ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSE SÁBADO

NACIONAIS

Juíza quebra sigilo de dados de celulares do agressor de Bolsonaro

Com a decisão, Polícia Federal poderá rastrear ligações, mensagens e contatos que Adélio Bispo de Oliveira fez antes do atentado.


Por Camila Bomfim e Renan Ramalho, TV Globo e G1, Brasília

 

Adelio Bispo de Oliveira, preso após atentado contra Bolsonaro (Foto: Reprodução/GloboNews)

Adelio Bispo de Oliveira, preso após atentado contra Bolsonaro (Foto: Reprodução/GloboNews)

A juíza Patrícia Alencar Teixeira de Carvalho, da 2ª Vara Federal de Juiz de Fora, autorizou a quebra do sigilo dos dados de quatro celulares e um notebook usados por Adélio Bispo de Oliveira, autor do atentado ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro.

Com a decisão, a Polícia Federal poderá rastrear ligações, mensagens e contatos que Adélio fez antes do atentado, gravados na memória dos aparelhos.

Ainda não há decisão sobre eventual quebra de sigilos bancário e telefônico, que poderia revelar transações financeiras e ligações recebidas ou efetuadas em períodos específicos.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta sexta (7) que Adélio pode ter agido sozinho, mas a PF investiga outros dois suspeitos, que podem ter colaborado com o atentado.

Os investigadores que acompanham de perto o caso dizem que há “possibilidade do agressor ter recebido treinamento ou auxílio de organização criminosa”.

Comboio com Adélio Bispo chega a presídio federal em Campo Grande (MS)

Comboio com Adélio Bispo chega a presídio federal em Campo Grande (MS)

Risco à sociedade

Nesta sexta (7), o Ministério Público pediu à juíza Patrícia Alencar Teixeira de Carvalho que novos depoimentos de Adélio só sejam realizados com autorização dela.

O órgão disse que as circunstâncias do atentado — próximo de uma eleição presidencial — exigem “maior cuidado com a integridade física” de Adélio.

Nesta sexta (7), a juíza converteu a prisão em flagrante de Adélio Bispo de Oliveira em prisão preventiva, sem prazo determinado. Ele foi transportado para o presídio federal de Campo Grande.

A magistrada considerou que, solto, ele representa risco à sociedade e à à ordem pública.

“Há, inclusive, notícia nos autos de divulgação do ódio aos ideais defendidos por Bolsonaro, denotando, assim, que se colocado em liberdade apresenta grave risco de reiteração criminosa ao próprio candidato ou a outros”, escreveu na decisão.

Fonte: G1

Bolsonaro não tem sinais de infecção, diz boletim médico

Candidato está se recuperando de facada levada em ato de campanha em Juiz de Fora. Neste sábado, ele foi movimentado do leito para uma poltrona.


Por G1 SP

 

Bolsonaro não tem sinais de infecção, diz novo boletim médico

Bolsonaro não tem sinais de infecção, diz novo boletim médico

Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, não tem sinais de infecção, informou o boletim médico divulgado pelo Hospital Albert Einstein no começo da noite deste sábado (8).

Neste sábado, ele foi movimentado do leito para uma poltrona. “O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, passou um pequeno período do dia sentado na poltrona (30 minutos), além de caminhar no quarto auxiliado por fisioterapeuta, enfermeira e médico por 5 minutos. O tempo será gradualmente aumentado nos próximos dias conforme a tolerância do paciente às atividades”, diz o boletim.

Essas medidas, de acordo com o hospital, têm objetivo de reduzir os riscos de trombose, complicações pulmonares e acelerar a recuperação do funcionamento do intestino. “Até o momento, a evolução não evidencia sinais de infecção”.

O presidenciável está internado desde sexta-feira (7) no hospital na Zona Sul de São Paulo se recuperando de uma facada levada durante ato de campanha no Centro de Juiz de Fora (MG), na tarde de quinta (6).

Outro boletim médico, divulgado às 10h40, falava em “boas condições clínicas”. “Os exames de imagem e laboratoriais realizados durante avaliação médica mostraram resultados estáveis. Encontra-se em boas condições cardiovascular e pulmonar, sem febre ou outros sinais de infecção”, dizia o texto.

