ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSE DOMINGO

Por Valdo Cruz

 


O ministro da Justiça, Sérgio Moro — Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O ministro da Justiça, Sérgio Moro — Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

Integrante da comitiva brasileira no Fórum Econômico Mundial, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, dirá no evento que a corrupção “prejudica negócios legítimos, aumenta os gastos públicos sem proveito coletivo e diminui recursos para serviços essenciais como educação e saúde”.

Moro será apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro como o ministro responsável por desenvolver um plano nacional de combate à corrupção.

No discurso, na sessão inaugural do encontro, o presidente vai destacar que o Brasil entrou numa nova era de intolerância com a corrupção, o que irá garantir condições iguais para as empresas que desejam investir no Brasil.

O ministro da Justiça vai seguir na mesma linha do chefe e transmitirá também a mensagem de que o “combate firme à corrupção e à impunidade” é um compromisso do governo brasileiro, em sintonia com os compromissos assumidos nos foros internacionais.

Sergio Moro também vai dizer que a corrupção acaba “fraudando concorrência” e “vicia os gestores públicos”. Para o ministro, o combate à corrupção no país trará segurança jurídica aos investidores, criando uma “economia saudável e competitiva”, focada na eficiência econômica.

Para o ministro, o movimento global de enfrentamento à corrupção, do qual o Brasil está participando nos últimos anos, levou o setor empresarial a implantar procedimentos internos de integridade e programas de compliance, com criação de códigos de ética e de conduta nos negócios no país.

Além de Sergio Moro, também integram a comitiva presidencial os ministros Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). O chefe da equipe econômica será o encarregado de detalhar as medidas para enfrentar a crise fiscal brasileira, cuja prioridade será a aprovar a reforma da Previdência Social.

 — Foto: Editoria de Arte / G1 — Foto: Editoria de Arte / G1

Fonte: G1

Por G1 Sul do Rio Costa Verde


Tromba d'água deixa um morto e desaparecidos em Itatiaia

Tromba d’água deixa um morto e desaparecidos em Itatiaia

Uma pessoa morreu e pelo menos outras oito estão desaparecidas após uma tromba d’água em Itatiaia, no Sul do Rio de Janeiro, no fim da tarde deste domingo (20). De acordo com as primeiras informações do Corpo de Bombeiros, a tromba d’água começou no alto do Parque Nacional do Itatiaia e desceu para a área conhecida como Paraíso Perdido, local turístico onde moradores e turistas costumam se banhar.

A Defesa Civil informou que no alto do Parque Nacional choveu de 10 a 15 mm, disse ainda que o rio Campo Belo subiu aproximadamente três metros.

Por volta das 22h11 agentes dos bombeiros e da Defesa Civil realizavam o resgate do corpo que foi localizado. Eles serão levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Resende. A Polícia Civil também está no local.

Trombas d’água – ou cabeças d’água – costumam ocorrer quando chove na cabeceira (nascente) de um rio, ampliando rapidamente seu fluxo. O nível das águas pode subir vários metros em poucos segundos, como uma espécie de tsunami dos rios. As chances de ocorrência aumentam no período chuvoso, que em boa parte do país coincide com o verão.

A expressão tromba d’água também designa outro fenômeno climático, que consiste na formação de colunas de água que lembram tornados sobre mares ou grandes rios.

No fim de dezembro, cinco pessoas com idades entre 24 e 32 anos morreram após uma tromba d’água em São João Batista do Glória (MG). Três pessoas praticavam rapel em um paredão e outras duas pessoas nadavam quando foram atingidos.

Tromba d'água em região conhecida como Paraíso Perdido, em Itatiaia

Tromba d’água em região conhecida como Paraíso Perdido, em Itatiaia


Médico do Paraná, conhecido como Doutor Faz-Tudo, é acusado de erros médicos

Médico do Paraná, conhecido como Doutor Faz-Tudo, é acusado de erros médicos

A cidade de Guaíra, no Paraná, tem pouco mais de 30 mil habitantes. Apesar da aparente calma, os moradores estão assustados com o número de pacientes que tiveram problemas neste hospital particular, conveniado ao SUS.

Pelo menos 33 pessoas dizem que tiveram complicações graves depois de cirurgias feitas no hospital. Três delas morreram. Todos pacientes do Doutor Paulo Marcelino Andreolli Gonçalves, conhecido como “Doutor faz-tudo”.

Fonte: G1

Por Carolina Dantas, G1

 


Eclipse lunar total registrado em julho de 2018 — Foto: Bay Iismoyo/AFP Photo

Eclipse lunar total registrado em julho de 2018 — Foto: Bay Iismoyo/AFP Photo

Na madrugada da próxima segunda-feira (21), o Brasil poderá ver um eclipse lunar total – quando Sol, Terra e Lua se alinham e nosso planeta faz sombra sobre o satélite. O fenômeno será parecido com o que vimos em julho de 2018, mas poderá ser observado por mais tempo em todas as cidades do país.

O eclipse começa à 00h36 (21h36 de Nova York). O fase da umbra – quando a sombra do Sol começa a ser observada na Lua tem início à 01h33 (22h33 de Nova York). Às 03h12, o satélite estará na fase total máxima. A fase parcial segue até às 04h50 (01h50 de Nova York) e tudo termina às 5h48.

