POLITICA: O QUE ESTÁ POR TRÁS DE BILL DE BLASIO, O PREFEITO DE NOVA YORK

Os inúmeros escândalos de corrupção que rondam a trajetória de Bill de Blasio, o prefeito de NY

Por Jornal da Cidade Online

07/05/2019 às 07:03

Muitas investigações têm marcado o mandato de Bill de Blasio como prefeito.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, que almeja ser candidato à presidência dos Estados Unidos, está envolvido em diversos escândalos, que demonstram com clareza uma conduta extremamente suspeita e absoluta falta de transparência em suas ações.

Na campanha eleitoral de sua reeleição, o prefeito realizou um polêmico acordo imobiliário entre a cidade e proprietários de terras e recebeu doação do advogado destes. Algo, no mínimo, totalmente desprovido de ética.

Na mesma época, Blasio também foi manchete por um questionável levantamento de fundos promovido pela Suffolk Construction em Boston, uma empresa que está atualmente procurando expandir seus negócios em Nova York e recentemente contratou Shola Olatoye, ex-comissária pública de habitação de Blasio.

O prefeito não divulgou o evento e não revelou o anfitrião quando perguntado por repórteres, claramente tentou ocultar. No mínimo, faltou transparência.

No último sábado (04), o democrata destilou ofensas ao presidente Jair Bolsonaro, após o cancelamento da ida do brasileiro à Nova York para receber o prêmio “Personalidade do Ano”, a ser concedido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos com sede na cidade. Em suas redes sociais, o prefeito nova iorquino afirmou que “valentões normalmente não aguentam um tranco”, referindo-se a Bolsonaro e que seu ódio não é bem-vindo na cidade.

Aqui estão as outras vezes que as táticas de captação de recursos de Bill de Blasio o colocaram na água quente:

– Investigação de financiamento de campanha federal

Em 2013, De Blasio criou uma organização sem fins lucrativos chamada Campaign for One New York para apoiar sua agenda. A agora extinta organização foi investigada por possíveis violações de financiamento de campanha em 2016.

Procuradores federais do Distrito Sul de Nova York investigaram milhares de e-mails e documentos do prefeito, seus assessores e doadores, tanto para sua campanha de prefeito em 2013, quanto para a Campanha One Nova York, para ver se os doadores receberam tratamento favorável do governo de Blasio.

A investigação levou à acusação de dois doadores de Blasio que se tornaram testemunhas de cooperação – o restaurateur Harendra Singh, que admitiu tentar subornar o prefeito, através de doações feitas à sua conta de campanha real, e o promotor imobiliário Jona Rechnitz, que se declarou culpado de acusações de conspiração e mais tarde testemunhou sobre sua estreita relação com De Blasio e outros benefícios como resultado de suas doações e arrecadação de fundos.

Na conclusão da investigação em 2017, os promotores federais não denunciaram Blasio, mas disseram que ele agia em nome dos doadores que buscavam favores.

– Rivington House lobbying

De Blasio e seu governo receberam um exame detalhado do controlador da cidade de Nova York Scott Stringer e do Departamento de Investigação da cidade sobre como NY lidava com a venda da Rivington House, uma antiga instituição sem fins lucrativos que atualmente está sendo desenvolvida para fins residenciais.

Uma empresa de lares com fins lucrativos, o Allure Group, comprou a propriedade em 2015 e pagou à cidade US$ 16 milhões para levantar uma restrição que exigia que a propriedade permanecesse como uma instituição de saúde sem fins lucrativos, com a expectativa de que a empresa se tornasse uma casa de repouso com fins lucrativos.

Em vez disso, a Allure vendeu a propriedade para a Slate em 2016, que planeja converter o prédio para uso residencial e construir condomínios.

A cidade admitiu que foi enganada pela Allure.

Lobista proeminente e frequente doador de Blasio, James Capalino, representou tanto o proprietário original como o Slate.

Capalino direcionou US$ 40 mil para a campanha de reeleição de Blasio em 2017 e doou US$ 10 mil para a campanha de One New York.

– Investigação de finanças de campanha estatal

O estado também investigou a “Campanha por uma Nova York”, embora tenha assumido um enfoque mais restrito e focado especificamente nos esforços de captação de recursos de Blasio em favor dos democratas candidatos ao Senado estaduais em 2014, que era apenas uma parte do inquérito federal.

Procuradores do Estado, em conjunto com procuradores federais, procuraram determinar se Blasio tentava contornar os limites de contribuição da campanha, dando doações a comitês menores do condado, que não têm limites de contribuição.

Rechnitz declarou que tanto Ross Offinger, ex-arrecadador de fundos para campanha de Blasio, quanto o prefeito pessoalmente pediram que ele doasse mais de US $ 100.000 para reforçar esses esforços.

Como na investigação federal, o Procurador do Distrito de Manhattan, Cyrus Vance Jr., não denunciou o prefeito, mas afirmou que, embora não houvesse provas suficientes para indiciar Blasio, suas ações “pareciam contrárias à intenção e ao espírito das leis que impõem limites à contribuição dos candidatos”.

– Investigação de lobby JCOPE

A Comissão Conjunta sobre Ética Pública do Estado também analisou a Campanha de One New York, de Blasio, por quase três anos, tentando determinar se as doações feitas à organização sem fins lucrativos eram de fato presentes ilegais ao próprio prefeito.

Ainda não foi tirada nenhuma conclusão sobre se a organização violou as leis de lobby do estado, mas a investigação ainda está em andamento.

O principal lobista e aliado de Blasio, James Capalino, em 2018, concordou em pagar US$ 40.000 sem admitir qualquer delito.

Capalino havia doado pessoalmente US$ 10.000 para a Campanha One Nova York, e outros US$ 90.000 de vários de seus clientes, depois agendou uma reunião de café da manhã com de Blasio e os clientes que fizeram doações.

Essa reunião não foi listada na divulgação de reuniões de lobby por de Blasio.

– Investigação de conflito de interesse da cidade

Em um relatório anteriormente não divulgado do Departamento de Investigação da cidade, investigadores descobriram que De Blasio violou as regras de conflito de interesses, buscando doações para a Campanha One Nova York de indivíduos ou organizações que buscavam favores de sua administração.

Esse relatório incluiu os desenvolvedores Toll Brothers e Park Towers.

A Toll Brothers viu um movimento positivo com um desenvolvimento pouco antes de Blasio pedir doações, e o Park Towers recebeu milhões em créditos fiscais e incentivos fiscais relacionados a um empreendimento no Brooklyn depois de doar um cheque de US$ 50 mil para a Campaign for One New York.

– Contrato imobiliário controverso

A cidade de Nova York comprou recentemente 17 prédios dos irmãos Podolsky, famosos por seus muitos códigos de construção e violações da lei de aluguel, por US$ 173 milhões.

Muitos estranharam o negócio porque o preço final era muito mais alto do que originalmente foi avaliada a propriedade, US$ 50 milhões.

Uma avaliação privada que se seguiu, mantida em sigilo pela prefeitura, colocou o valor em US$ 143 milhões, deixando dúvidas sobre o aumento do valor e sobre como a cidade atingiu seu número final.

O advogado que representa os Podolskys, Frank Carone, é um aliado de longa data de De Blasio. Ele doou o limite legal de US $ 5.000 para o Fairness PAC de Blasio, que o prefeito está usando para explorar uma corrida presidencial. Ele também solicitou doações de outros em nome de Blasio, pouco antes do fechamento do negócio.

Fonte: Jornal da Cidade Online

Deixe uma resposta

Fechar Menu