BOAS NOTÍCIAS: ALTRUÍSMO E DOAÇÃO DE EMPRESÁRIO TEM SIDO O DIFERENCIAL NO TRATAMENTO COM OS IMIGRANTES VENEZUELANOS

Na coluna BOAS NOTÍCIAS desta quinta-feira temos um exemplo de altruísmo impar que vem de um empresário brasileiro e sua esposa na ajuda humanitária aos venezuelanos que entram no Brasil pela fronteira em Roraima. O empresário Carlos Wizard Martins, fundador da rede de idiomas Wizard e sua esposa, estão doando tempo e dinheiro para acolher e redistribuir para outros estados os venezuelanos que estão chegando no Brasil. Veja a reportagem completa a seguir e saiba como!

Empresário brasileiro ajuda venezuelanos que chegam na fronteira

O empresário Carlos Wizard com imigrantes venezuelanos na fronteira Foto: divulgação

O empresário Carlos Wizard com imigrantes venezuelanos na fronteira Foto: divulgação

Dono de uma das maiores fortunas do Brasil, o empresário Carlos Wizard Martins, fundador da rede de idiomas Wizard, tem se dedicado à solidariedade: a receber, acolher e transportar venezuelanos que chegam ao Brasil.

Desde agosto do ano passado, ele e a sua mulher, Vânia, montaram uma base em Boa Vista (RR), onde passam a maior parte da semana.

A ida para Roraima, Estado por onde entram muito moradores do país vizinho, foi uma indicação mórmon que o casal frequenta, a Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

“A igreja nos indicou, eu e minha mulher, e aceitamos doar nosso tempo, recurso e experiência”,  disse o empresário ao OGlobo. Ele acredita que até o fim do mês, a instituição já terá acolhido quase 3 mil venezuelanos.

Investimento

Além de tempo, Carlos investe dinheiro na causa. Em dezembro, ele fretou um avião para levar venezuelanos para outros Estados do Brasil, onde passaram a trabalhar.

“O que existe é um recurso pessoal. Nós compramos passagens no Brasil para que eles sigam de Roraima para outras cidades. Chegamos a fretar um voo com 118 passageiros na época do Natal. Os venezuelanos chegaram em Campinas (SP) e lá foram encaminhados para vários Estados.

Nessas cidades, as famílias são direcionadas ao mercado de trabalho. Algumas vão fazer doces, tortas, atuar na livre iniciativa. Nós trabalhamos em toda essa rede de apoio’, conta o empresário.

Segundo Wizard, como as fronteiras da Venezuela foram reabertas na semana passada, o Brasil vai começar a receber muita gente.

“Se com a fronteira fechada estavam chegando cerca de mil pessoas, imagina agora”, alerta.

Com informações de O Globo

Fonte: Só Notícia Boa

Deixe uma resposta

Fechar Menu