Eclipse lunar total será visto em toda a América — Foto: Alexandre Mauro/G1

Eclipse lunar total será visto em toda a América — Foto: Alexandre Mauro/G1

Diferente de um eclipse solar total – quando o que é “escondido” é o Sol – a observação da versão lunar não exige um óculos de proteção. A visão da Lua é a olho nu. Um binóculo ou uma luneta simples podem ajudar. É mais fácil de assistir em áreas menos iluminadas – campos e praias – e com o horizonte livre.

“Quando o eclipse começar, a Lua vai estar alta. Mas quando a fase total começar, ela já vai estar no lado oeste do céu, e é pra lá que as pessoas precisam olhar”, disse Josina Nascimento, pesquisadora do Observatório Nacional.

Eclipse lunar total do dia 21 de janeiro — Foto: Alexandre Mauro e Karina Almeira/G1

Eclipse lunar total do dia 21 de janeiro — Foto: Alexandre Mauro e Karina Almeira/G1

Mais próxima

A Lua também estará próxima de seu perigeu – ponto de sua órbita mais perto da Terra. Por isso, ela parecerá maior para quem a observa da perspectiva do nosso planeta. Quando isso acontece, o fenômeno é chamado de “superlua”.

“O perigeu será no dia 21, às 18h, horário de Brasília. E a gente considera superlua quando esse perigeu acontece no mesmo dia, no dia anterior, ou até no dia seguinte da lua cheia”, explicou Josina.

Lua de sangue

Em todo eclipse lunar total se observa a chamada “lua de sangue” – termo usado popularmente, mas não adotado tecnicamente pelos astrônomos, e que se refere ao tom avermelhado que a Lua assume quando entra na fase máxima de sombreamento. Essa mudança de cor é provocada pelos mesmos fatores que fazem o céu ser azul.

Lua de Sangue durante eclipse vista sobre o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro — Foto: Carl de Souza/AFP

Lua de Sangue durante eclipse vista sobre o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro — Foto: Carl de Souza/AFP

Nesta segunda, a Lua deverá assumir essa tonalidade na fase total do eclipse. Sol, Terra e Lua ficarão alinhados, e nosso planeta bloqueará a passagem dos raios solares até o satélite. A forma como a luz de cores vermelho e laranja é “desviada” ao passar pela atmosfera da Terra e reflete na Lua, criando o tom da “lua de sangue”.

O fenômento da Lua de Sangue — Foto: Alexandre Mauro/G1

O fenômento da Lua de Sangue — Foto: Alexandre Mauro/G1

Próximo eclipse lunar total

O mundo verá o próximo eclipse total da lua só em 2021 – com possibilidade de observação parcial no Brasil. Outros fenômenos parciais acontecem antes. No Brasil, um eclipse total plenamente visível ocorrerá apenas em 16 de maio de 2022.

Em compensação, teremos um eclipse solar total “aqui do lado” no dia 2 de julho: a Lua passará entre o Sol e a Terra, “tampando” sua luz. O Sol ficará escuro por alguns minutos, os animais se escondem, um fenômeno bastante raro. Ele poderá ser observado em uma faixa que vai do Chile até a Argentina.

“Eclipse solar é mais interessante, porque ele só acontece em uma faixa muito pequena na Terra. É diferente da Lua: quem está vendo a Lua no horário, está vendo o eclipse”, disse Josina. “Ele é muito mais raro. Poucas pessoas já viram um eclipse total do Sol uma vez, e pouquíssimas viram duas vezes na vida. Isso porque ele não vai passar duas vezes no mesmo lugar tão cedo”.

Fonte: G1

Por Rodrigo Viga Gaier, Reuters — Rio de Janeiro

 


O vice-presidente Hamilton Mourão no Palácio do Planalto, em imagem de 7 de janeiro — Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O vice-presidente Hamilton Mourão no Palácio do Planalto, em imagem de 7 de janeiro — Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O caso envolvendo movimentações financeiras atípicas do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz não é assunto do governo que começou em 1º janeiro, apesar de o parlamentar ser filho do presidente Jair Bolsonaro, avaliou neste domingo o vice-presidente da República, Hamilton Mourão.

“É preciso dizer que o caso Flávio Bolsonaro não tem nada a ver com o governo”, disse à Reuters Mourão, que assume interinamente a Presidência da República enquanto Bolsonaro participa do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

Para Mourão, é preciso aguardar o andamento dos fatos e investigações antes de se tirar conclusões.

Flávio Bolsonaro é investigado na esfera cível da Justiça do Rio de Janeiro por suspeita de movimentação atípica detectada pelo Conselho de Controle de Atividade Financeiras (Coaf).

Segundo reportagens do Jornal Nacional, da TV Globo, o Coaf identificou 48 depósitos de R$ 2 mil entre junho e julho de 2017 e um pagamento de pouco mais de R$ 1 milhão de um título bancário da Caixa Econômica Federal na conta de Flávio Bolsonaro, então deputado estadual.