Nesta tarde, Flávio Bolsonaro, um dos filhos do presidenciável, postou nas redes sociais uma foto do pai em uma poltrona na UTI. Na imagem, ele aparece fazendo sinal de armas com as mãos. Questionado na porta do hospital sobre o gesto, outro filho do candidato, Eduardo Bolsonaro, disse que o sinal já é uma marca registrada do pai devido à sua posição contra o desarmamento. Eduardo disse também que não vê nada de prejudicial no gesto ou algo que possa gerar violência.

Foto postada por filho de Jair Bolsonaro mostra candidato sentado em poltrona do Hospital Albert Einstein, em São Paulo (Foto: Reprodução/Twitter/Flavio Bolsonaro)

Foto postada por filho de Jair Bolsonaro mostra candidato sentado em poltrona do Hospital Albert Einstein, em São Paulo (Foto: Reprodução/Twitter/Flavio Bolsonaro)

Em sua conta no Twitter, Bolsonaro afirmou que está bem e se recuperando e agradeceu à família e aos médicos. Neste sábado, voltou a agradecer na rede social as orações e o apoio.

Segundo a cúpula do Einstein, os principais riscos que serão monitorados são pneumonia (pois o candidato ficou muito tempo em choque e perdeu cerca de 2 litros de sangue) e infecção (por causa do vazamento de massa fecal na cavidade abdominal).

A previsão de internação é de sete a dez dias. A retomada das atividades só deve ocorrer em 20 dias.

Jair Bolsonaro 1️⃣7️⃣

@jairbolsonaro

Boa tarde! Novamente gostaria de agradecer as orações e votos de apoio, carinho e consideração! O momento nos une e fortalece. Estamos em boas mãos. Aproveito para lembrar que tão grave quanto a corrupção, é tentar roubar a nossa liberdade.

Pós-operatório

Bolsonaro estava internado na Santa Casa de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde passou por uma cirurgia após o ataque que sofreu (entenda a operação ao final da reportagem).

O médico do Albert Einstein que foi a Juiz de Fora, o gastroenterologista Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo, gravou um vídeo em que elogiou a equipe da Santa Casa.

“O deputado já estava acordando, já estava bem consciente, ele recebeu pouca transfusão de sangue em função do grave sangramento que ele teve. E hoje, apresentando melhora, nós optamos, juntamente com a equipe de Juiz de Fora, trazê-lo para cá e vamos continuar o tratamento dele no Hospital Israelita Albert Einstein”, acrescentou na sexta.

A transferência foi feita via aérea, em um avião UTI, na manhã de sexta, até Congonhas. De lá, o candidato foi levado pelo Helicóptero Águia, da Polícia Militar paulista, até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual e vizinha do hospital. Uma ambulância do próprio Einstein o levou do palácio ao centro médico.

Agressor transferido

O responsável pelo atentado, Adélio Bispo, foi transferido em um avião da Polícia Federal (PF) na manhã deste sábado (8) de Juiz de Fora para um presídio federal em Campo Grande (MS). A transferência foi determinada pela Justiça Federal durante a audiência de custódia, na tarde desta sexta-feira (7).

Em depoimento, ele afirmou que deu a facada em Bolsonaro “a mando de Deus”, segundo boletim de ocorrência.

Adélio também disse que agiu sozinho, sem ajuda de partido político ou empresa. Policiais federais consideraram o depoimento do suspeito como declarações de uma pessoa conturbada. Sua defesa alega insanidade mental.

Fonte: G1

Em Florianópolis, Alckmin atribui radicalização ao PT e não muda esquema de segurança

Em visita à Fenaostra, em Florianópolis (SC), o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, afirmou que o PT também é responsável pelo clima de radicalização no país.

“Muito do clima de radicalização do país veio do PT que dividiu o país entre nós e eles”, disse.

Alckmin afirmou que não reforçou sua segurança após a facada contra Jair Bolsonaro (PSL), mantendo o esquema usual de segurança da Polícia Federal.

O tucano chegou ao local acompanhado de sua vice, Ana Amélia, e tirou fotos com eleitores.

