ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSA TERÇA-FEIRA

Por Deutsche Welle

 


Detalhe raro: a princesa seduzida encara o espectador — Foto: Cesare Abbate/ANSA via AP

Detalhe raro: a princesa seduzida encara o espectador — Foto: Cesare Abbate/ANSA via AP

Arqueólogos revelaram no parque arqueológico de Pompeia, Itália, um afresco até então desconhecido: a “cena de sensualidade” mostra a princesa Leda sendo seduzida por um cisne, que na realidade é Zeus, rei dos deuses do Olimpo, metamorfoseado.

Trata-se de um motivo mitológico encontrado com frequência nas casas da antiga cidade próxima a Nápoles, soterrada no ano 79 pelas cinzas do vulcão Vesúvio. A atual pintura mural mostra Leda, despida, tendo no colo o cisne com quem, segundo a mitologia greco-romana, gerará os gêmeos Helena (de Troia) e Pólux. Fora de comum é o fato de a seduzida encarar o espectador.

View image on TwitterView image on TwitterView image on TwitterView image on Twitter

Pompeii Sites

@pompeii_sites

. The myth of Leda and the Swan depicted in a fresco, which was discovered during stabilisation and re-profiling works on the excavation fronts. More info: https://bit.ly/2qULcXf 

“As descobertas extraordinárias continuam”, comentou no Instagram o diretor-geral do parque de Pompeia, Massimo Osanna. As escavações ao longo de 2018 trouxeram achados significativos: além de diversos esqueletos humanos, foram revelados os restos de um cavalo.

Além disso, inscrições recém-descobertas indicam que o vulcão próximo ao Mar Mediterrâneo teria entrado em erupção dois meses mais tarde do que se supunha. Pompeia é um dos sítios arqueológicos mais famosos do mundo e conta entre as principais atrações turísticas da Itália.

Fonte: G1

Por Rosanne D’Agostino, G1 — Brasília

 


O senador Aécio Neves (PSDB-MG) — Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado/Arquivo

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) — Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado/Arquivo

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou nesta terça-feira (20) a Procuradoria Geral da República a realizar em até 60 dias novas diligências em um inquérito sobre o senador Aécio Neves(PSDB-MG).

Dentre essas diligências, está a autorização para investigação de informações bancárias no exterior relacionadas ao senador e obtidas por meio de um acordo de cooperação firmado em agosto de 2017 pela PGR com autoridades do Principado de Liechtenstein, na Europa.

O inquérito investiga suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro em Furnas e chegou a ser arquivado pelo ministro Gilmar Mendes. A Procuradoria Geral da República, porém, recorreu ao Supremo em agosto.

A defesa de Aécio Neves afirmou em nota que ele não cometeu irregularidade e se disse “convicta” de que as investigações “irão confirmar a correção dos atos” do senador (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem).

Na prática, a decisão desta terça-feira permite o exame, pela PGR, de documentos obtidos por meio do acordo com Liechtenstein, o que não era possível com o arquivamento do inquérito.

Os dados foram juntados ao inquérito pouco antes da decisão de arquivamento e, por falta de tempo, ainda não tinham sido analisadas pelos investigadores, segundo a PGR.

Ainda de acordo com a Procuradoria, a cooperação internacional abriu uma nova linha investigativa efetiva e que não foi adotada pela Polícia Federal, “trazendo informações relevantes e até então inéditas nos autos”.

Decisão

O julgamento foi interrompido em setembro. Na sessão desta terça-feira, foi retomada a análise com o voto do ministro Ricardo Lewandowski.

Na avaliação do ministro, houve “várias postergações” durante o andamento do processo. Ele decidiu, então conceder o prazo à PGR para que a Procuradoria “diga sim ou não para a continuidade desse inquérito”.

Segundo Lewandowski , a PGR deve apontar “concretamente” quais seriam os novos elementos de prova a serem considerados “para que, de posse de uma manifestação mais objetiva, o STF possa avaliar se é mesmo o caso de arquivamento ou se a investigação deve prosseguir e em que condições”.

O ministro Gilmar Mendes, relator do recurso, havia votado pela rejeição do recurso e pela manutenção do arquivamento e foi acompanhado por Dias Toffoli. Os ministros Edson Fachin e Celso de Mello votaram a favor de manter a investigação.

Relembre o caso

O inquérito foi aberto em maio de 2016 e arquivado em junho, a pedido do senador, sob o argumento de que o processo se alongou sem conclusões que justificassem a continuidade das investigações. A decisão foi do ministro Gilmar Mendes.

A PGR afirmou que o ministro “trancou” o inquérito sem considerar as novas informações sobre suspeitas de evasão de divisas de valores que teriam sido recebidos pelo senador provenientes de um procedimento de cooperação internacional fechado com o Principado em agosto de 2017.

Segundo a PGR, documentos encontrados na casa de dois doleiros revelaram que “várias pessoas usaram mecanismos chamados de interposição de personalidade jurídica” para manter e ocultar valores no exterior, inclusive na Suíça e no Principado de Liechtenstein, na Europa. Entre esses nomes estava o da mãe do senador, Inês Maria Neves, relacionado à titularidade da offshore Bogart and Taylor Foundation.

A PGR também cita delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, segundo o qual foi informado de que “Aécio Neves era beneficiário de uma fundação sediada em um paraíso fiscal, da qual ele seria dono ou controlador de fato”. “Tal fundação seria sediada em Liechtenstein e, ao que parece, a fundação estaria em nome da mãe ou do próprio Aécio Neves”, diz a Procuradoria.