Neste domingo, o jornal O Globo destacou ainda que Queiroz chegou a movimentar em sua conta, além de R$ 1,2 milhão já divulgados, outros R$ 5,8 milhões, totalizando R$ 7 milhões em três anos.

Procurada, a assessoria de imprensa de Flávio Bolsonaro disse que o senador eleito não comentaria o assunto.

Câmara

O vice-presidente aproveitou também para elogiar o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tenta a reeleição para o comando da Casa.

Maia já obteve apoio de vários partidos, incluindo o PSL de Bolsonaro, e teria a simpatia de integrantes da equipe econômica do governo, incluindo o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, que tentará emplacar projetos relevantes como a reforma da Previdência, já em discussão no governo.

“O Rodrigo Maia tem noção do tamanho do problema (do país)”, disse Mourão à Reuters.

O vice-presidente também afirmou não ver problema na escolha de um deputado novato, major Vitor Hugo (PSL-GO), para ser o líder do governo na Câmara, conforme anúncio feito recentemente.

“Vitor Hugo tem capacidade e competência para essa missão”, avaliou ele.

Ao ser questionado como ficaria a reforma da Previdência para as Forças Armadas, Mourão declarou que “os militares estão discutindo o tema com a equipe econômica”.

Fonte: G1

Bolsonaro recebeu dados da reforma da Previdência, diz Mourão

Hamilton Mourão confirmou hoje que Jair Bolsonaro recebeu os dados da reforma da Previdência na última quinta-feira.

“Não tive acesso. O presidente Bolsonaro recebeu as informações, até porque ele é o decisor”, disse o vice-presidente ao Valor.

Valor

Comments

Defesa de Queiroz diz que não sabia de movimentação de R$ 7 milhões

O advogado Paulo Klein, que defende Fabrício Queiroz , informou neste domingo que desconhece os vultosos valores registrados na conta de seu cliente desde 2014. Conforme o colunista Lauro Jardim revelou neste domingo, além dos R$ 1,2 milhão movimentados de forma atípica entre janeiro de 2016 e o mesmo mês de 2017, o ex-motorista do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) transacionou mais R$ 5,8 milhões nos dois anos anteriores, totalizando uma movimentação de R$ 7 milhões em três anos .

Desde julho do ano passado, Queiroz, que é amigo do presidente Jair Bolsonaro desde os anos 1980, é alvo de um procedimento investigatório criminal instaurado pelo Ministério Público do Rio por conta de movimentações incompatíveis com sua renda. Chamado a dar explicações em quatro ocasiões — 14, 16, 19 e 21 de dezembro — ele não compareceu ao MP, alegando impedimento por causa de um câncer.

A defesa do ex-assessor afirma que, embora tenha pedido ao MP acesso às informações registradas pelo Coaf sobre Queiroz, não obteve tais documentos.

— Eu tinha pedido na semana passada para ter acesso a essas informações e foi dito que isso não tinha sido documentado na investigação. Pedi cópia das informações do Coaf e também de eventuais testemunhas que tenham sido ouvidas. Não entregaram. Disseram: ‘doutor, não tem nenhuma informação do Coaf depois daquela’. Para mim foi uma surpresa a imprensa ter tido essa informação sem a defesa ter tido acesso primeiro.

O advogado pretende voltar ao MP nesta segunda-feira para requisitar, mais uma vez, as informações do Coaf referentes à conta de Queiroz. Segundo Klein, o fato de Queiroz estar se recuperando da cirurgia para a retirada de um tumor, realizada em 1º de janeiro, impossibilitou que cliente e advogado se reunissem e, portanto, que a defesa obtivesse os extratos bancários de Queiroz.

— Não me senti confortável para estar com ele neste momento difícil. Estive com ele no dia 19 e depois quando ele deu aquela entrevista para o SBT — disse Klein ao GLOBO.

— Preciso ter acesso aos extratos. Até já comentei com ele, que a gente vai precisar dos extratos bancários. Eu não sei se ele tem mais de uma conta, não sei se é uma conta só, não tive acesso aos extratos nem à movimentação do Coaf.

Segundo o advogado, Queiroz está em São Paulo, onde se recupera do procedimento cirúrgico realizado no Hospital Israelita Albert Einstein. O ex-assessor teve alta em 8 de janeiro.

— Era um tumor grande que já estava obstruindo a passagem do intestino. Ele podia ter uma infecção generalizada. Agora está fazendo acompanhamento pós-cirúrgico. Está com uma bolsa de colostomia e preparando-se para se submeter a uma bateria de quimioterapia. Deve começar este mês.

Flávio investigado

Para o advogado de Queiroz, o senador eleito Flávio Bolsonaro é investigado pelo Ministério Público do Rio “desde o início” — apesar do próprio órgão negar.

Segundo Klein, o simples fato de que a investigação esteja sendo conduzida pelo Grupo de Atribuição Originária Criminal da Procuradoria-Geral de Justiça (Gaocrim), e não por um promotor de primeira instância, explicaria a tese.