Um senhor o chamou de “picolé de chuchu”, mas foi abafado por gritos de “Geraldo”. Durante fala à imprensa, Alckmin foi interrompido por gritos de “Lula livre”.

Folhapress

PGR se manifesta contra novo recurso da defesa de Lula que pedia registro de candidatura

A Procuradoria-Geral da República se manifestou neste sábado (8) contrariamente ao recurso da defesa em favor da candidatura de Lula, protocolado na terça-feira (4) no Tribunal Superior Eleitoral. O documento com cerca de 180 páginas insiste na tese sobre decisão de um comitê da Organização das Nações Unidas (ONU) que permitiria o petista disputar as eleições.

Os advogados consideram que é o Supremo Tribunal Federal (STF) que deve decidir se a decisão da ONU é ou não vinculante. O recurso só vai à análise do Supremo se o plenário virtual da Corte Eleitoral, que analisa o recurso, entender que há questão constitucional a ser esclarecida.

Para o vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, “não há qualquer improbidade na decisão do Tribunal Superior Eleitoral” que barrou o registro da candidatura de Lula.

“Indubitavelmente, aquele que, com causa de inelegibilidade já reconhecida pela Justiça Eleitoral, aventura-se em tentar postergar o indeferimento do seu registro de candidatura, turbando o processo eleitoral, atua desprovido de boa-fé. Sua conduta é capaz de imprimir indesejável instabilidade às relações políticas, excedendo, portanto, os limites sociais ao exercício do direito. Por fim, ao assim proceder, dá causa ao dispêndio de recursos públicos a serem empregados a uma candidatura manifestamente infrutífera”, diz Medeiros

Em sua manifestação, o vice-procurador-geral diz ainda que “reconhecer a procedência do pedido almejado no recurso extraordinário significaria violar a Constituição brasileira”.

Na semana passada, ao decidir sobre o impedimento da candidatura de Lula, a Justiça eleitoral deu prazo para que até a próxima terça-feira (11) o PT defina o nome do candidato da coligação O Povo Feliz de Novo (PT, PCdoB e Pros) à Presidência da República.

Agência Brasil

Tragédia deve servir para fortalecer museus, afirma especialista

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Coordenador do Sistema Nacional de Museus do Uruguai, o especialista Javier Royer espera que o incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro, ocorrido no último domingo (2), sirva para fortalecer a importância do papel dessas instituições.

“Espero que a tragédia se transforme em algo permanente e que fortaleça os museus e sua dimensão social, o seu papel na sociedade, a sua pertinência social. O museu não é só para contar o passado; nos dá elementos para interpretar o que está acontecendo agora e para sabermos onde queremos ir”, afirmou o especialista em entrevista à Agência Brasil.

Javier classificou o incêndio no Museu do Rio como uma perda mundial irreparável. “Uma desgraça e um evento terrível para o campo museológico do Brasil, particularmente dadas as características que tinha o museu.”

Reunião Mercosul

Ele adiantou que, na próxima semana, haverá uma reunião do comitê técnico de museus do Mercosul em que participarão quase todos os países da América do Sul. Na ocasião, serão discutidas formas de as nações colaborarem com a reconstrução do museu brasileiro.

“Estamos abertos a colaborar com o que for possível. Na medida em que possam entrar [nos escombros] e avaliar qual é a situação, sobretudo em relação às coleções e o que conseguiram recuperar, é que se definirá como vão reconstruir o museu, como será esse novo projeto”, afirma.

Javier acredita que o Uruguai poderá ceder profissionais e técnicos para contribuir com os trabalhos, mas dificilmente terá condições de apoiar financeiramente o Brasil.

Investimentos

Royer destacou a necessidade de valorização do patrimônio museológico e de investimentos a longo prazo no setor.

“O sistema em que vivemos, com o consumismo e as novidades permanentes, gera certo desapego e a noção de que não é necessário conservar, onde é tudo descartável. Mas há muitas coisas que não são descartáveis. Tem a ver com o que se entende como valioso. E isso é algo que nós, dos museus, temos que trabalhar, pois o patrimônio é parte da memória do mundo”, destacou.

