ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSA SEGUNDA-FEIRA

Por G1

 

O Ibope divulgou hoje sua primeira pesquisa presidencial no segundo turno. A TV Globo começou a entrevistar nos telejornais locais os candidatos a governador dos estados em que haverá segundo turno. E o governo Temer voltou atrás da decisão de adiar o início do horário de verão neste ano.

INTERNACIONAIS

Mistério em Istambul

Jamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita, desapareceu após entrar no consulado do seu país em Istambul — Foto: Reprodução/TV Globo

Jamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita, desapareceu após entrar no consulado do seu país em Istambul — Foto: Reprodução/TV Globo

Autoridades da Turquia vão inspecionar o consulado da Arábia Saudita em Istambul em busca de pistas do paradeiro do jornalista Jamal Khashoggi, que desapareceu após entrar no imóvel, no dia 2. Crítico do governo saudita, o jornalista foi ao consulado para tratar de seu casamento. A Arábia Saudita afirma que Jamal Khashoggi saiu do consulado, mas autoridades turcas dizem o contrário.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no Twitter que o rei saudita, Salman bin Abdulaziz, disse a ele desconhecer o paradeiro do jornalista. Trump anunciou que vai mandar seu secretário de Estado, Mike Pompeo, para acompanhar o caso.

Inundações na França

13 pessoas morreram após fortes chuvas no sul da França. As inundações na região de Aude foram as piores desde 1891. Segundo autoridades locais, uma das vítimas é uma freira que foi arrastada pela enxurrada. Na cidade de Trèbes, a água subiu 8 metros em apenas 5 horas.

Chuvas provocaram transbordamento de rio no departamento de Aude, no Sul da França — Foto: Eric Cabanis / AFP

Chuvas provocaram transbordamento de rio no departamento de Aude, no Sul da França — Foto: Eric Cabanis / AFP

Um novo bebê real

A duquesa de Sussex, Meghan Markle, mulher do príncipe Harry, está grávida do 1º filho. O bebê será o 7º na linha sucessória da coroa britânica. O Palácio de Kensington disse que o casal “agredece todo o apoio que recebeu desde o casamento em maio e está feliz por poder compartilhar esta feliz notícia com o público”.

Meghan Markle e Harry em foto de 3 de outubro — Foto: Chris Jackson/AP

Meghan Markle e Harry em foto de 3 de outubro — Foto: Chris Jackson/AP

NACIONAIS

Pesquisa Ibope

O Ibope divulgou na noite desta segunda (15) a sua primeira pesquisa da eleição presidencial no segundo turno. O levantamento foi realizado no sábado (13) e no domingo (14) com 2,5 mil eleitores e tem margem de erro de 2 pontos percentuais.

Ibope divulga primeira pesquisa de intenção de voto para presidente no segundo turno

Ibope divulga primeira pesquisa de intenção de voto para presidente no segundo turno

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:

  • Jair Bolsonaro (PSL): 59%
  • Fernando Haddad (PT): 41%

Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

  • Jair Bolsonaro (PSL): 52%
  • Fernando Haddad (PT): 37%
  • Em branco/nulo: 9%
  • Não sabe: 2%

Dia dos presidenciáveis

Candidato do PSL, Jair Bolsonaro, visita o Bope do Rio de Janeiro

Candidato do PSL, Jair Bolsonaro, visita o Bope do Rio de Janeiro

Candidato do PT, Fernando Haddad parabeniza professores e defende escola em tempo integral

Candidato do PT, Fernando Haddad parabeniza professores e defende escola em tempo integral

Entrevistas de candidatos

TV Globo iniciou hoje as entrevistas com os candidatos a governador que disputam o 2º turno. Veja como foram nos links abaixo:

O candidato do PSDB ao governo de Minas Gerais, Antonio Anastasia, seria entrevistado hoje, mas não compareceu. Amanhã será a vez de Romeu Zema, do Novo.