— Não me parece razoável o MP dizer que Flávio não é investigado. Isso não é verdade. Se Flávio não fosse investigado, esse caso não estaria no Gaocrim. Esse caso estaria com um promotor de primeira instância. O Queiroz não tem prerrogativa. Se não fosse o deputado Flávio desde o início alvo da investigação, esse caso não teria tramitado desde o início no Gaocrim. Do ponto de vista processual técnico, o Queiroz não poderia ter nenhuma razão de ser investigado pelo Gaocrim inicialmente se desde o início não houvesse alguma coisa que envolvesse o deputado Flávio.

Na última quinta-feira, o ministro do STF Luiz Fux concedeu liminar para suspender as investigações do MP do Rio envolvendo Fabrício Queiroz. A suspensão ocorreu a pedido de Flávio Bolsonaro, que alegou que o MP não teria competência para investigar o senador recém-eleito e diplomado. A defesa de Flávio também pediu a anulação das provas obtidas até o momento, argumentando que houve quebra de sigilo bancário e fiscal sem autorização de um juiz.

O relator do caso no STF, ministro Marco Aurélio Mello, indicou que deve destravar a investigação assim que terminar o recesso do Judiciário, em fevereiro. Medidas como pedidos de quebra de sigilo bancário só poderão ser tomadas, portanto, a partir do próximo mês.

— Essa investigação tendo sido paralisada, não por meu pedido, não beneficia o Queiroz em nada, porque o Queiroz vai ter que em algum momento prestar esclarecimentos. A investigação em relação a ele vai prosseguir independentemente dessa discussão do Flávio — disse Paulo Klein, ao comentar a decisão do ministro Fux.

Procurada pelo GLOBO, a assessoria de Flavio Bolsonaro informou que o senador eleito não vai se pronunciar sobre o caso. O procurador-geral de Justiça do Rio, Eduardo Gussem, também preferiu não comentar.

O Globo

Comments

Palocci diz que Lula pediu R$ 30 milhões para Delfim e Bumlai em obra de Belo Monte

O ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci afirmou, em delação premiada que Delfim Netto recebeu R$ 4 milhões de um acerto de R$ 15 milhões de propinas ao PT supostamente repassados pela Andrade Gutierrez. Delfim foi o todo poderoso ministro da Fazenda do regime militar, nos anos 1970. Ele ficou famoso como o ministro do ‘milagre econômico’.

Em nove de março de 2018, Delfim foi alvo de buscas e apreensões no âmbito da Operação Buona Fortuna, 49ª fase da Lava Jato. Segundo os investigadores, já foram rastreados pagamentos em valores superiores a R$ 4 milhões de um total estimado em R$ 15 milhões.

Primeiro delator do núcleo político de comando do esquema de corrupção sistêmica nos governos do PT revelado pela Lava Jato, Palocci detalhou sua atuação no acerto de R$ 135 milhões em propinas em Belo Monte – equivalente a 1% do contrato de R$ 13,5 bilhões. O valor dividido de forma igualitária, 50% cada, entre o PT e o MDB. E incriminou Lula e Dilma no esquema.

Palocci afirma que Lula “se envolveu diretamente” na corrupção em Belo Monte. Segundo o delator, o ex-presidente exigiu que o amigo José Carlos Bumlai, pecuarista com livre acesso ao Planalto em seu governo, e Delfim Netto recebessem “milhões” no negócio, por terem formulado o consórcio vencedor do contrato.

O ex-ministro disse que ‘Lula insistia que deveriam ser pagos em virtude da atuação de Delfim Neto e Bumlai na formação do consórcio vencedor e ‘que Lula informou que Bumlai e Delfim Neto deveriam receber R$ 30 milhões pela formação do consórcio alternativo e que ainda não tinham sido pagos’.

Segundo Palocci, Lula estava ‘irritado’ porque Dilma Rousseff não havia autorizado o pagamento de propinas ao PT pela construção de Belo Monte, já que haveria um outro acerto com o PMDB.

O ex-ministro afirma que recebeu um pedido de Lula para que ajudasse o então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, a remunerar Delfim e Bumlai pela ajuda que teriam dado ao consórcio vencedor de Belo Monte.

Para Palocci, a ‘presença de Bumlai significava que havia interesses também de Lula no recebimento dos valores’. O ex-ministro diz que ‘recebeu um visita de do executivo da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo, ‘o qual se fazia acompanhado de Jose Carlos Bumlai, na sede’ de sua empresa Projeto.

Na reunião, segundo Palocci, Otávio indagou se havia necessidade de se pagar cerca de R$ 30.000.000,00 (trinta milhões) a Antonio Delfim Netto e ainda disse que ‘iria abater os pagamentos dos valores que eram devidos pelas empresas do consórcio construtor ao PT e ao PMDB, ou seja, seriam abatidos quinze milhões dos valores de cada agremiação’.

De acordo com Palocci, ‘pela presença de Bumlai na reunião, confirmava-se o que posteriormente Lula confidenciou, de que também Bumlai pretendia receber parte dos 30 milhões’ e que ‘os trabalhos de Bumlai eram feitos, muitas das vezes, para a sustentação da família de Lula’.