“Portanto, é forte a possibilidade de que o pagamento de propina a Aécio Neves no esquema de Furnas tenha ocorrido na conta titulada pela Bogart and Taylor Foundation no Principado de Liechtenstein”, afirmou a PGR.

Ainda segundo a Procuradoria, há informações bancárias sobre o senador e outros investigados como Dimas Toledo, ex-diretor de Engenharia da Dersa, Andrea Neves, irmã de Aécio, e Inês Neves, e às pessoas jurídicas Boca da Serra e Bogart & Taylor Foundation.

Como os fatos se referem aos períodos em que Aécio Neves exerceu os cargos de deputado federal (1997-2002) e de governador do Estado de Minas Gerais (2003-2005), a PGR pedia que o inquérito fosse remetido à Justiça Federal do Rio do Janeiro para continuidade das investigações.

À época, a defesa do senador afirmou que a PGR não trouxe nenhuma informação nova relacionada ao senador e os documentos anexados pela PGR eram rigorosamente os mesmos constantes no inquérito arquivado.

Nota da defesa do senador

Leia abaixo íntegra de nota divulgada pela defesa do senador Aécio Neves:

Nota da defesa do senador Aécio Neves

Após dois anos e meio de investigação não foi apontada nenhuma irregularidade cometida pelo Senador Aécio Neves. A Polícia Federal pediu o arquivamento do inquérito.

A fundação criada pela mãe do Senador e encerrada há mais de 10 anos está declarada no imposto de renda. Nunca houve envio de recursos ao exterior e inquérito sobre o fato já foi arquivado por solicitação do MPF que não constatou nenhuma irregularidade.

A defesa está convicta de que as investigações irão confirmar a correção dos atos do Senador.

Alberto Zacharias Toron

Advogado

Fonte: G1

Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

 


Paulo Guedes (JN) — Foto: JN

Paulo Guedes (JN) — Foto: JN

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (20) que não haverá aumento de impostos.

Guedes foi abordado por jornalistas ao chegar ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede do gabinete de transição de governo.

O economista foi indagado sobre a possibilidade de aumento da carga tributária e respondeu:

“Não, aumento de imposto não.”

Ele não esclareceu se a decisão de não aumentar impostos é para todo o período do futuro governo ou em qual circunstância.

Paulo Guedes também confirmou, ao ser questionado, que na estrutura do governo haverá uma secretaria que cuidará de privatizações. Ele não detalhou o funcionamento desse órgão.

Guedes ainda não confirmou quem será o futuro presidente do Banco do Brasil. De acordo com o blog do jornalista Valdo Cruz, há possibilidade de o atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, ocupar o posto.

O futuro ministro já escolheu quatro integrantes da área econômica do novo governo:

Fonte: G1

Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

 

Mandetta disse que atuação de cubanos no Mais Médicos parecia convênio entre Cuba e o PT

Mandetta disse que atuação de cubanos no Mais Médicos parecia convênio entre Cuba e o PT

O deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para ser o próximo ministro da Saúde, disse nesta terça-feira (20) que o acordo que garantiu atuação de profissionais cubanos no Mais Médicos parecia um convênio entre Cuba e o PT.

Mandetta deu a declaração logo após ser anunciado por Bolsonaro para ocupar a pasta. Ele falou com jornalistas no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, onde está funcionando o gabinete de transição do governo.

O governo cubano anunciou na semana passada a retirada de seus profissionais do programa Mais Médicos. Em um comunicado, Cuba citou “referências diretas, depreciativas e ameaçadoras” feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro à presença dos médicos cubanos no Brasil.

“Esse era um dos riscos de se fazer um convênio e terceirizando uma mão de obra tão essencial. Os critérios, à época, me parece que eram muito mais um convênio entre Cuba e o PT, e não entre Cuba e o Brasil, porque não houve uma tratativa bilateral, mas, sim, uma ruptura unilateral”, afirmou o novo ministro.

Cuba começou a enviar médicos para o programa em 2013, quando o governo da então presidente Dilma Rousseff (PT) criou o Mais Médicos. O acordo para o emprego dos profissionais cubanos foi intermediado pela Organização Panamericana de Saúde (Opas). Pelo acordo, o governo cubano recebia o pagamento, ficava com um montante e repassava o resto para os médicos. Mandetta chamou a medida de “improvisação”.

“Era um risco que a gente já alertava no início. Nós precisamos de políticas que sejam sustentáveis. As improvisações em saúde costumam terminar mal e essa não foi diferente das outras”, completou o novo ministro.

Carreira de Estado

O futuro ministro informou que tomará medidas em relação ao Mais Médicos junto com o atual governo. Ele pretende se reunir com o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, para ver os impactos e sugestões para lidar com a saída dos profissionais cubanos.

Segundo Mandetta, uma das alternativas para garantir o atendimento médico em localidades mais distantes, que recebem profissionais do Mais Médicos, é aprovar uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria a carreira de Estado de médico.

“É uma das maneiras que os países têm de fazer uma proposta para essas pessoas poderem ir para os locais de difícil provimento”, declarou.

Deputado Mandetta (centro) concedeu entrevista no gabinete de transição após ser anunciado futuro ministro da Saúde — Foto: Guilherme Mazui/G1

Deputado Mandetta (centro) concedeu entrevista no gabinete de transição após ser anunciado futuro ministro da Saúde — Foto: Guilherme Mazui/G1

Revalidação de diplomas

Mandetta foi questionado sobre a necessidade de revalidar os diplomas de médicos formados no exterior, brasileiros ou estrangeiros. Ao comentar a saída dos cubanos do programa, Bolsonaro afirmou que condicionou a continuidade destes profissionais “à aplicação de teste de capacidade”.