Horário de verão

O governo Temer informou ao G1 que não adiará o início do horário de verão e decidiu manter a data de 4 de novembro. No início do mês, o Palácio do Planalto chegou a dizer que adiaria o início do horário de verão para 18 de novembro, a pedido do Ministério da Educação (MEC), por causa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Luto na Microsoft

Paul Allen, cofundador da Microsoft, em foto de arquivo de 2003 — Foto: Anthony P. Bolante/Reuters

Paul Allen, cofundador da Microsoft, em foto de arquivo de 2003 — Foto: Anthony P. Bolante/Reuters

Paul Allen, cofundador da Microsoft, morreu aos 65 anos. Um dos homens mais ricos do mundo, Allen fundou a empresa junto a Bill Gates, financiava projetos filantrópicos, era dono de times de basquete e futebol americano e lutava contra um câncer.

Mortes no trânsito

Um grave acidente deixou 6 mortos de uma mesma família e 9 feridos na rodovia BR-381, em Minas Gerais. Uma carreta e uma van bateram de frente, perto de uma ponte em São Gonçalo do Rio Abaixo, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). A família havia viajado para comemorar um aniversário.

Na Bahia, 2 carros bateram de frente e pegaram fogo na rodovia BR-489, entre os municípios de Itamaraju e Prado. Uma avó e o neto dela, de 10 anos, morreram. Outras 2 pessoas ficaram feridas.

Em São Paulo, 3 pessoas morreram depois que o motorista de um carro perdeu o controle da direção e bateu em um poste na Marginal Pinheiros. Uma pessoa foi levada para o hospital com ferimentos graves. O veículo ficou partido ao meio.

Carro ficou partido ao meio após acidente na Marginal Pinheiros — Foto: Veruska Donato/TV Globo

Carro ficou partido ao meio após acidente na Marginal Pinheiros — Foto: Veruska Donato/TV Globo

Violência contra a mulher

4 mulheres foram vítimas de feminicídio nos últimos dias em São Paulo. Em todos os casos os suspeitos são companheiros ou ex-namorados. O último crime foi em Guarulhos, no domingo. Ellen Bandeira, de 22 anos, mãe de um menino de 3, foi assassinada a tiros após terminar um relacionamento de 5 meses com Richardson Johnison. A mãe dela conta que Ellen já havia sido ameaçada.

Procedimentos estéticos

Fernanda Assis morreu, na tarde de sábado, após dar entrada no Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste do Rio — Foto: Reprodução

Fernanda Assis morreu, na tarde de sábado, após dar entrada no Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste do Rio — Foto: Reprodução

Uma empresária morreu no sábado (13) após dar entrada em um hospital no Rio de Janeiro com lesões nos glúteos e dificuldade para respirar. A polícia diz que Fernanda de Assis havia passado por um procedimento estético em casa e com uma mulher que não é médica. De acordo com familiares, foi um preenchimento nos lábios e nos glúteos. O delegado que cuida do caso diz que a responsável vai responder por homicídio e exercício ilegal da medicina.

Abilio Diniz

Abílio Diniz (Gnews) — Foto: GloboNews

Abílio Diniz (Gnews) — Foto: GloboNews

Polícia Federal indiciou Abilio Diniz, ex-presidente do conselho de administração da BRF, por estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e crime contra a saúde pública. A investigação é um desdobramento da Operação Carne Fraca. Outras 42 pessoas também foram indiciadas. A defesa do empresário afirma que ele não cometeu nenhuma irregularidade.

Acir Gurgacz

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) durante pronunciamento na sessão do Senado do último dia 4 de setembro — Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) durante pronunciamento na sessão do Senado do último dia 4 de setembro — Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

Acir Gurgacz, senador por Rondônia que está internado no Paraná, pode ser levado a qualquer momento para o Distrito Federal. O político foi condenado por crimes contra o sistema financeiro, e o STF determinou que a pena deverá ser cumprida em Brasília. A Polícia Federal diz que tentou cumprir a ordem ontem, mas foi impedida por médicos que atendem o parlamentar em um hospital da família dele em Cascavel.

Marconi Perillo

Marconi Perillo (PSDB) foto de arquivo do dia 6 de abril de 2018 Goiás — Foto: Reprodução

Marconi Perillo (PSDB) foto de arquivo do dia 6 de abril de 2018 Goiás — Foto: Reprodução

Justiça mandou bloquear R$ 7,6 milhões de Marconi Perillo, ex-governador de Goiás, e João Furtado de Mendonça Neto, seu ex-secretário de seu governo. Ambos são suspeitos de improbidade administrativa por terem aumentado em 25% em gastos com diárias e transporte para o Poder Executivo, violando a lei de responsabilidade fiscal.

