ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSA SEGUNDA-FEIRA

Em Havard Moro dá Palestra para platéia em inglês e diz:

Democracia não está em risco no Brasil, diz Moro

Em referência à prisão de Lula, juiz disse que momento pode ser visto com vergonha ou orgulho

Estelita Hass Carazzai
CAMBRIDGE (EUA)

Pouco mais de uma semana após ter ordenado a prisãodo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o juiz Sergio Moro afirmou nesta segunda (16) que a democracia brasileira não está em risco.

“Vou ser claro: a democracia não está em risco no Brasil. Absolutamente não. O que está acontecendo é a luta pelo Estado de Direito”, declarou. “Eu acho que é exatamente o oposto. Ao final, nós teremos uma democracia mais forte, e uma economia ainda mais forte.”

Moro pediu licença para fazer um “comentário inicial sobre o que está acontecendo” ao participar de um painel sobre crimes de colarinho branco na Universidade de Harvard, nos EUA.

“É importante dizer algumas coisas, porque o mundo está prestando atenção”, comentou, em referência, ainda que não explícita, à recente prisão do líder petista.

Diante de uma plateia de juízes, procuradores e estudantes de direito brasileiros, o magistrado afirmou que há dois jeitos de encarar a situação do Brasil neste momento: uma, com vergonha. Outra, com orgulho.

“Há alguma razão para estarmos orgulhosos, não de um juiz ou de alguns procuradores, mas do povo brasileiro como um todo”, afirmou, lembrando dos protestos contra a corrupção ocorridos nos últimos anos.

O juiz citou ainda um discurso do então presidente americano Theodore Roosevelt, em 1903, que afirmou que “a exposição e punição da corrupção pública é uma honra para uma nação, e não uma desgraça”. Moro já havia mencionado o mesmo discurso em um vídeo que divulgou na noite anterior às eleições em 2016.

“Eu acho que isso define o que boa parte do povo brasileiro pensa neste momento”, disse.

O evento de que Moro participa é organizado pela Harvard Law Brazilian Studies Association.

Abordado pela Folha, Moro não quis comentar a invasão ao tríplex no Guarujá que é atribuído ao ex-presidente Lula, sob o argumento que poderá ter que se posicionar sobre o episódio nos autos no futuro.

DELAÇÕES LEVES

O magistrado ainda reconheceu, durante o painel, que alguns acordos de delação premiada firmados no decorrer da Lava Jato foram “muito leves” —mas que eram a alternativa possível diante do histórico de impunidade em casos de corrupção.

“É preciso levar em conta as condições de negociação dos procuradores”, afirmou. “Eu concordo que alguns [acordos] poderiam ter sido mais duros, mas às vezes é difícil.”

Moro ainda voltou a defender o fim do foro privilegiado, inclusive para juízes, e declarou ser a favor de uma emenda constitucional para acabar com a ferramenta, que chamou de “um escudo contra a responsabilização”. Foi aplaudido pela plateia.

O tema irá voltar a julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) no dia 2 de maio.

Perguntado pela imprensa se o fim da prerrogativa de foro não poderia aumentar o risco de influência política no Judiciário, em processos contra prefeitos e vereadores pelo interior do país, o juiz afirmou que toda mudança “tem benefícios e, eventualmente, efeitos colaterais”.

“Aí precisa de transparência. Você tem o juiz, o promotor, a sociedade civil local”, comentou.

O evento de que Moro participou foi organizado pela Harvard Law Brazilian Studies Association.

Além dele, também falaram nesta segunda o ministro do STF Luís Roberto Barroso, a procuradora-geral da República Raquel Dodge e o juiz federal no Rio de Janeiro Marcelo Bretas, entre outros.

Fonte: Folha de São Paulo

O tríplex é da Justiça, mas o sítio ainda é de Lula. Fica a dica para o MTST

O tríplex do Guarujá foi sequestrado por determinação do juiz Sérgio Moro.

Não é mais do ex-presidente Lula. Está em leilão judicial para que o que for auferido possa retornar aos cofres públicos do povo brasileiro.

De qualquer forma, para o infame Guilherme Boulos e sua trupe de arruaceiros fica uma dica. O sítio de Atibaia ainda não foi sequestrado e está cheio de pertences do meliante petista.

O espaço é bem maior e mais aconchegante.

Mãos à obra Boulos…

Invasão do tríplex pode resultar em prisão preventiva de Boulos

A invasão do tríplex de Guarujá é claramente uma afronta à Justiça.

O imóvel foi sequestrado por determinação da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba e está em fase de leilão judicial.

O depoimento do líder do MTST Guilherme Boulos comemorando a invasão e assumindo a sua responsabilidade é uma verdadeira incitação à desordem que deve ser rigorosamente repelida.

Evidentemente que o juiz Sérgio Moro agirá com firmeza e determinação.

A decretação da prisão preventiva de Guilherme Boulos seria uma decisão acertada.

Vamos aguardar e ver como agirá o magistrado.

Boulos se acha muito esperto…

Fonte: Jornal da Cidade On Line

Gleisi Descumpre Ordem Da Justiça Ofende Juízes Diz Que Acampamento Fica

A senadora presidente do PT e líder no acampamento dos desocupados que ocupam o entorno da sede da Policia  Federal onde Lula encontra-se preso para o cumprimento da pena de doze anos e um mês.

Gleisi Hoffmann desafia a justiça que determinou multa de R$500 mil reais por dia para o movimento que permanecesse no local, a petista ainda ofendeu juízes e procuradores confira:

“Desculpa, mas essa escola do Moro não serve para o Judiciário brasileiro. Não tem como nos tirarem daqui. Nós não temos nenhuma ação de despejo. Querem que a gente saia porque tem reclamação de moradores, mas também tem muitos moradores nos apoiando. Estamos negociando com as autoridades, mas nós vamos ficar”, disse.

“A prisão é uma baita de uma injustiça. É uma sacanagem do Moro, do Dallagnol e dessa gente que integra a elite brasileira. Dessa gente que não conhece o Brasil. Que só conhece gabinetes com ar-condicionado”, disparou a senadora.

 

Fonte: Notícias Brasil On Line

Deixe uma resposta

Fechar Menu