BOAS NOTÍCIAS: LIS, A SEGUNDA SIAMESA SEPARADA POR CIRURGIA RECEBEU ALTA DA UTI

Na coluna BOAS NOTÍCIAS desta sexta-feira temos uma história com final feliz das siamesas que foram separadas por cirurgia. Lis, a segunda siamensa recebeu alta da UTI. Veja a seguir a reportagem completa e saiba como tudo aconteceu!

Lis, a segunda siamesa separada por cirurgia, recebe alta da UTI

Foto: divulgação / Hospital da Criança de Brasília

Foto: divulgação / Hospital da Criança de Brasília

Teve alta esta semana a pequena Lis, gêmea siamesa separada da irmã, Mel, em uma cirurgia inédita no Distrito Federal.

Lis saiu da UTI nesta segunda, 28, uma semana depois de a irmãzinha, Mel, também deixar a unidade de terapia intensiva.

As irmãs agora são vizinhas de berço no Hospital da Criança, em Brasília, um mês após a cirugia.

“Está sendo maravilhoso. Acho que foi o que eu tanto esperei. Mais de um ano esperando esse momento e finalmente ter elas duas, poder vê-las separadas é coisa de outro mundo, é outra sensação”, disse Camilla Vieira, mãe das gêmeas.

Após a alta, as duas passaram por uma sessão de fisioterapia e tomaram banho de sol juntas.

“O pai delas estava segurando uma e a fisioterapeuta, a outra. Eu fiquei olhando e pensando: ‘gente, parece mentira, parece um sonho que elas estejam assim’. Meu coração explode de felicidade. É muito bonitinho elas brincando e se tocando. Uma toca em uma e ri, aí a outra tem horas que não quer, e fica aquela coisa de irmão. Nossa, para mim é maravilhoso, é o que eu tanto esperei”, emocionou-se Camilla.

“Na hora que eu entrei no quarto, ela já começou a rir e deu o braço, para eu pegar no colo. A Lis é mais quietinha, mais séria. Ela estava chorosa porque tinha acabado de acordar e não queria muito colo, mas foi muito bom”, disse o pai, Rodrigo Aragão, sobre o reencontro com a filha.

Ele estava em viagem a trabalho e foi presenteado com a alta de Lis.

As meninas compartilhavam apenas uma pequena parte do cérebro, que poderia ser retirada sem danos.

A equipe médica considera que a ligação das meninas, no lóbulo frontal direito dos crânios, facilitou o trabalho de separação, visto que permitiu às crianças se desenvolverem normalmente.

“Não são pacientes acamadas. São pacientes saudáveis, que tiveram o crescimento e o desenvolvimento motor perfeitamente normal”, destacou a anestesiologista Liliana Teixeira.

Foto: divulgação / Hospital da Criança de BrasíliaFoto: divulgação / Hospital da Criança de Brasília

Foto: divulgação / Hospital da Criança de Brasília

Foto: divulgação / Hospital da Criança de Brasília

Com informações do Metrópoles

Fonte: Só Notícia Boa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Sign up
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.
We do not share your personal details with anyone.
0