Liberdade

Um filhote de baleia que ficou preso em redes de pesca foi salvo por um surfista em Laguna, Santa Catarina. O resgate, realizado ontem, durou 3 horas. A mãe do filhote acompanhou tudo de perto. Assista ao vídeo:

Morador se arrisca para salvar filhote de baleia em Laguna

Morador se arrisca para salvar filhote de baleia em Laguna

Curtas e rápidas

Por G1 RN

 

O candidato do PDT ao governo do Rio Grande do Norte, Carlos Eduardo, prometeu que vai criar uma agência público-privada para lidar com o setor produtivo e atrair investimentos ao estado, caso seja eleito. “O nosso objetivo é exatamente esse, o emprego e o salário da nossa gente. Inclusive, o nosso governo vai dar incentivos fiscais. Quanto mais a indústria for para o interior do estado e mais distante do centro, ela terá mais isenção fiscal. Nós vamos trocar imposto por emprego”, disse.

A declaração foi dada nesta segunda-feira (15), durante entrevista ao RNTV 2ª Edição. Carlos Eduardo também falou sobre o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro e disse que foi liberado pelo partido para tomar o posicionamento.

O pedetista abriu a rodada de entrevistas do RNTV 2ª Edição com os candidatos do segundo turno ao governo do Rio Grande do Norte. Nesta terça-feira (16), será a vez da candidata Fátima Bezerra (PT). A ordem das entrevistas foi definida por sorteio na presença de assessores dos candidatos. Cada um tem 15 minutos de entrevista, mais 30 segundos para completar um pensamento que esteja falando e outros 30 segundos para passar um recado diretamente ao eleitor.

Carlos Eduardo (PDT) foi o entrevistado desta segunda-feira (15) na rodada de entrevistas do RNTV 2ª Edição com os candidatos ao governo do RN — Foto: Fernanda Zaul/G1

Confira abaixo a entrevista na íntegra

RNTV2 – O senhor declarou apoio a Jair Bolsonaro do PSL, embora seu partido PDT tenha feito o contrário – um apoio técnico foi declarado para o PT de Fernando Haddad. O senhor já foi eleito quatro vezes prefeito de Natal, inclusive com partidos de espectro socialista, de partidos de esquerda. Como o senhor se sente em relação a essa declação de apoio? O senhor está à vontade com o seu partido e com as pessoas que faziam o governo do senhor até pouco tempo na Prefeitura de Natal?

Carlos Eduardo – Veja, o meu partido teve no primeiro turno a candidatura de Ciro Gomes. Nós brigamos por Ciro, mas ele não passou para o segundo turno. O quê que ficou no segundo turno? A candidatura do PT e a candidatura do Jair Bolsonaro. Nós consideramos que o Brasil passa hoje por essa crise econômica, essa crise moral, o Brasil tem 13 milhões de desempregados, o Brasil caiu quase 9% no Produto Interno Bruto. Isso representa a maior crise econômica dos últimos 50 anos. E o Brasil passa por esse problema grave de insegurança em todo o país. Nós consideramos que isso tem culpado: é exatamente o PT. E esse ciclo está se acabando agora nesse segundo turno das eleições. Diante dessas opções, eu obtive do partido a liberação, os diretórios estaduais, o PDT liberou para que se tomassem uma posição. E a minha posição é muito clara, definida e com convicção. Jair Bolsonaro ai está, a candidatura dele ganhando no Sul, no Sudeste, no Centro Oeste, no Norte, só não ganha no Nordeste, ainda. Ainda faltam duas semanas para a eleição. Então, essa eleição nacional vai ser o fim do ciclo do PT que levou o Brasil a essa falência e a essa insegurança que todos nós vivemos. Então, eu sinto que fiz uma opção em sintonia com as mudanças que o Brasil está precisando e que o Rio Grande do Norte está precisando.

