PRIMEIRAS NOTÍCIAS DESTA SEGUNDA-FEIRA

Veja aqui as primeiras e principais notícias desta segunda-feira e comece a semana bem informado.

NACIONAIS

23 de abril de 2018, segunda-feira

Bom dia! Aqui estão os principais assuntos para você começar o dia bem-informado.

udou, mas agora volta tudo como estava? Termina hoje o prazo de 5 meses da medida provisória do governo sobre a reforma trabalhista. Editada para que o texto fosse aprovado no Senado e não voltasse para a Câmara, a MP trazia mudanças em relação à proposta original, como por exemplo, se as novas regras valeriam para contratos de trabalhos firmados antes da reforma. Especialistas ouvidos pelo G1 divergem sobre o que acontece a partir de agora. Hoje também começa a campanha nacional de vacinação contra a gripe e candidatos que pediram isenção do Enem vão saber se conseguiram o benefício.

Reforma trabalhista

Placar do Senado após votação da reforma trabalhista (Foto: Pedro França/Agência Senado

Acaba hoje o período de 5 meses da Medida Provisória editada pelo governo que fez alterações em relação ao texto original da reforma trabalhista, aprovada pelo Senado em julho e que começou a valer em novembro. MPs têm força de lei ao serem editadas pelo governo, mas deixam de vigorar se não forem votadas pelo Congresso dentro do prazo de validade. Agora, sobram dúvidas sobre o que acontece com os contratos que foram firmados durante o período em que a MP esteve em vigor. Especialistas ouvidos pelo G1 divergem sobre o que será feito com esses trabalhadores.

Campanha contra a gripe

Campanha nacional contra a gripe começa hoje (Foto: Claudio Vieira/Prefeitura de São José dos Campos)

Tem início hoje a campanha nacional de vacinação contra a influenza. A meta, segundo o Ministério da Saúde, é imunizar 54,4 milhões de pessoas, que fazem parte do grupo considerado “mais suscetível” ao agravamento de doenças respiratórias. Até 14 de abril, 62 pessoas morreram em virtude da doença no país.

Isenção no Enem

Detalhe da página de prova do Enem 2017 que detalhava o pedido para redação sobre formação educacional de surdos no Brasil. (Foto: Arquivo/G1)

 

Ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa pode chegar ao 2° turno das eleições

Ele é o novo e forte fator na política brasileira, com cerca de 10% de votos no universo de 145 milhões de pessoas. Ao conseguir se viabilizar no PSB, tem chances reais de chegar ao segundo turno

O casamento entre Barbosa e o PSB depende da resolução de brigas internas do próprio partido

Às 14h45 da última quinta-feira, ao chegar à sede do PSB, na Asa Norte, o ex-presidente do Supremo Joaquim Barbosa pensou em recuar. O batalhão de jornalistas foi uma surpresa para o magistrado aposentado, como ele mesmo disse a líderes da legenda. O desafio do homem que nas pesquisas de intenção de votos chega a 10% é transformar o espanto em decisão. Mas isso pode demandar tempo. Há uma clara intenção entre a sigla e o ministro aposentado em transformar o namoro, iniciado há pelo menos oito meses, em casamento. A dificuldade é que eles passariam a morar sob o mesmo teto. E isso pode dar certo ou errado.

O casamento entre Barbosa e o PSB depende da resolução de brigas internas do próprio partido — uma legenda que tem entre os integrantes gente da esquerda e da centro-direita. Mas, também, de uma imposição do próprio ex-ministro. À imprensa, ele não demonstrou preocupação em perder um eventual apoio em decorrência da lentidão em definir a candidatura. “Who cares?”, respondeu, em inglês. Na tradução literal para o português, a frase significa “quem se importa?”. Hoje, pelo menos um potencial de 14 milhões de eleitores ainda na largada. Essa postura expressa bem que o jurista ainda não caiu em si sobre o potencial que tem. Afinal, mesmo sem ainda ter se posicionado ou discursado como pré-candidato, detém intenção de votos superior à soma de votos de Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB).