Palocci relata que R$ 15 milhões, metade do total, foram quitados a Delfim e ao PT. Delfim teria ficado com R$ 4 milhões

Com a palabra, advogados de Ricardo Tosco e Jorge Nemr, que defendem Delfim

“Caros, todos os esclarecimentos e as informações sobre esse tema já foram prestados às autoridades.

A defesa do professor Antonio Delfim Netto, representada pelos advogados Ricardo Tosto e Jorge Nemr, esclarece que “o professor Delfim Netto não ocupa cargo público desde 2006 e não cometeu nenhum ato ilícito em qualquer tempo. Os valores que recebeu foram honorários por consultoria prestada”.

Com a palavra, Dilma Rousseff

“As novas mentiras de Palocci

Dilma rebate as novas declarações fantasiosas do ex-ministro

A propósito das supostas novas declarações do senhor Antônio Palocci, a Assessoria de Imprensa de Dilma Rousseff registra:

Mais uma vez, o senhor Antônio Palocci mente em delação premiada, tentando criar uma cortina de fumaça porque não tem provas que comprometam a idoneidade e a honra da presidenta Dilma.

É fantasiosa a versão de que ela teria “dado corda” para a Lava Jato “implicar” Lula. Isso não passa de uma tentativa vazia de intrigá-la com o presidente Lula.

Na verdade, a delação implorada de Palocci se constitui num dos momentos mais vexaminosos da política brasileira, porque revela o seu verdadeiro caráter.

Assessoria de Imprensa

Dilma Rousseff”

Com a palavra, Lula

“Sobre histórias de Palocci e motoristas plantadas hoje contra Lula

A Lava Jato tem quase 200 delatores beneficiados por reduções de pena. Para todos perguntaram do ex-presidente Lula. Nenhum apresentou prova nenhuma contra o ex-presidente ou disse ter entregue dinheiro para ele. Antônio Palocci, preso, tentou fechar um acordo com o Ministério Público inventando histórias sobre Lula. Até o Ministério Público da Lava Jato rejeitou o acordo por falta de provas e chamou de “fim da picada”.

Mas o TRF-4 decidiu validar as falas sem provas de Palocci, que saiu da prisão e foi para a casa, com boa parte de seu patrimônio mantido em troca de mentiras sem provas contra o ex-presidente. O que sobra são historinhas para gerar manchetes caluniosas.

Todos os sigilos fiscais de Lula e sua família foram quebrados sem terem sido encontrados valores irregulares.

Há outros motoristas e outros sigilos que deveriam ser analisados pelo Ministério Público, que após anos, segue sem conseguir prova nenhuma contra Lula, condenado por “atos indeterminados”. Curiosa a divulgação dessa delação sem provas justo hoje quando outro motorista ocupa o noticiário.

Assessoria de Imprensa do ex-presidente Lula”

Estadão Conteúdo

Fonte: Blog do BG

 

Foto: Andrei Torres/ABC

Missão dada, missão cumprida. O ABC entrou em campo para realizar o primeiro clássico da temporada diante do América, no Frasqueirão, necessitando vencer para se recuperar da derrota sofrida para o Palmeira na segunda rodada do Estadual e melhorar suas chances de ir a final da Copa Cidade do Natal. E o time alvinegro não titubeou, bateu o rival por 3 a 0, superou na classificação e se mantém colado no Potiguar, que lidera o turno. Os gols foram de Éder, Xavier e Rodrigo Rodrigues.A bola começou a rolar com as duas equipes sabendo bem os papéis que tinham de cumprir dentro de campo, o América procurando dar um ritmo mais cadenciado, enquanto o ABC se lançou em busca do gol e em cinco minutos, criou duas boas chances, numa delas, após cruzamento em busca de Rodrigo Rodrigues, o zagueiro Alison se antecipou, cortou e deixou o goleiro Gledson em apuros, mas ele conseguiu evitar o gol contra do capitão alvirrubro.

Com maior volume de jogo e o adversário tendo dificuldade em armar suas jogadas, os donos da casa levaram apenas 11 minutos para abrir o placar com o atacante Éder, após cruzamento de Ivan pela direita.
O América quase devolveu o gol sofrido de forma relâmpago, na primeira boa trama ofensiva, Adriano Pardal recebeu um belo passe de Hiltinho e contou com uma falha incrível de Edson para mandar a bola para o fundo da rede, só que para sorte do goleiro abecedista, o árbitro anulou a jogada, marcando impedimento.

Na busca de tirar o prejuízo do placar, os americanos equilibraram a situação dentro de campo, encaixaram melhor a marcação aos adversários e pararam de sofrer sustos seguidos. O Alvirrubro passou a ter mais presença no campo ofensivo, mas apenas rondava a área com algum perigo.

O ABC que passou a ter dificuldade em achar brechas na área americana, voltou a assustar numa falta cobrada por Jonathan, da direita, que obrigou a Gledson realizar outra boa defesa e mostrar por que a diretoria trabalhou tanto nos bastidores para garantir sua escalação no clássico.

O América após um ataque puxado em velocidade por Hiltinho, chegou com perigo, Maurício cortou o lance, mas ao invés de isolar a bola tentou sair jogando e entregou a bola no pé de Max, que antes de chutar foi derrubado por Guedes, na entrada da área, na cobrança, Vinícius desperdiçou a boa chance, cobrando a falta por cima do gol.