RNTV2 – Agora essas mudanças relacionadas aos partidos que lhe apoiavam, esses de esquerda, faz parte inclusive do seu secretariado pessoas do PT, do PCdoB… Isso, se o senhor for eleito, essa mudança das peças também irá acontecer? O senhor não vai ter mais apoio desses partidos?

Carlos Eduardo – Não. No meu secretariado não tinha ninguém do PT nem PCdoB. Quando eu administrei lá atrás, em algum momento houve, mas nas duas últimas administrações, não houve nenhuma participação.

RNTV2 – Virgínia Ferreira, se não me engano, no Dieese, era do PT também…

Carlos Eduardo – Era. Hoje é do PDT. Hoje é do PDT.

RNTV2 – Mas são partidos que tem o espectro de esquerda. O senhor pretende mudar mesmo a questão de apoio, caso for eleito, para montar o secretariado?

Carlos Eduardo – A questão do secretariado, eu vou ver depois da eleição. Depois da eleição, usar sempre os critérios que eu adotei quando fui prefeito de Natal por quatro vezes. Critérios absolutamente técnicos. Pode ser até político, mas desde que tenha o perfil para o exercício da função. E isso deu certo. Porque todas as vezes em que fui prefeito de Natal, nós tivemos grandes aprovações e grandes reeleições. E o resultado de governador mostra que Natal reconhece o gestor Carlos Eduardo, reconhece a capacidade que a gente tem de fazer, tanto que a nossa maioria sobre a candidata do PT em Natal foi de mais de 70 mil votos. Então eu quero lhe dizer que a formação do secretariado vai ser em uma fase posterior. Primeiro eu tenho que ganhar a eleição. Ganhando a eleição, nós vamos começar a escolher o secretariado. Critério técnico, critério político, mas desde que tenha um traço em comum: o perfil para o exercício da função. Porque um governador só, ele não faz muita coisa, não faz nada. Nós temos é que ter uma equipe para levar a efeito as nossas políticas públicas para melhorar o nestado.

RNTV2 – Inclusive, nesse assunto, não vai ser tão fácil para o senhor em relação à Assembleia Legislativa, porque foram eleitos poucos deputados. A sua coligação elegeu apenas três, na Câmara Federal, um; e os dois (candidatos) senadores que o senhor apoiava acabaram não sendo eleitos. Como é que o senhor pretende trazer esse pessoal, ou então fazer esses ajustes, se eleito, para ter o apoio que é necessário?

Carlos Eduardo – Eu já tenho a experiência como prefeito, já tratei com a Câmara de Vereadores, com os 29 vereadores, sem “toma lá, da cá”, mas fazendo composições que deram certo. Então, se eu, como prefeito, fiz isso na Câmara Municipal, sem baixar o nível da política, dessa coisa tão condenada do “toma lá, dá cá”, da questão fisiológica… a gente sempre tratou isso dentro de um outro padrão de conceito de relação política, está certo? E isso deu certo como prefeito de Natal e eu não terei dificuldade como governador. Porque os eleitos sabem, principalmente agora, com o recado dado nas urnas, o Brasil fez uma eleição completamente diferente, o eleitor deu um recado a esses eleitos, e eu acredito que dessa forma nós vamos ter sim condições de governar com maioria na Assembleia. Até porque tudo o que for apresentar para o Rio Grande do Norte vai ser em favor do Rio Grande do Norte, vai ser para beneficiar o Rio Grande do Norte. Isso vai ser um debate muito claro, muito transparente, e nessa relação não vai haver prejuízo para o bom desempenho do governo que nós pretendemos fazer.

RNTV2 – A gente vem de anos muitos difíceis, principalmente para o funcionalismo público, a crise econômica que afeta todo o Rio Grande do Norte, e o senhor já comentou em outras entrevistas em reforma administrativa e também alguns sacrifícios que terão que ser feitos. O senhor já pensa quais serão esses sacrifícios, caso seja eleito, a partir de janeiro? O que é que deve fazer para se ajustar toda a máquina e fazer funcionar, inclusive com essa questão dos salários, de não fazer com que eles sejam atrasados novamente?