Atualmente, os profissionais que se formaram no exterior e atuam no Mais Médicos por 3 anos não precisam passar pelo exame Revalida, obrigatório para quem se formou fora e queira atuar no país.

O futuro ministro declarou que discutirá o assunto com o atual governo e com autarquias federais que fiscalizam a área. Ele destacou a possibilidade de uma “avaliação em serviço” do trabalho do médico, sem realizar a prova do Revalida.

Para Mandetta, brasileiros que vivem em comunidades indígenas ou nos grandes centros urbanos precisam ter atestado pelo governo federal a qualidade dos profissionais que prestam atendimento médico.

“É revalidar, saber quem é, o que estudou, o que falta de lacuna para atender o povo brasileiro, qual o grau de competência”, explicou.

Investigação

Mandetta também comentou a investigação da qual é alvo por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e caixa 2 no contrato para implementar um sistema de informatização na saúde em Campo Grande, no período em que foi secretário de Saúde do município.

O sistema de Gerenciamento de Informações Integradas da Saúde (Gisa) custou quase R$ 10 milhões entre recursos federais e municipais. Uma auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou um prejuízo de cerca de R$ 6 milhões em pagamentos indevidos por serviços não executados.

O futuro ministro relatou que explicou o caso ao presidente Jair Bolsonaro. Ele afirmou que deixou o cargo de secretário de Saúde em 2010 e que um deputado de oposição fez as denúncias – Mandetta não citou o nome do parlamentar.

Conforme Mandetta, o projeto sofreu uma “ruptura” por parte da administração que assumiu a prefeitura de Campo Grande em 2013.

“O projeto sofreu uma ruptura por parte da prefeitura que entrou em 2013. Foram demitidos todos os técnicos, o projeto ficou sem condições de dar continuidade por interrupção administrativa, renovaram convênio e não renovaram o contrato”, disse.

Mandetta reconheceu que se sente “desconfortável” pela situação, porém destacou que não é réu no caso. Segundo ele, Bolsonaro entendeu que é mais “importante” no momento contar com a sua experiência administrativa, trânsito político e capacidade de unir o setor da área da saúde.

Prioridades

Mandetta não definiu um problema da saúde no país como prioridade a ser resolvido durante sua gestão no ministério. Ele apontou como temas que merecerão atenção especial: pré-natal, primeira infância, mortalidade infantil, cobertura de vacinas, gravidez na adolescência, doenças mentais e estresse no trabalho.

“Me parece que nós vamos ter que contar com muita solidariedade e muita confiabilidade, principalmente da imprensa, para poder retirar esses índices que, definitivamente, não são aqueles que a gente merece enquanto país que tem um sistema saúde que se propõe a ser universal, integral e equânime”, afirmou.

Para o futuro ministro, o sistema único de saúde (SUS) dá sinais de “falência”. Ele citou problemas como falta de medicamentos para transplantados e para o tratamento de hepatite C.

“Se a gente ficar aqui falando a gente vai falar horas sobre os inúmeros sinais que esse sistema está dando de falência. Você tem uma judicialização absurda, você tem as pessoas com doença rara não tendo acesso”, declarou.

Fonte: G1

Por G1

 

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já definiu dez ministros integrantes do futuro governo:

Ministros do governo Jair Bolsonaro — Foto: Editoria de Arte / G1Ministros do governo Jair Bolsonaro — Foto: Editoria de Arte / G1

Ministros do governo Jair Bolsonaro — Foto: Editoria de Arte / G1

Onyx Lorenzoni (Casa Civil)

O médico veterinário de 64 anos terá um dos principais postos da Esplanada dos Ministérios. Ele está no 4º mandato consecutivo como deputado federal e foi reeleito com 183.518 votos.

Em 2016, Onyx foi relator na Câmara do pacote de medidas de combate à corrupção e fez mudanças no texto apresentado no plenário, descumprindo acordo com os demais parlamentares, o que gerou diversas críticas a ele.

No ano passado, admitiu ter recebido R$ 100 mil em caixa 2 da empresa JBS para pagar dívidas de campanha de 2014. O deputado alegou que, na ocasião, não tinha como declarar o valor na Justiça Eleitoral.

Paulo Guedes (Economia)

O economista de 69 anos vai assumir um superministério, que reúne Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio.

De perfil liberal, Paulo Guedes defende a menor participação possível do Estado na economia.

Nascido no Rio de Janeiro, Guedes se formou em economia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e fez mestrado e doutorado na Universidade de Chicago (EUA). Ele nunca teve cargo público e fez fortuna no mercado financeiro.

Sérgio Moro (Justiça)

O juiz de 46 anos ganhou projeção nacional ao julgar processos da Operação Lava Jato na 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba.

No governo, assumirá o ministério que reunirá as pastas da Justiça e da Segurança Pública. Será responsável, por exemplo, pela Polícia Federal, pelo Departamento Penitenciário Nacional e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública.

Nascido em Maringá (PR), Sérgio Moro formou-se em direito pela Universidade Estadual de Maringá e tem mestrado pelo Universidade Federal do Paraná. É juiz federal há 22 anos.