Embora movimentada, a partida ainda deixava a deseja em termos de qualidade técnica, as duas equipes ainda demonstravam carência no a erro do passe e desperdiçavam boas chances, justamente devido a falta de capricho neste item. As equipes passaram a clara impressão de que ainda têm muito a evoluir, mas individualmente mostraram alguns jogadores promissores, como o habilidoso Hiltinho, pelo americano, além de Éder, Jonathan e Neto pelo Alvinegro.

A equipe americana iniciou a etapa final, tentando se manter mais no ataque, insistindo pelo lado esquerdo com Adriano Pardal, que cruzou algumas bolas para área, o problema era que com Max jogando mais recuado, as bolas geralmente cruzavam na frente do gol e ninguém aparecia para aproveitar.

Aos poucos o ABC foi retomando o ataque, e Xavier que havia desperdiçado uma boa chance no primeiro tempo, acertou um balaço da intermediária para mandar no ângulo do goleiro Gledson e fazer o segundo gol abecedista, aos 13 minutos.

Vendo o tamanho do prejuízo aumentar, Luizinho Lopes fez duas alterações, mas foi surpreendido com uma boa jogada de Rodrigo Rodrigues que marcou o terceiro após uma bela jogada individual. Logo depois da saída de bola Jean Patrick sofreu pênalti e Max desperdiçou cobrando no travessão, depois ele pegou a sobra, cabeceou e Edson fez grande defesa.

Mesmo em vantagem, o Alvinegro não perdeu a fome de gol e após a cobrança de um escanteio, quase chegou ao quarto gol. Na primeira bola Gledson viu a bola cabeceada por Mauricio explodir no travessão, depois foi arrojado para mergulhar aos pés de Pedra e na sequência de Rodrigo Rodrigues para evitar o gol.

Em termos intensivos o América não produzia, tanto que mesmo depois de roubar uma bola de Henrique na entrada da área, e ficar na cara de Edson, Hiltinho concluiu mal, desperdiçando a segunda boa oportunidade americana em todo clássico.

Depois disso, o ABC se ajustou para não sofrer mais sustos e poupar os atletas diminuindo ainda mais o ritmo de jogo, fazendo apenas o tempo passar.

No outro jogo da rodada, o Globo venceu o Força e Luz, no estádio Barretão, por 3 a 0.

Tribuna do Norte

Comments

Foto: Canindé Santos

Os moradores e veranistas da Praia da Barra do Rio realizaram em parceria com a Prefeitura de Extremoz, neste sábado, 19, serviços de capinação, varrição, pintura de meio-fio e coleta de poda.

Na ação, além da fazer os serviços de limpeza e recolhimento de lixo, a Prefeitura realizou campanha educativa conscientizando à população da importância de manter a Praia limpa, para evitar a degradação da biodiversidade e doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti como também acidentes com cobras e escorpiões.

Após o mutirão de limpeza, os moradores colocaram placas educativas chamando atenção da população para a importância de não colocar lixo nos terrenos baldios e respeitar o calendário de coleta distribuído pela prefeitura.

Comments

Detran prioriza fiscalização da Operação Lei Seca no litoral potiguar

 

O Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) está com equipes de fiscalização da Operação Lei Seca distribuídas no litoral potiguar. As ações que fazem parte da Operação Verão 2019, deflagrada pelo Governo do Estado no início deste mês, têm a missão de proporcionar segurança no trânsito combatendo a mistura álcool e direção, como também inibindo possíveis delitos relacionados a roubo de veículos e tráfego irregular sem a devida documentação legal do condutor e do automóvel.

Neste domingo (20), as barreiras fiscalizatórias serão montadas em áreas dos litorais Sul e Norte da região metropolitana de Natal. Os policiais da Lei Seca estão utilizando o bafômetro para identificar motoristas que insistem em beber e dirigir. Também estão sendo averiguadas a situação documental dos veículos e condutores, além de itens de segurança dos automóveis e a utilização de cinto de segurança por parte de todos os ocupantes do veículo.

Já fiscalização no sábado (19) focou as abordagens no litoral Sul. A medida resultou na fiscalização de 207 veículos, sendo 175 automóveis de passeio, 27 motocicletas e cinco ônibus. Outro ponto importante realizado nas abordagens é que os policiais orientam os condutores de veículos 4X4 a não trafegarem na faixa de areia de praia para não colocar em risco a integridade física dos banhistas. O tráfegos nessas áreas é proibido por portaria específica do Detran e aquele condutor flagrado desobedecendo a norma será autuado, podendo até mesmo ter o veículo retido.

De acordo com o coordenador da Operação Lei Seca do Detran, tenente-coronel Flávio Santos, o trabalho de fiscalização vai continua durante todo o período do veraneio. “É um importante ação no sentido de evitar acidentes e preservar vidas. A atuação planejada, especializada, imparcial e ética dos policiais militares da Lei Seca são algumas das características da confiabilidade da população no nosso trabalho”, comentou.

