar esclarecimentos sobre uma conta na Confederação Helvética, revelada pela própria defesa do ex-ministro da Fazenda, em 2017.

Sandri foi denunciado na Operação Zelotes – investigação sobre suposta manipulação de julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), braço do Ministério da Fazenda que funciona como uma espécie de “tribunal da Receita” e julga recursos de empresas contra multas aplicadas pelo Fisco.

O empresário foi citado ainda na delação de Joesley Batista, da JBS. O delator contou que, em 2005, “contratou” o empresário Victor Sandri, por R$ 50 mil mensais, para intermediar interesses da JBS no meio político.

A defesa de Mantega entregou documentos a Moro na quarta-feira, 6. “Referido negócio imobiliário consistiu na permuta de imóvel que o peticionário herdou de seu pai, Giuseppe Mantega, situado na Rua Pequetita, Jardim Paulista, São Paulo-SP, por unidades do empreendimento imobiliário que veio a ser construído no local, denominado Edifício Atrium VII”, afirmou.

“Além da entrega das unidades, foi acordado o pagamento de uma quantia em dinheiro, a qual não foi prevista contratualmente justamente porque seria promovida por meio de operação financeira entre contas bancárias à época não declaradas às autoridades brasileiras.”

Segundo os advogados do ex-ministro, “a construção do empreendimento foi concluída no final do ano de 2005”. A defesa afirma que, na ocasião, Mantega “recebeu o depósito de metade do valor acordado com Victor Sandri (US$ 650 mil), tendo a outra metade (US$ 645 mil) sido depositada pouco antes da outorga da escritura definitiva das unidades”.

Os defensores entregaram comprovantes de depósito, extrato bancário, certidão de dados cadastrais do imóvel, escrituras de permuta e dação em pagamento.

Mantega foi preso em 22 de setembro de 2016, na Operação Arquivo X, 34ª fase da Lava Jato. Naquele dia, o ex-ministro acompanhava a mulher Eliane Berger (morta em novembro de 2017, vítima de câncer) em uma cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Sob suspeita de arrecadar propinas para o PT em 2012 em contratos de duas plataformas, P67 e P70, ligadas à Petrobras, Mantega se entregou na portaria do hospital. Ele foi solto no mesmo dia por ordem de Moro, que destacou, em sua decisão, o quadro de saúde da mulher do ex-ministro.

Nesta investigação, Mantega foi alvo do depoimento do empresário Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX

Ao Ministério Público Federal, Eike declarou que, em 1º de novembro de 2012, recebeu pedido de um então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões, “no interesse do PT”.

Fonte: AGORA RN

 

Em Sigilo, Delação De Palocci Mobiliza Desembargador Do TRF-4

O ex-ministro do Partido dos Trabalhadores Antonio Palocci, enfrentou grandes dificuldades para conseguir acordo de delação premiada. Sendo recusado no Ministério Público Federal, Palocci viu possibilidade com acordo na Polícia Federal. Mesmo com a Procuradoria Geral da República não concordando, a PF foi autorizada a fechar delação. No momento, o acordo está na fase final.

O desembargador do Tribunal Regional Federal da 4° Região, João Pedro Gebran Neto, avaliou que a delação precisa de alguns ajustes. No entanto, tudo ocorre sob total sigilo e não foi informado para a mídia sobre do que se tratam estes ajustes. Gebran Neto foi um dos magistrados responsáveis por votar no julgamento de Lula, condenado o petista em 12 anos e um mês de cadeia. Ao que tudo indica, a decisão de Gebran será em aprovar a delação, mas não há informações sobre os ajustes a serem realizados. O desembargador analisa se homologa o acordo ou não, independente do posicionamento do MPF.

Réu Condenado

Palocci foi condenado pelo juiz Sergio Moro no âmbito das investigações da Lava Jato. Preso desde setembro de 2016, o ex-ministro era braço direito do ex-presidente Lula. Os crimes apontados foram de corrupção e lavagem de dinheiro. Palocci intermediava contratos entre a Odebrecht e a Petrobras. Além do mais, o ex-ministro é réu em processo sobre um terreno que se tornou sede do Instituto Lula.

A delação na PF aconteceu devido  diversas tentativas negadas no MPF. Com a PF, os delegados entendem que só o Judiciário poderá conceder benefícios ao delator. A Polícia Federal evidenciou que os fatos relatados por Palocci abrirão possibilidade para novas investigações.

Fonte: Notícias Brasil On Line

LOCAIS

Câmbio

Empresas afetadas pelas altas do dólar em Natal pedem calma aos clientes

Quem programou uma viagem ao exterior, mas ainda não fechou o negócio, ou precisa realizar importações para reforçar os estoques da loja, anda nervoso

As últimas altas da moeda americana ligaram o sinal de alerta em muita gente

 

Muita calma nessa hora. Pelo menos é o conselho que muitos empresários que lidam diariamente com a variação do dólar estão dando a seus clientes nervosos com as última oscilações na cotação da moeda americana.

Quem programou uma viagem ao exterior, mas ainda não fechou o negócio, ou precisa realizar importações para reforçar os estoques da loja, não à toa, anda agitado.

Para piorar as coisas, informações de que o dólar poderá rapidamente superar os R$ 5,5 0, inundam o WhatsZapp, contribuindo para uma histeria coletiva que só ajuda os especuladores.

Para o importador Átila Feitosa, de Natal, que se especializou em ajudar empresários a importar da China, na dúvida, feche logo o negócio, pois as chances de prejuízo são sempre menores quando não há hesitação.

Na última sexta-feira, 8, por exemplo, a cotação do dólar havia recuado 3% diante da intervenção do Banco Central.

Quem fechou um negócio de importação nesse dia se beneficiou instantaneamente dessa queda e só terá que esperar o vencimento da segunda fatura dentro de 30 ou 45 dias para saber se ganhará mais, menos ou terá prejuízo com a operação.

“Isso é um jogo, os chineses também vivem a desvalorização da sua moeda perante ao dólar e a vida não está fácil para ninguém. Mas ela (a vida) continua e é preciso continuar jogando”, diz Feitosa, com 30 anos de experiência nesse mercado.

Já nas agências de turismo de Natal, ainda não foi possível perceber os reflexos das últimas altas do dólar. Para quem já assinou o contrato e pagou, só resta cuidar com os gastos no exterior. Para quem ainda vai viajar, recomenda-se examinar o que fazer para manter os planos.

“Quando isso acontece e o cliente sente no bolso, as agências buscam maneiras para baratear o pacote, mudando o hotel, sugerindo alternativas de roteiro e até mexendo em sua própria margem de lucro”, diz um analista de mercado ligado a uma importante agência de Natal.

Seja como for, a situação cambial negativa é reflexo, segundo os especialistas,  de um cenário econômico conturbado, tanto no Brasil quanto no exterior, que já vem desde o início do ano.

A probabilidade crescente de candidatos sem qualquer compromisso com reformas estruturais, como a da Previdência, estar no segundo turno das eleições presidenciais, afastou muitos investidores do País.

Fonte: AGORA RN

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Sign up
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.
We do not share your personal details with anyone.
0