General Augusto Heleno (Segurança Institucional)

O militar de 71 anos chegou a ser cotado para vice na chapa e para ministro da Defesa, mas vai assumir a pasta da Segurança Institucional.

Na reserva desde 2011, o general comandou a missão de paz das Nações Unidas no Haiti, foi comandante militar da Amazônia e chefiou o Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército.

Antes de definir que iria para o Gabinete de Segurança Institucional, o general Heleno foi anunciado no Ministério da Defesa. Será o novo responsável pela área de inteligência do governo, pela segurança pessoa do presidente da República e pela prevenção de crises.

Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia)

Ele ficou conhecido no Brasil e no mundo como o primeiro e único astronauta brasileiro a ir para o espaço. Foi aviador, piloto de caça e seguiu carreira militar, chegando ao posto de tenente-coronel.

Atualmente na reserva, Marcos Pontes nasceu em São Paulo, em 1963, tem mestrado em Engenharia de Sistemas e é engenheiro Aeronáutico.

Segundo o site do tenente-coronel, ele também já foi embaixador das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial.

Tereza Cristina (Agricultura)

Atual presidente da Frente Parlamentar Agropecuária do Congresso Nacional, conhecida como a bancada ruralista, Tereza Cristina foi indicada pela FPA para o cargo. Ela é engenheira agrônoma e empresária.

No Mato Grosso do Sul, ocupou o cargo de gerente-executiva em quatro secretarias: Planejamento, Agricultura, Indústria, Comércio e Turismo. Também exerceu os cargos de diretora-presidente da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e diretora-presidente da Empresa de Gestão de Recursos Minerais.

No Congresso, Tereza Cristina foi uma das principais defensoras do projeto que muda as regras no registro de agrotóxicos. A futura ministra está no primeiro mandato como deputada e, durante a campanha eleitoral, manifestou apoio à candidatura de Bolsonaro à Presidência.

General Fernando Azevedo e Silva (Defesa)

O general da reserva de 64 anos foi chefe do Estado-Maior do Exército, chefe de Operações na Missão de Paz da ONU, no Haiti.

Atualmente, assessora o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli. Ele ainda chefiou a Autoridade Pública Olímpica durante a gestão da presidente Dilma Rousseff.

Azevedo e Silva foi contemporâneo de Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), onde o presidente eleito concluiu o curso de formação em 1977, um ano depois de seu futuro ministro.

Ernesto Araújo (Relações Exteriores)

É diplomata de carreira há 29 anos. Atualmente, é diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos. Nascido em Porto Alegre, formou-se em letras pela Universidade de Brasília e, na década de 1990, entrou no Instituto Rio Branco.

Wagner Rosário (Transparência e CGU)

Rosário é o atual ministro da Transparência e CGU e permanecerá no cargo. Até o momento, ele é o primeiro ministro do governo de Michel Temer que permanecerá na gestão de Bolsonaro.

Natural de Juiz de Fora (MG), é auditor federal de Finanças e Controle desde 2009. Ele também já trabalhou como oficial do Exército.

O ministro tem graduação em Ciências Militares pela Academia das Agulhas Negras (Aman) e mestrado em Combate à Corrupção e Estado de Direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha.

Luiz Henrique Mandetta (Saúde)

Mandetta cursou medicina na Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro. Fez residência em ortopedia na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul e ainda cursou uma especialização em ortopedia em Atlanta (EUA). Trabalhou como médico em hospitais militares e na Santa Casa de Campo Grande.

No Mato Grosso do Sul, presidiu a Unimed de Campo Grande entre 2001 e 2004 e, ao encerrar sua gestão, assumiu a Secretaria de Saúde de Campo Grande, que comandou entre 2005 e 2010, durante a gestão do então prefeito Nelsinho Traud.

Mandetta era filiado ao MDB e migrou para o DEM para concorrer a deputado federal em 2010. Foi eleito com 78,7 mil votos e reeleito, quatro anos depois, com 57,3 mil votos. Neste ano, decidiu não disputar o terceiro mandato de deputado federal.

Fonte: G1

Reunião do Escola sem Partido é novamente suspensa em comissão mista

A reunião da comissão mista que discute o projeto Escola Sem Partido foi suspensa, há pouco, na Câmara dos Deputados. Com duas horas de atraso e em clima tenso, a reunião teve bate-boca entre deputados contra e a favor do projeto de lei. A previsão é que o debate seja retomado ainda nesta terça-feira, após o encerramento das atividades do plenário da Casa.

Assim como na semana passada, a reunião foi convocada para leitura do parecer do substitutivo do relator, deputado Flavinho (PSC-SP). Na ocasião, a reunião também foi suspensa e marcada por tumulto entre manifestantes e discussão entre parlamentares. O projeto é considerado uma das principais bandeiras para a educação do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Por tramitar em caráter conclusivo, caso seja aprovado na comissão e não haja pedido para que o projeto seja analisado em plenário, o Escola sem Partido poderá seguir diretamente para o Senado Federal. No entanto, partidos da oposição já estudam a apresentação de recursos para que o projeto seja analisado pelo plenário da Câmara.

Projetos de lei com conteúdos semelhantes ao do Escola sem Partido tramitam tanto na Câmara quanto no Senado. A proposta é incluir entre os princípios do ensino o respeito às convicções do aluno, de seus pais ou responsáveis, dando precedência aos valores de ordem familiar sobre a educação escolar nos aspectos relacionados à educação moral, sexual e religiosa.