Fonte: Blog do BG

 

Por Igor Jácome, G1 RN

 


Aplicativo potiguar Ifarm liga produtores de alimentos orgânicos a clientes no RN — Foto: Igor Jácome/G1

Aplicativo potiguar Ifarm liga produtores de alimentos orgânicos a clientes no RN — Foto: Igor Jácome/G1

A ideia era ligar os consumidores de alimentos orgânicos a produtores locais, com garantia de uma produção natural, sem uso de agrotóxicos, transgênicos e fertilizantes químicos. Foi assim que surgiu, em dezembro do ano passado, em Natal, um aplicativo de venda e distribuição de alimentos orgânicos, plantados e colhidos na região metropolitana da capital potiguar.

Segundo o diretor executivo e fundador do Ifarm, Wladimir Freitas, a ideia é que o aplicativo se espalhe pelo país nos próximos anos. Por enquanto, a startup vem se estruturando na capital potiguar e realiza rotas de entregas três vezes por semana, atendendo aos pedidos dos usuários.

Empresário na área de análise de sistemas, Wladimir começou a se interessar por alimentação orgânica em 2013, quando a esposa enfrentou um câncer de mama. “A gente começou a perceber a dificuldade de saber onde comprar, saber se o produto é orgânico mesmo, saber como foi produzido”, lembra.

De tanto pesquisar sobre o assunto, e até fazer dois cursos na área, o empresário acabou comprando uma propriedade e criando uma fazenda em Pium.

Wladimir Freitas, diretor executivo e fundador do Ifarm — Foto: Igor Jácome/G1

Wladimir Freitas, diretor executivo e fundador do Ifarm — Foto: Igor Jácome/G1

Ele conta que a ideia do aplicativo surgiu em novembro de 2017, depois que ele passou cerca de 30 dias no Canadá conhecendo uma iniciativa parecida. O projeto foi apresentado no ano passado, em um edital aberto pelo Sebrae para startups com responsabilidade social e ambiental, e foi um dos cinco selecionados. Além de consultoria, o aplicativo recebeu um investimento de cerca de R$ 90 mil.

O Ifarm foi lançado em dezembro e ainda não começou a fase de divulgação. Apesar disso, já teve adeptos – amigos e pessoas que tomaram conhecimento. “Qualquer pessoa já pode baixar e usar. Não estávamos divulgando ainda porque estamos fazendo testes, corrigindo alguns erros, mas apenas na divulgação entre amigos, já chegamos a 70 cadastros”, explicou Wladimir.

Atualmente o aplicativo oferece os produtos de uma cooperativa, da qual a própria fazenda de Wladimir faz parte, com entregas às segundas, quartas e sextas, com rotas dentro da capital. As produções são todas regionais, em Pium e Cajupiranga, no município de Parnamirim, e outra em Macaíba.

“A ideia é que outras fazendas possam também oferecer os produtos aos consumidores”, explica o empresário. Ele explica que a ideia é que a expansão do aplicativo atinja todo o país, mas que ele ligue essencialmente os consumidores locais com os produtores de sua própria comunidade. “A ideia é que o produto não viaje 200 quilômetros. E sim que ele seja colhido de manhã e entregue de tarde, ainda fresquinho”, considera.

Produtos orgânicos são vendidos através de aplicativo, na Grande Natal — Foto: Cedida

Produtos orgânicos são vendidos através de aplicativo, na Grande Natal — Foto: Cedida

Vantagens para todos

De acordo com o empreendedor, o modelo da startup é vantajoso tanto para o produtor, como para o cliente. Wladimir explica que, sabendo a demanda de pedidos, o produtor reduz perdas, que na produção normal chegam a 30%. “Com os pedidos feitos pelo aplicativo, nós só colhemos aquilo que foi pedido”, exemplifica.

Ainda de acordo com ele, com redução de perdas e sem precisar vender para atravessadores, o produtor consegue ter um lucro melhor e, ainda assim, vender a um preço mais barato ao consumidor.

As entregas são feitas em caixas retornáveis, que também favorecem o meio ambiente, de acordo com o empresário. Além dos consumidores finais, o aplicativo também já vem atendendo a restaurantes que contam com alimentos orgânicos na cozinha.

O diretor conta que o aplicativo passará a receber cartões de crédito a partir dos próximos dias. Atualmente, o pagamento só é feito em dinheiro. O Ifarm pode ser baixado pelo PlayStore e também será lançado na App Store. “A gente acredita nessa troca de energia, na cooperação do produtor com a comunidade e da comunidade beneficia o produtor”, considera o empresário.

Produção de produtos orgânicos vendidos através do Ifarm ocorre em fazendas na região metropolitana de Natal — Foto: Cedida

Produção de produtos orgânicos vendidos através do Ifarm ocorre em fazendas na região metropolitana de Natal — Foto: Cedida

Fonte: G1RN

 

Por G1 RN

 


Estudante potiguar Carolina Mendes concluiu o ensino médio em 2017 e conseguiu nota 1000 na redação do Enem 2018 — Foto: Arquivo Pessoal

Estudante potiguar Carolina Mendes concluiu o ensino médio em 2017 e conseguiu nota 1000 na redação do Enem 2018 — Foto: Arquivo Pessoal

Duas estudantes potiguares obtiveram a nota máxima na redação do Exame Nacional Do Ensino Médio de 2018. No Brasil, 55 pessoas conseguiram atingir essa avaliação, a nota 1000. Para a mossoroense Carolina Mendes Pereira, de 18 anos, e a ipanguaçuense Rylla Lidice Varela de Melo, de 19, a notícia foi recebida com surpresa, mas ambas têm a certeza de que o resultado é fruto de muito esforço.