Carlos Eduardo – Veja, a primeira iniciativa será o ajuste fiscal. O Rio Grande do Norte hoje tem uma receita aqui (movimento com a mão) e uma despesa e um orçamento aqui (com a mão, acima), então é aquela situação de quem ganha dois mil reais e gasta R$ 2.500, gasta R$ 3.000. Vai ocorrer um problema sério com as pessoas. E no estado não é diferente. Então a gente tem que botar o orçamento e a despesa no lugar. E o primeiro a ser enfrentado, a primeira questão, é esse ajuste fiscal, para que a gente possa botar em dia o salário dos servidores, que esse é o aspecto mais cruel dessa crise, é o atraso de salário. Botar os salários em dia e voltar a investir para que os serviços voltem a funcionar. Voltar a investir na segurança, voltar a investir na saúde, voltar a investir na educação, na ciência e técnologia, na cultura, na agricultura, no turismo, enfim, botar o governo para funcionar. Hoje o que nós temos aí é um estado que não tem receita sequer para pagar os salários.

RNTV2 – Missão dificílima, não é? Começar por onde?

Carlos Eduardo – Muito. Eu acho que a gente vai diminuir o tamanho do estado.

RNTV2 – O senhor fala em cortes, em demissões? A gente sabe que aqui no Rio Grande do Norte o número de cargos comissionados não é muito alto. São 1.139 agora, um dos menores índices do país. A margem de manobra para o senhor enxugar, dessa forma, talvez seja pequena. E em relação à Lei de Responsabilidade Fiscal, a questão salarial, mesmo excluindo os aposentados e pensionistas, dá para falar em fazer ainda concurso público, em fazer investimento? Como é que a gente vai investigar de um local que já está enxuto? Servidores podem até ser demitidos?

Carlos Eduardo – Essas informações, nós só vamos saber se são verdadeiras ou não quando chegar lá. Então, quando nós chegarmos lá, nós vamos fazer um levantamento, nós vamos revisar todos os contratos de fornecedores, auditoria. Nós vamos levantar. Eu acho que o Estado tem que fazer o seu dever de casa. E isso implica também em conversar com os demais poderes. Porque, o que a gente vê hoje? O poder que arrecada, atrasa salário e nos demais poderes, sobra orçamento e sobra recurso. Então, a gente vai conversar, abrir um diálogo com toda transparência, com os demais poderes. Vamos fazer o nosso dever de casa. Nós vamos realmente enxugar a máquina com o propósito de botar o salário em dia e fazer os serviços funcionarem novamente. Agora, isso implica realmente diminuir o tamanho administrativo do estado, implica economizar em tudo, economizar em negociações com fornecedores e terceirizados, implica em negociações com os demais poderes e numa coisa que é o principal: retomar o desenvolvimento econômico. Porque a gente só vai crescer a receita se a gente retomar o desenvolvimento econômico. Ai sim a gente vai arrecadar mais, a gente vai poder profissionalmente o servidor, sob o ponto de vista dele profissional e salarialmente, vai poder investir melhor na saúde, na educação, na agricultura, nos diversos setores do governo do estado. É isso que o Rio Grande do Norte está precisando. Primeiro lugar, arrumar a casa e voltar o desenvolvimento econômico, criação de empregos, melhorar a receita e enfrentar os problemas que nós temos.

RNTV2 – A questão industrial é inclusive um dos problemas. A gente perdeu nos últimos anos grandes indústrias. A Ambev foi uma das últimas que saíram do estado, várias do ramo têxtil, inclusive. O que o senhor pretende fazer para que elas possam se instalar novamente aqui e não escolher, por exemplo, estados como o Ceará, Pernambuco, aqui perto? Acaba muitas vezes falam que faltam incentivo fiscal para essas empresas gerarem negócio, se instalarem aqui e gerarem emprego também… Esse deve ser algum carro-chefe, digamos assim, do seu governo, para gerar emprego?