A capacidade eleitoral do peesebista também se iguala à dos principais nomes do centro. Juntos, Geraldo Alckmin (PSDB), ex-governador de São Paulo, Rodrigo Maia (DEM), presidente da Câmara dos Deputados, e Henrique Meirelles ou Michel Temer (MDB), ex-ministro da Fazenda e presidente da República, respectivamente, detêm os mesmos 10% que Barbosa. A diferença entre esses pré-candidatos e os de esquerda é que o ministro aposentado pode crescer ainda mais nas pesquisas, sustenta o cientista político Murillo Aragão, sócio da Arko Advice. “Em se colocando de verdade, pode afetar todas as candidaturas. De esquerda, centro, ou direita”, avaliou.

O sucesso de Barbosa, no entanto, dependerá muito da formação de coligações, para dar estrutura partidária e tempo de televisão, pondera Aragão. “Não é apenas jogar um nome e ver se cola”, disse. Ciente do poder que Barbosa pode ter em absorver votos de outros pré-candidatos, e da importância em construir alianças, líderes do PSB no Congresso Nacional estão se movimentando para construir uma narrativa sólida que garanta apoio na corrida eleitoral e em uma eventual gestão à frente da Presidência da República.

A ideia é construir a imagem de Barbosa como desaguador do centro e da esquerda, explica o líder do PSB na Câmara, Júlio Delgado (MG). “Fui, inclusive, procurado por deputados de esquerda que propuseram a instalação de uma frente parlamentar suprapartidária de apoio ao ministro aposentado”, afirmou. A expectativa do partido é que o apoio partidário possa fazê-lo cair na real para as eleições. Resta saber o que pensa ele e a legenda, ressalta Delgado. “Pelo menos na primeira conversa que tivemos sobre alguns temas, houve uma sintonia.”

No campo econômico, houve sinergia entre partido e o potencial candidato. O ministro aposentado e os líderes concordam que a reforma da Previdência deve ser aprovada, mas não no modelo proposto por Temer. Também houve sintonia em relação a privatizações. “Não de tudo, nem de setores estratégicos”, ressaltou Delgado. O presidente do partido, Carlos Siqueira, endossa o discurso, e garante que algumas decisões liberais de Barbosa como ministro, como voto pela quebra do monopólio do petróleo, são aceitáveis. “Nós admitimos que haja participação privada, mas é preciso que o governo mantenha o controle de áreas estratégicas, como energia e gás”, disse.

Jeito mineiro

A ficha de Barbosa pode levar ainda outras reuniões para cair. O jeito cauteloso, meio desconfiado, meio prudente, do ex-magistrado pode ser a causa disso, avalia o empresário Antônio Carlos Mariano de Almeida, 63 anos, mais conhecido como “Toninho”. Amigo do magistrado desde a infância, ele não tem dúvidas que avaliações pelo lado pessoal terão um grande peso na escolha. “A partir do momento em que o sujeito vira vitrine no Brasil, todo mundo quer jogar pedra. Então, você pode ter certeza de que, se vier a ser candidato, vai ter muita gente batendo nele. E ele sabe disso”, ponderou.

Natural de Paracatu (MG), como Barbosa, Toninho conhece o ministro aposentado como poucos. Fizeram o primeiro grau juntos e jogaram futebol no mesmo time de juvenis. O empresário não nega que o temperamento forte é uma marca registrada do ex-presidente do STF, algo que, politicamente, deve ser monitorado pelo partido. Mas, para ele, isso pode jogar a favor do jurista na corrida eleitoral. “Joaquim é de poucos amigos. Mas os amigos verdadeiros têm um acesso muito grande a ele. Ele se abre, pede opiniões, e ouve muito bem. Sabe ser flexível. Se sentir confiança nos líderes do partido e aliados, o trato com certeza será diferenciado”, avaliou o amigo.

Um fator determinante para selar o casamento entre Barbosa e o PSB é a reciprocidade. Dificilmente o ex-magistrado aceitará assumir a pré-candidatura se perceber uma persistência da divisão interna entre caciques do partido. A falta de consenso em torno do recém-correligionário, no entanto, pode ser momentânea. Mesmo líderes que questionam a pré-candidatura do ministro aposentado não viraram totalmente as costas.