As notas da prova do Enem foram divulgadas na última sexta-feira (18), pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep). No total, o Inep diz que corrigiu 4.122.423 provas de redação na aplicação regular do Enem, que aconteceu nos dias 4 e 11 de novembro. Os dados, portanto, não incluem as provas do Enem PPL, aplicado para pessoas privadas de liberdade.

O tema sugerido nesta edição foi “A Manipulação do comportamento dos usuários pelo controle de dados da internet”. Tanto Rylla, quanto Carolina produziam uma redação por semana, para treinar o modelo cobrado pelo Exame. As duas faziam cursinhos particulares em Natal e pretendem ingressar no curso de medicina através do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

“Ajudar e ser amparo”

Carolina Mendes conta que fez a prova “valendo” pela segunda vez. Ela concluiu o ensino médio em 2017. “Esse ano eu entendi que a redação do Enem é muito mais questão de raciocínio, de maleabilidade. O que me ajudou muito foi fazer uma redação por semana. E, quando fazia essa redação, tentava utilizar referências que a minha professora me dava”, relata.

A estudante afirma ainda que se debruçar sobre as disciplinas de sociologia e filosofia contribuiu para que pudesse articular melhor as ideias na hora de escrever a redação. “Quanto mais você entende o pensamento dos teóricos sobre determinadas questões que envolvam uma questão social maior, você consegue aplicar e refletir em múltiplos temas coisas diferentes”, explica.

Carolina diz que, apesar de o tema cobrado na redação em 2018 ser moderno, sobre a relação das pessoas com a internet, a compreensão da sociedade possibilitada pela literatura da filosofia e da sociologia permite o embasamento para tratar do assunto. “Saber que no dia da redação eu não vou chegar sabendo tudo que vou colocar no texto, mas que vou ter uma bagagem, uma bagagem de leitura, de reflexão (para produzir o texto)”, acrescenta.

A escolha da medicina como profissão se deu depois de um minicurso de anatomia que fez na UFRN, quando ainda cursava o ensino médio. “Os motivos reais, que talvez antes eu não soubesse e agora tenho com mais clareza, foram aparecendo. Poderia resumir em três pilares: um é a parte de estudo. Eu gosto muito de biologia, de química. Segundo que eu quero muito ser gente que trabalha com gente, poder ter uma perspectiva muito humana, que eu acho que falta muito. E terceiro que eu quero, sempre que puder, dar auxílio à minha família”.

Carolina Mendes afirma que a avó, que sofre de uma demência cognitiva, também foi importante para que tomasse a decisão. “Eu quis ser uma médica na família para ser esse amparo. Minha avó foi muito importante para isso tudo, para ver que eu queria muito poder ajudar”, conta.

“Agarrar oportunidades”

Rylla Melo terminou os estudos no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e também tentou o Enem pela primeira vez, valendo, em 2017. Em anos anteriores prestou o Exame, mas apenas pela experiência. No ano passado, ela se mudou de Ipanguaçu, cidade da região do Vale do Açu onde nasceu e mora, para Natal. O objetivo era se matricular em um cursinho e focar na preparação para a prova.

“Minha preparação foi através do cursinho. Tinha produções semanais, cada semana com um tema diferente, com convidados específicos do tema. Então eles trabalham muito repertório cultural, associações temáticas, títulos e tudo mais. Eu fazia uma produção semanal simulada”, conta.

O próximo passo, agora, é esperar o Sisu para ver as vagas nas universidades. Mas a certeza é sobre o curso: medicina. “É um sonho de criança, eu sempre desejei cursar medicina, tenho certeza de que posso fazer o bem através da minha futura profissão e me realizaria ao ver tudo acontecendo”.

O irmão mestre em fisioterapia foi a inspiração na área biomédica. “Mas, em medicina, mesmo, não há ninguém da família. Ficaria muito feliz em ocupar esse espaço”, diz.

Rylla Melo também reconhece que teve “muitas oportunidades” e que há outras pessoas que não têm as mesmas condições. “Essa vitória é a culminância de uma trajetória que foi repleta de muitas oportunidades. Eu tive a oportunidade de mostrar meu potencial, mas sei que muitas pessoas não estão nas mesmas condições que eu. Abraço as minhas oportunidades e desejo que mais portas possam se abrir”.

Estudante Rylla Melo, de Ipanguaçu, conseguiu nota 1000 no Enem 2018 — Foto: Hugo Andrade/Inter TV Costa Branca

Estudante Rylla Melo, de Ipanguaçu, conseguiu nota 1000 no Enem 2018 — Foto: Hugo Andrade/Inter TV Costa Branca

Fonte: G1RN

Deixe uma resposta

Fechar Menu