Javier reconhece que nem sempre é possível evitar danos ao patrimônio, mas detalha a experiência do Uruguai que investiu em políticas de prevenção de riscos de origem natural (inundações, queda de árvores, etc) e humana (roubos, vandalismo, depredações).

“Em 2010, quando eu assumi [a coordenação nacional do sistema de museus], não tínhamos nenhum museu com sistema de segurança. Hoje, todos os museus vinculados têm. Estou falando de sensores de fumaça, de incêndio, câmeras de vigilância e sensores contra furto. Foi feito um investimento e seguimos fazendo porque a tecnologia vai mudando e temos que atualizar esses sistemas eletrônicos”, destacou.

Conservação

O especialista destaca que a conservação é o maior desafio para o setor museológico.

“Nunca tivemos, pelo menos nos museus vinculados ao sistema nacional de museus uruguaio, um edifício feito especialmente para ser um museu. Sempre tivemos que adaptar edifícios, muitas vezes históricos, como é o caso do Rio. E esses edifícios, classificados como monumentos históricos, têm restrições quanto a obras – não podemos fazer saídas de emergência com uma porta enorme, corta-fogo. Isso tudo gera dificuldades.”

Moradores da pensão de Adélio dizem que ele era estranho e calado

Calado, muito reservado e de raras palavras. Essa é a impressão das poucas pessoas que conheceram Adélio Bispo de Oliveira, na pensão de número 295, da Rua Oswaldo Cruz, no centro de Juiz de Fora. O local, uma casa simples, escondida por uma árvore que cobre quase toda a fachada, não chama a atenção e destoa das outras residências e edifícios ao redor, todos de classe média alta.

Ele pagou adiantado R$ 400 por um dos melhores e maiores quartos da pensão. Alguns quartos são menores e custam a partir de R$ 290 a mensalidade. A comida é à parte e os moradores, a maioria trabalhadores do comércio ou aposentados, se vira como pode para se alimentar.

“Ele morava aqui há pouco tempo. Mas ele era muito calado. Não falava com ninguém. Saia, entrava, mas nunca falava com ninguém, nunca. Eu achava ele estranho. Não se comunicava com a gente. Disse que veio para cá para arrumar emprego. Só disse isso”, disse o ferroviário aposentado Uiraquitã Leite Moreira.

Quando ficou sabendo o que Adélio tinha feito, Uiraquitã admite que ficou com medo. “Assassino, eu fiquei até com medo. Foi um susto. O cara fazer isso, poderia pegar qualquer um de nós. Era meio doido. O mal, quando menos se espera, chega. E estava do meu lado, aqui dentro”, refletiu.

A presença do criminoso era tão discreta, que alguns moradores da pensão dizem que jamais o tinham visto. “Eu nunca o vi. Não sei quem é não! A minha porta dá direto para a rua. Quando eu fiquei sabendo do que tinha acontecido, pensei que ele também pudesse ter feito alguma coisa com a gente aqui. Dizem que ele não conversava com ninguém”, disse o também aposentado Evangelho dos Anjos Luiz.

Cansados de falar com a imprensa, que tem procurado a pensão em busca de informações desde o dia do atentado, alguns moradores saem às pressas e evitam entrevistas. Para falar com eles, só mesmo acompanhando ao longo do trajeto, caminhando sem parar.

“Eu não posso parar, pois estou atrasado. Fiquei muito surpreso com o que aconteceu. Ele estava na pensão só há duas semanas. Eu passei duas vezes por ele, cumprimentei, e ele só balançava a cabeça. Eu senti que tinha uma energia ruim nele. Era um cara fechado”, disse o garçom Sérgio, que preferiu não dar o sobrenome, enquanto descia a ladeira.

Sérgio contou que ouviu do dono da pensão, Ronaldo, que Adélio disse ser da igreja e que ira orar por sua esposa, que está com câncer. Embora a defesa de Adélio sustente que ele agiu sozinho, o garçom acredita ser mais provável que o vizinho tenha agido com outras pessoas.

“Acho que sozinho ele não agiu. Isso aí foi armado. O cara já sabia que o Bolsonaro vinha para cá e pegou um local perto do evento. É ruim, porque esta pensão é igual à nossa casa e agora fica muito visada”, lamentou Sérgio. A pensão fica a apenas a 1 km do local onde o candidato foi esfaqueado, onde se chega em pouco mais de 10 minutos de caminhada.