“A atração do partido em relação a Barbosa é eleitoreira, não há dúvidas”, disse um dirigente do partido, que aponta os principais nomes contrários ao magistrado: “Renato Casagrande (ES), Paulo Câmara (PE) e Ricardo Coutinho (PB). Os defensores são a elite do partido residente em Brasília”. Ao responder às perguntas dos jornalistas na tarde de quinta-feira, Barbosa foi direto: “Há dificuldades dos dois lados. O partido tem sua história, suas dificuldades regionais. Do meu lado, tenho minhas dificuldades de ordem pessoal.” A dificuldade do PSB com nomes de fora não é novidade, vide o caso de Marina Silva na eleição passada, vista com desconfiança pelos integrantes do partido. A ex-senadora terminou a campanha com 21% das intenções de votos.

Para um filiado do partido, as qualidades de Barbosa são os principais problemas dele, como por exemplo a sinceridade. “Mas, se ele se viabilizar como candidato dentro de um partido dividido como o PSB, terá passado no primeiro teste para virar presidente.” O governador de São Paulo, Márcio França, sugeriu que o partido faça uma pesquisa qualitativa em torno do nome de Barbosa para sondar o poder eleitoral nas ruas. A depender dos resultados, o gestor pode vir a apoiá-lo. “Ele não é bobo nem nada. Sabe que pode abrir um leque e uma grande oportunidade para ele, mesmo em São Paulo”, disse um cacique do PSB.

Fonte: Correio Braziliense

LOCAIS

Iniciativa

Macaíba inaugura Centro de Convivência para ressocialização de apenados

Atividades do projeto são desenvolvidas desde 2012 pela Justiça do Rio Grande do Norte em parceria com a Prefeitura de Macaíba

Prefeito Fernando Cunha (PSD) participou da inauguração do PREAS

O prefeito de Macaíba, Fernando Cunha (PSD) participou da inauguração do Centro de Convivência Francisco Assis de Souza, do Projeto de Ressocialização de Apenados (PREAS), que fica na Horta Comunitária do município. As atividades do projeto são desenvolvidas desde 2012 pela Justiça do Rio Grande do Norte em parceria com a Prefeitura de Macaíba.

A iniciativa foi desenvolvida pelo juiz federal Felipe Barros, da Vara Criminal de Macaíba e foi instituída por Lei Municipal no mesmo ano. A coordenação pedagógica do PREAS é da professora Marineide Maria. Os apenados são encaminhados pelo Fórum de Macaíba para realizar ações semanais de plantio e colheita de hortaliças e plantas medicinais na Horta, que está localizada próxima à estação de transbordo de Macaíba. De 2012 a 2017, cerca de 120 apenados participaram do projeto.

Aproximadamente 18 produtos são plantados e coletados no local, entre alface, coentro, berinjela, cebolinha, tomate entre outros. Os produtos são doados para instituições filantrópicas e, entre elas, estão a OIKOS, Fundação Lar Celeste Auta de Souza, AMAI, Abrigo Deus é Caridade e o Centro de Atenção Psicossocial para Usuários de Álcool e outras Drogas (CAPS AD).

O evento contou com a participação do vice-prefeito, Auri Simplício; do presidente da Câmara de Vereadores, Gelson Lima e as vereadoras e vereadores Dadaia, Ana Catarina, Netinho França; do chefe de Gabinete Civil, Pedro Galvão; dos secretários municipais de Agricultura, Pecuária e da Pesca (Semape), Francisco Maia; de Infraestrutura (SMIN), Francisco William; de Trânsito e Transporte (SMTT), Juedson Costa; de Cultura e Tursimo (SMCT), Marcelo Augusto Bezerra; do juiz da Comarca de Macaíba, Felipe Barros; a promotora do Ministério Público, Daniela Fernandes; do vice-presidente da AMARN, Guilherme Cortez e do vice-presidente da Fecomércio/RN, Luiz Antônio Lacerda.

Fonte: AGORA RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Sign up
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.
We do not share your personal details with anyone.
0