BOAS NOTÍCIAS: PRÓTESE DE LEGO IMPLANTADA EM UMA TARTARUGA É SUCESSO!

Na sessão BOAS NOTÍCIAS desta segunda-feira uma nova descoberta, genuinamente brasileira. Veterinários brasileiros usaram peças de Lego para resolver o problema de mobilidade de uma tartaruga e deu certo. Veja a reportagem completa no artigo a seguir e saiba como foi.

Veterinários brasileiros fazem prótese de Lego para tartaruga. Assista!

Foto: Cláudio Hudi

Foto: Cláudio Hudi

Foto: Claudio Yudi

Veterinários brasileiros usaram peças de Lego para resolver o problema de mobilidade de uma tartaruga.

O cágado-barbixa, chamado Michelangelo, chegou ao hospital veterinário da Universidade de Uberaba, em Minas Gerais, sem as patas traseiras. Ele vivia num aquário foi entregue à polícia ambiental voluntariamente.

“Chamou atenção como ele estava desnutrido. Pelo que sabemos, [Michelangelo] vivia em um áquario bem sujo com larvas de moscas”, contou o veterinário Cláudio Yudi.

“Como o Hospital Veterinário de Uberaba é um hospital escola, pedi para que os alunos trouxessem ideias para solucionarmos o problema”, lembra.

Lego

Os estudantes sugeriram a utilização de peças de Lego, e deu certo:

“Testamos até encontrarmos peças que serviram perfeitamente, tinham a altura ideal”.

As próteses foram presas no casco com cola atóxica usada em tratamentos ortodônticos, pois dessa forma não seria necessário furar o casco do animal.

As peças de Lego ajudam a elevar a “barriga” de Michelangelo e impedem que ele a arraste quando se locomove.

“No início, até a tartaruga ficou surpresa. Ela não sabia que conseguia se movimentar. Depois de algumas sessões de fisioterapia, ela melhorou”, relata Yudi.

“Agora soltamos [o cágado] e ele vai embora. Falo para os alunos terem cuidado pra não perdê-lo.”

Criatividade

Essa não foi a primeira vez que o veterinário Cláudio Yudi usou a criatividade para ajudar os animais da região.

Antes de Michelangelo, ele já havia feito próteses para dois jabutis — com uma rodinha de um caminhão de brinquedo, e uma rodinha utilizada para o transporte de móveis.

A equipe de veterinários também desenvolveu próteses para um lobo-guará, um periquito, uma siriema e até uma coruja.

“Nosso próximo passo é colocar a prótese da parte de cima do bico de um carcará. O animal já está pronto, logo faremos o procedimento”, afirma Yudi.

Foto: Claudio Yudi

Foto: Claudio Yudi

Veja na reportagem do Jornal Paranaíba:

Com informações da Galileu

Fonte: Só Notícia Boa

Deixe uma resposta

Fechar Menu