O projeto estabelece que as escolas tenham cartazes com os deveres do professor, entre os quais está a proibição de usar sua posição para cooptar alunos para qualquer corrente política, ideológica ou partidária. Além disso, o professor não poderá incitar os alunos a participar de manifestações e deverá indicar as principais teorias sobre questões políticas, socioculturais e econômicas.

Agência BrasilComments

Comments

Bolsonaro diz que vai seguir normas legais para indicação à PGR

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou hoje (20), em rápida conversa com a imprensa, que, “a princípio”, poderá manter as atuais regras para a indicação para o cargo de procurador-geral da República, mas não foi definitivo sobre o assunto. A declaração foi dada após uma visita de cortesia feita à atual titular da PGR, Raquel Dodge, em Brasília. A procuradora-geral da República tem mandato até setembro do ano que vem.

“Isso aí a gente conversa em setembro do ano que vem, mas, a princípio, a gente vai seguir todas as normas legais existentes”, afirmou Bolsonaro ao ser perguntado se respeitará a indicação da lista tríplice pelos membros do Ministério Público. Segundo a Constituição Federal, o procurador-geral da República deve ser nomeado pelo Presidente da República dentre integrantes da carreira, maiores de 35 anos e após aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal. O mandato é de dois anos, permitida uma recondução.

Desde 2001, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) organiza uma lista com os três nomes mais votados pelos próprios membros do MPU. Essa lista é encaminhada ao presidente da República para que escolha um dos indicados para chefiar a PGR. Desde 2003, a lista tríplice tem sido acatada pelos presidentes da República, embora não há uma obrigação legal para isso. Em seus mandatos, Lula e Dilma Rousseff escolheram sempre o mais votado da lista. Já o presidente Michel Temer escolheu, em 2017, a atual procuradora-geral Raque Dodge, que não foi a mais votada, mas estava entre os três indicados na lista tríplice.

Ministros
Bolsonaro voltou a defender a indicação do deputado federal Luiz Henrique Mandetta para o Ministério da Saúde. O parlamentar é investigado por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e caixa 2 no contrato para implementar um sistema de informatização na saúde em Campo Grande, no período em que foi secretário, entre 2005 e 2010. Para o presidente eleito, trata-se de um indicação praticamente “unânime” do setor.

“Teve o apoio de toda a Frente Parlamentar da Saúde, apoio das Santas Casas, de hospitais filantrópicos, da enfermagem, do Conselho Federal de Medicina, associação de médicos do Brasil, ou seja, quase uma unanimidade. Grande parte dos profissionais de saúde pediram pelo seu nome, a exemplo do que aconteceu com a senhora Tereza Cristina à frente da agropecuária”, disse.

Perguntado sobre a representação do DEM na Esplanada dos Ministérios, já que três dos futuros ministros são do partido, Bolsonaro disse que não são indicações partidárias. “O Onyx [Lorenzoni, futuro chefe da Casa Civil] sempre esteve comigo muito antes do primeiro turno. A senhora Tereza Cristina é do DEM, mas foi uma indicação da bancada da Agricultura. O Mandetta também, parlamentares dos mais variados partidos indicaram o nome dele. Por coincidência, ele pertence ao DEM. Não são indicações para atender interesses político-partidários”, afirmou.

Fonte: Blog do BG

 

LOCAIS

Delegados deliberam nesta quarta-feira sobre lista tríplice do delegado-geral

Tudo pronto para a eleição pioneira que ocorre amanhã aqui no Rio Grande do Norte. Por iniciativa da Associação dos Delegados de Polícia Civil do RN (Adepol/RN), nesta quarta-feira os delegados irão às urnas para elaborar uma lista tríplice a ser oferecida à governadora eleita, Fátima Bezerra, como sugestão, para que ela escolha o novo delegado geral.

Estão concorrendo ao cargo trinta delegados e delegadas, todos da classe especial. Nos últimos dias eles tiveram oportunidade de demonstrar aos colegas seus planos e projetos para a Polícia Civil. Por lei, a lista tríplice é uma sugestão à nova chefe do executivo, não sendo ela obrigada a segui-la, escolhendo um dos três mais votados para o cargo.

Para a presidente da Adepol/RN, delegada Paoulla Maués,a novidade significa oferecer um processo mais transparente para a escolha do delegado geral, levando-se em conta critérios técnicos, observados pela própria classe.

“A Polícia Civil precisava disso. Estamos muito felizes de organizar este processo e oferecer à governadora nomes capacitados para ocupar uma função tão importante” , disse. A votação acontece nesta quarta-feira, em quatro pontos distintos do estado, com horários variados. Na capital, o horário de votação é das 8h às 17h e a urna estará na Adepol/RN. Em Mossoró, das 12h30 às 14h30, na Delegacia de Defraudações. Em Caicó, a urna vai estar na Delegacia Regional, das 8h às 12h e em Pau dos Ferros de 8h às 10h, também na Regional da cidade.

A apuração deve começar assim que as urnas do interior chegarem à sede da associação, em Natal. A previsão é de que o resultado seja proclamado por volta das 18h,

Comments

Acordo encerra dez anos de discussão entre Caixa e gerentes

Um grupo de gerentes da Caixa Econômica Federal fechou um acordo no valor de R$ 7 milhões e encerrou um processo que tramitava há dez anos.

Na ação, ajuizada em 2008, o Sindicato dos Bancários do Estado do Rio Grande do Norte cobrava a incorporação ao salário dos gerentes da parcela denominada Complemento Temporário Variável de Ajuste de Mercado (CTVA).