O dono da pensão foi ouvido pela Polícia Federal, que mandou lacrar o quarto de Adélio.

Para a advogada Cibele Romanel, vizinha da pensão e conhecida dos donos, a ação de Adélio também teve a ajuda de outras pessoas. “Eu fiquei bastante assustada. Você não espera que uma pessoa dessas esteja próxima. Ele podia ter pego a gente. Mas a minha opinião é que isso foi bem articulado. Você não faz uma coisa dessas sozinho. O cara sabia que o Bolsonaro ia vir aqui para o centro, procurou uma pensão do lado e pagou adiantado, muito estratégico. Essa tese que ele fez tudo sozinho não cola”, disse a advogada.

Agência Brasil

 

LOCAIS

Adepol e InPACTA entregam relatório de pesquisa sobre segurança a candidatos ao Governo

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do RN (Adepol/RN) irá entregar no próximo dia 11, a todos os candidatos ao governo do estado, o estudo proveniente da campanha “Eu Decido a Segurança do RN”. Foram muitas avaliações e propostas registradas em todas as mesorregiões do estado e tudo está sendo compilado num grande documento a ser disponibilizado aos governadoráveis. “A campanha foi uma surpresa positiva para nós, já que não imaginávamos que o engajamento da população seria tão grande”, avaliou a delegada Paoulla Maués, presidente da Adepol/RN.

A pesquisa esteve à disposição do público em um site, durante todo o mês de agosto. Nela as pessoas respondiam a simples perguntas objetivas sobre a violência que acomete o nosso estado e no final podiam escrever em linhas livres suas ideias para melhorar a situação da segurança pública. “O mais interessante é que por reiteradas vezes observamos pedidos de participantes no sentido de que suas opiniões fossem de fato ouvidas e o resultado da pesquisa fosse levado à sério pelos candidatos ”, contou a delegada. Todos os dados estão sendo analisados e descritos por professores da Universidade Federal do RN que compõem a incubadora IN-Pacta.

Segundo o professor do mestrado profissional de tecnologia e inovação da UFRN e coordenador da pesquisa, Gláucio Brandão, da forma como foi abordada, a pesquisa tende a ser um marco no que diz respeito à Estatística Inteligente. “A metodologia usada, baseada em Inteligência Artificial (IA), foi capaz de apontar correlações não perceptíveis pela estatística convencional.”

Segundo o especialista, a pesquisa conseguiu correlacionar dados aparentemente distantes como IDH, gfênero, aixa etária, a infraestrutura policial e os tipos de crimes como nunca antes havia sido feito. “Além disso, conseguimos gerar um árvore de decisão capaz de sugerir diretrizes para os gestores no tocante à segurança”, observou Gláucio Brandão.

No dia 11, na Assembleia Legislativa, os pesquisadores irão apresentar os relatórios da pesquisa e em seguida os candidatos ao governo receberão em mãos os estudos. Foram convidados para a ocasião advogados, promotores, magistrados, auditores fiscais, membros de instituições religiosas, entidades representativas de classe, FIERN, CDL, policiais civis e militares e representantes da classe política do nosso estado como deputados federais, estaduais e vereadores, entre outras autoridades políticas.

A entrega do relatório está marcada para as 10h30 e todos os candidatos foram convidados.

Cooperativa Médica não atenderá mais em unidades da Prefeitura do Natal por atrasos desde de fevereiro de 2018

A Cooperativa Médica do Rio Grande do Norte (Coopmed/RN) decidiu suspender todos todos os serviços médicos de todas as especialidades feitos para a Prefeitura do Natal devido ao atraso nos pagamentos que já se acumulam desde fevereiro 2018, na gestão do então prefeito Carlos Eduardo Alves.

A informação foi repassada ao atual prefeito Álvaro Dias e ao secretário George Antunes, titular da pasta da Saúde (SMS).

No documento, a Coopmed critica os atrasos afirmando que eles não são exceção, e sim uma regra. A paralisação dos serviços será de 72 horas.

Fonte: Blog do BG

Deixe uma resposta

Fechar Menu