A CTVA é uma parcela paga pela Caixa para nivelar o salário dos cargos em comissão com o praticado pelo mercado.

O acordo foi fechado em audiência de conciliação no Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania de Natal (Cejusc –Mar), em Natal, presidida pelo juiz Michael Knabben.

Além de pagamento dos R$ 7 milhões, distribuídos entre os gerentes, a Caixa se comprometeu a incorporar a CTVA ao salário.

A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), Auxiliadora Rodrigues, acompanhou a assinatura do acordo.

“Esse período de litigiosidade acabou, o grande profissional é aquele que sabe conciliar, que resolve conflito, tanto que o CNJ e o CSJT já reconheceram a conciliação como uma política pública”, destacou desembargadora.

Auxiliadora Rodrigues se empenhou pessoalmente para a realização do acordo, chegando a ter reuniões com a direção nacional da Caixa Econômica, em Natal e em Brasília, para construir esse acordo.

“Nós tivemos muitas reuniões, com reuniões aqui, no jurídico da Caixa, em todo o lugar”, lembrou o juiz Michael Knabben.

Para o coordenador do CEJUSC-MAR, “é muito construtivo e muito prazeroso quando se vê que o litígio está sendo resolvido”.

Fonte: Blog do BG

Por G1 RN

 


Na 4ª Mostra de Cinema de Gostoso, turistas, realizadores e membros da comunidade de São Miguel do Gostoso, no litoral Norte potiguar, se uniram para assistir à abertura do evento e à exibição de quatro filmes no telão montado na areia da Praia do Maceió — Foto: Rafael Barbosa/G1

 

Na 4ª Mostra de Cinema de Gostoso, turistas, realizadores e membros da comunidade de São Miguel do Gostoso, no litoral Norte potiguar, se uniram para assistir à abertura do evento e à exibição de quatro filmes no telão montado na areia da Praia do Maceió — Foto: Rafael Barbosa/G1

Tela, imagem e som de cinema, espreguiçadeiras e pé na areia. O cenário atrativo estará aberto a quem chegar à paradisíaca São Miguel do Gostoso, litoral norte potiguar, da próxima sexta-feira (23) até a terça-feira (27), durante a 5ª Mostra de Cinema de Gostoso. O evento vai reunir potiguares, turistas e especialistas para apreciar 43 produções audiovisuais de 14 estados, além de participar de debates.

Entre os filmes exibidos na edição de 2018 está o brasileiro Sócrates, que foi indicado na semana passada a três categorias do Spirit Awards, considerado o “Óscar do cinema independente”. Intérprete do personagem principal, Christian Malheiros concorre ao prêmio de melhor ator e é presença confirmada no festival de cinema de Gostoso.

“Durante todo o evento, os atores e produtores ficam ao alcance do público, que pode conversar com eles, trocar experiências”, lembra Eugênio Puppo, um dos diretores gerais e curador da mostra.

Serão cinco sessões ao dia, entre mostras competitivas de curtas e longas-metragens, mostra Panorama e Infantil, além das sessões especiais. O melhor longa e o melhor curta-metragem serão escolhidos pelo público para receber o Troféu Luís da Câmara Cascudo. Também serão realizadas sessões em ambientes fechados, que incluem debates e seminários com personalidades, diretores e atores dos filmes, entre outros. Toda a programação, que movimenta a cidade, é gratuita.

Empresas também vão oferecer prêmios extras como pós-produção para um filme da mostra e contrato de distribuição para televisão aberta, televisão fechada por 18 meses.

As preguiçadeiras na praia são uma das novidades da quinta edição. Elas substituem as cadeiras de plástico que eram colocadas na areia para atender ao público, nos anos anteriores. A tela de cinema também está maior que a dos anos anteriores: 12 metros por 6,5 metros e a projeção está com qualidade ainda melhor, segundo a coordenação do evento.

Desenvolvimento social

Desde o início, o projeto oferece uma série de cursos de formação técnica e audiovisual para jovens de São Miguel do Gostoso e distritos próximos, a maioria com idades entre 16 e 22 anos. A primeira turma se formou após os primeiros cinco anos, realizou 33 oficinas, dez curtas-metragens, quatro edições da mostra e criaram o Coletivo Nós do Audiovisual.

Este ano, o coletivo realizou cinco curtas-metragens que serão exibidos diariamente na Praia do Maceió. Novos jovens começaram a formação, neste ano.

“São jovens que não tinham muita perspectiva, estavam à deriva, mas hoje estão fazendo faculdade, cursos técnicos, alguns já trabalhando e formando famílias. E continuam produzindo audiovisual”, conta Eugênio Puppo.

Segundo Matheus Sundfeld, outro diretor da mostra e curador, além de produzirem audiovisual próprio, os jovens atuam voluntariamente na produção do evento.

Confira a programação da 5ª Mostra de Cinema de Gostoso:

23/11 (sexta)

Centro de Cultura

Mostra Infantil

  • 8h

(6 a 10 anos)

  • Rick com monstros nos dedos (PR, ficção, 11min, 2018, Almir Correia)
  • Pedro e o Velho Chico (MG, animação, 18min, 2017, Renato Gaia)
  • O Jardim de Maria (RJ, ficção, 16min, 2018, Alexander de Moraes)
  • Smartphamily (CE, animação, 4min, 2018, Vinicius de Augusto Bozzo)
  • Sobre a Gente (ES, animação, 8min, 2017, Alunos do Projeto Animação/ Núcleo Animazul)
  • Os Causos da Bisavó (GO, animação, 2018, 10min, Rosa Berardo)
  • A luta (MG, ficção, 16min, 2016, Bruno Bennec)

10h

(11 a 14 anos)

  • Par Perfeito (Débora Herling, ficção, SC, 2018, 11min)
  • A Horta (Carla Leoni e Richard Danta, ficção, SP, 2018, 16min)
  • Antes Eclipse Depois (Almir Correia, ficção, PR, 2018, 6min)
  • Barbie Contra-Ataca! (Yan Whatley, ficção, RJ, 2016, 10min)
  • Matinê (Davi Kolb, ficção, RJ, 2018, 13min)
  • O Malabarista (Iuri Moreno, animação, GO,2018, 11min)
  • Peripatético (Jessica Queiroz, ficção SP, 2017, 15min)

Praia do Maceió

20h

Cerimônia de abertura

Mostra Coletivo Nós do Audiovisual

  • Derradeiro (RN, Ficção, 15min, 2018, Dir.: Renata Alves)

Mostra Competitiva

  • Guaxúma (PE, animação, 14min, 2018, Dir.: Nara Normande)
  • Codinome Breno (RN, doc, 19min, 2018, Dir.: Manoel Batista)
  • Sócrates (SP, ficção, 70min. 2018, Dir: Alex Moratto)

24/11 (sábado)

Pousada dos Ponteiros

  • 11h – Debate com realizadores

Centro de Cultura

Mostra Panorama

15h30

  • Entre Parentes (2018, doc, 27min, DF, Dir.: Tiago de Aragão)
  • Tingo-Lingo (RN, doc, 18min, 2018, Dir.: Wallace Yuri)
  • Ilha (BA, ficção, 94min, 2018, Dir.: Glenda Nicácio e Ary Rosa)

Praia do Maceió

20h

Mostra Coletivo Nós do Audiovisual

  • Medo é Moita (RN, doc, 10min, 2018, Dir.: Coletivo Nós do Audiovisual)

Mostra competitiva

  • Mesmo com Tanta Agonia (SP, ficção, 19min, 2018, Dir.: Alice Andrade Drummond)
  • P’s (RN, ficção, 13min, 2018, Dir.: Lourival Andrade)
  • Meu Nome é Daniel (RJ, doc, 83min, 2018, Dir.: Daniel Gonçalves)

25/11 (domingo)

Pousada dos ponteiros

11h – Debate com realizadores

Centro de Cultura

Mostra Panorama

15h30

  • Majur (MT, doc, 20min, 2018, Dir.: Rafael Irineu)
  • Subcutâneo (MG, ficção, 19min, 2017, Dir.: Carlos Segundo)
  • Azougue Nazaré (PE, ficção, 81min, 2018, Dir.: Tiago Melo)

Praia do Maceió

20h

Mostra Coletivo Nós do Audiovisual

  • Filho de Peixe (RN, doc,12min, 2018, Dir.: Igor Ribeiro)

Mostra competitiva

  • Catadora de Gente (RS, doc, 18min, 2018, Dir.: Mirela Kruel)
  • Nova Iorque (PE, ficção, 24min, 2018, Leo Tabosa)
  • Fabiana (GO/SP, doc, 89min, 2018, Dir.: Brunna Laboissière)

26/11 (SEGUNDA-FEIRA)

Centro de Cultura

Mostra Infantil

8h

(6 a 10 anos)

  • Rick com monstros nos dedos (PR, ficção, 11min, 2018, Almir Correia)
  • Pedro e o Velho Chico (MG, animação, 18min, 2017, Renato Gaia)
  • O Jardim de Maria (RJ, ficção, 16min, 2018, Alexander de Moraes)
  • Smartphamily (CE, animação, 4min, 2018, Vinicius de Augusto Bozzo)
  • Sobre a Gente (ES, animação, 8min, 2017, Alunos do Projeto Animação/ Núcleo Animazul)
  • Os Causos da Bisavó (GO, animação, 2018, 10min, Rosa Berardo)
  • A luta (MG, ficção, 16min, 2016,Bruno Bennec)

10h

(11 a 14 anos)

  • Par Perfeito (Débora Herling, ficção, SC, 2018, 11min)
  • A Horta (Carla Leoni e Richard Danta, ficção, SP, 2018, 16min)
  • Antes Eclipse Depois (Almir Correia, ficção, PR, 2018, 6min)
  • Barbie Contra-Ataca! (Yan Whatley, ficção, RJ, 2016, 10min)
  • Matinê (Davi Kolb, ficção, RJ, 2018, 13min)
  • O Malabarista (Iuri Moreno, animação, GO,2018, 11min)
  • Peripatético (Jessica Queiroz, ficção SP, 2017, 15min)

Pousada dos Ponteiros

11h – Debate com realizadores

Centro de Cultura

Mostra Panorama

15h30

  • Liberdade (SP, 2018, doc, 25min, Dir.: Pedro Nishi e Vinicius Silva)
  • Lembro Mais dos Corvos (SP, doc, 80min, 2018, Dir.: Gustavo Vinagre)

Pousada dos Ponteiros

17h

Seminário – “Distribuição para Cinema, TV e Novas Plataformas”. Com: Jean Thomas Bernardini (Imovision), Bárbara Sturm (Elo Company) e Isabelle Cabral (Pipa Produções)

Praia do Maceió

20h

Mostra Coletivo Nós do Audiovisual

  • Autômato do Tempo (RN, ficção,15min, 2018, Dir.: Rubens dos Anjos)

Mostra competitiva

  • Teoria Sobre um Planeta Estranho (MG, ficção, 14min, 2018, Dir.: Marco Antônio Pereira)
  • Ainda Que Eu Ande Pelo Vale da Sombra da Morte (RN, ficção, 10min, 2018, Dir.: Helio Ronyvon)
  • Inferninho (CE, ficção, 82min, 2018, Dir.: Guto Parente e Pedro Diógenes)

27/11 (terça-feira)

Centro de Cultura

Mostra Infantil

8h

(6 a 10 anos)

  • Rick com monstros nos dedos (Almir Correia, PR, 2018,11min)
  • Pedro e o Velho Chico (Renato Gaia, MG, 2017, 18min)
  • O Jardim de Maria (Alexander de Moraes, RJ, 2018, 16min)
  • Smartphamily (Vinicius de Augusto Bozzo, CE, 2018, 4min)
  • Sobre a Gente (Alunos do Projeto Animação/ Núcleo Animazul, ES, 2017, 8min)
  • Os Causos da Bisavó (Rosa Berardo, GO, 2018, 10min)
  • A luta (Bruno Bennec, MG, 2016, 16min)

10h

(11 a 14 anos)

  • Par Perfeito (Débora Herling, SC, 2018, 11min)
  • A Horta (Carla Leoni e Richard Danta, SP, 2018, 16min)
  • Antes Eclipse Depois (Almir Correia, PR, 2018, 6min)
  • Barbie Contra-Ataca! (Yan Whatley, RJ, 2016, 10min)
  • Matinê (Davi Kolb, RJ, 2018, 13min)
  • O Malabarista (Iuri Moreno, GO,2018, 11min)
  • Peripatético (Jessica Queiroz, SP, 2017, 15min)

Pousada dos Ponteiros

11h – Debate com realizadores

Centro de Cultura

Mostra Panorama

15h30

  • O Homem na Caixa (RJ, animação, 19min, 2018, Dir.: Ale Borges, Alvaro Furloni e Guilherme Gehr)
  • Aulas Que Matei (DF, ficção, 23min, 2018, Dir.: Amanda Devulsky e Pedro B. Garcia)
  • Elegia de Um Crime (SP, doc, 92min, 2018, Cristiano Burlan)

Pousada dos Ponteiros

17h

Seminário – “Produção Audiovisual no Rio Grande do Norte”. Com: Pedro Fiuza, Diana Coelho, Ruy Rocha, Raildon Lucena e Herison Pedro.

Praia do Maceió

20h

Cerimônia de encerramento e premiação

Mostra Coletivo Nós do Audiovisual

  • O Grande Amor de um Lobo (RN, doc, 12min, 2018, Dir.: Adrianderson Barbosa e Kennel Rógis)

Sessão especial (encerramento)

  • Ferrugem (PR, ficção, 100min, 2018, Dir.: Aly Muritiba)

Fonte: G1RN

Por G1 RN

 

Comemoração de homenagem à padroeira de Natal reúne muitos fiéis todos os anos — Foto: Canindé Soares

Comemoração de homenagem à padroeira de Natal reúne muitos fiéis todos os anos — Foto: Canindé Soares

O trânsito de Natal será alterado por causa das celebrações do dia de Nossa Senhora da Apresentação, padroeira da cidade, nesta quarta-feira (21). A prefeitura montou um esquema de interdições, que começam às 23h desta terça (20).

Toda operação de trânsito, segundo o inspetor Carlos Eugênio, começa com a intervenção na Avenida do Contorno, trecho entre a Caixa Econômica e a Rua Quintino Bocaiúva, nos dois sentidos para celebração da Santa Missa na Pedra do Rosário.

Ainda pela manhã, acontece a procissão saindo às 8h da Pedra do Rosário, seguindo pela Rua Quintino Bocaiúva, Praça André de Albuquerque até a antiga Catedral onde a imagem de nossa senhora permanecerá até o período da tarde.

À tarde, entre às 15h e 17h, os batedores da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) farão também a cobertura da Procissão de Nossa Senhora da Apresentação. Os fiéis saem da catedral antiga, passando pela Praça Sete de Setembro, Rua Felipe Camarão, Rua Mossoró, Avenida Hermes da Fonseca, Rua Apodi, Avenida Deodoro da Fonseca e chegando à Catedral Metropolitana, onde acontecerá missa campal com o Arcebispo Dom Jaime Vieira Rocha.

Para garantir a segurança dos religiosos todo trecho da Avenida Deodoro, entre a Ulisses Caldas e a Apodi, estará fechado ao trânsito, segundo a prefeitura. De acordo ainda com o inspetor Carlos Eugênio, toda a operação terá 18 agentes de trânsito, 12 batedores e duas viaturas.

Transporte

O sistema de transporte público também funcionará de forma diferenciada. Segundo a STTU, as linhas de ônibus e opcionais vão operar com horários e itinerários programados para os domingos e aplicando a Tarifa Social. Ou seja, a passagem cai de R$ 3,65 para R$ 1,85 apenas para os pagamentos em dinheiro. Para os pagamentos com os cartões NatalCard, será cobrado o valor integral.

Em caso de dúvidas os usuários podem ligar para o Alô STTU – no telefone 156 – ou perguntar pelo Twitter oficial, o @156Natal.

Fonte: G1RN

Deixe uma resposta

Fechar Menu