Carlos Eduardo – Veja, o mundo inteiro corre atrás do emprego e o Rio Grande do Norte precisa correr atrás do emprego. Nós vamos fazer a agência público-privada sem criar um cargo novo nem função gratificada. Esse é um fórum presidido pelo governador para que a gente possa dialogar com o setor produtivo do Rio Grande do Norte. Primeiro para o seguinte: para a gente reter os investimentos que estão sendo feitos aqui. Colocar numa mesa o governo e o setor produtivo. Quais são as soluções de pendências que precisamos fazer para que os negócios de vocês prosperem, cresçam e gerem mais trabalho e salário para nossa gente? Esse é um ponto. O outro ponto é a gente lutar contra a burocracia. A burocracia é um empecilho grave hoje para o desenvolvimento econômico. O nosso governo vai centrar nessa questão. Um processo de poupa-tempo para que a gente possa receber, analisar e licenciar os investimentos privados com dinamismo no Rio Grande do Norte. E depois eu vou reunir os investidores do Rio Grande do Norte e vou fazer missões pelo Brasil e pelo mundo para que a gente atraia investimentos privados para o Rio Grande do Norte. Porque o nosso objetivo é exatamente esse, o emprego e o salário da nossa gente. Inclusive, o nosso governo vai dar incentivos fiscais, quanto mais a indústria for para o interior do estado e mais distante do centro, ela terá mais isenção fiscal. Nós vamos trocar imposto por emprego. Porque nada dignifica mais a mulher e o homem do que o trabalho e o salário no fim do mês. Se o mundo corre atrás do emprego, o nosso governo terá essa meta.

RNTV2 – Vamos falar agora de um problema que todo mundo vivo, o senhor inclusive já foi vítima também, insegurança em todo o Rio Grande do Norte. O senhor fala em mudar frota, em fazer com que os policiais sejam melhor recompensados, em reestruturar delegacias de bairros e batalhões, inclusive no interior. Agora existe um levantamento de quanto isso custaria? O estado está do jeito que está. Como a gente vai começar a fazer com que seja investido dinheiro na otimização de projetos, inclusive para trazer benefícios, como o senhor vai tratar a questão da insegurança?

Carlos Eduardo – Olha, veja, uma das grandes metas do presidenciável Jair Bolsonaro é a questão da segurança. Porque é isso que o brasileiro hoje, ao lado da saúde pública, melhorar a educação, voltar o desenvolvimento econômico e os empregos, mas a questão da segurança precisa ser enfrentada. Eu acredito muito que o novo presidente Jair Bolsonaro vai atuar firme nessa questão. E nós aqui com certeza teremos aqui uma iniciativa para enfrentar logo esse problema. A segurança vive uma crise profunda e nós vamos fazer isso investindo em inteligência, em tecnologia, em treinamento, em equipamento, em valorização profissional e salarial das forças de segurança. E vamos também retomar o desenvolvimento econômico no sentido de que a gente comece a voltar a criar empregos no Rio Grande do Norte.

RNTV2 – Mas isso a um médio prazo? Porque agora a gente não tem dinheiro…

Carlos Eduardo – Salários em dia, volta a investir em segurança e saúde e depois a gente vai botando o Rio Grande do Norte nos eixos, como fizemos em Natal, vamos fazer no Rio Grande do Norte.

RNTV2 – O senhor tem 30 segundos para dar um recado ao Rio Grande do Norte.

Carlos Eduardo – O Brasil está fazendo essa mudança. Vai ser eleito o presidenciável Jair Bolsonaro e o Rio Grande do Norte precisa estar sintonizado como o Brasil. Aqui nós não podemos eleger alguém que é diametralmente oposto à nova situação que o Brasil vai viver. Então eu peço ao eleitor essa reflexão e tome a decisão do seu voto.

Fonte: G1RN

Por G1 RN

 

Tropas militares fizeram segurança em 97 cidades potiguares no 1º turno das eleições — Foto: Vitorino Júnior

Tropas militares fizeram segurança em 97 cidades potiguares no 1º turno das eleições — Foto: Vitorino Júnior

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN) vai pedir reforço de tropas federais para a segurança em 72 municípios potiguares no segundo turno das eleições, marcado para o domingo 28 de outubro. São 25 cidades a menos em relação ao primeiro turno do pleito que aconteceu dia 7.

Conforme o TRE, a redução de 97 cidades para 72 deve ocorrer “por se tratar de um turno mais simples e tranquilo” atende à demanda dos juízes eleitorais. “O pedido segue para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que seja autorizado o envio do exército. No mais, as forças estadual e municipal (guarda municipal) serão mantidas”, informou.

Em reunião nesta segunda-feira (15), quando informou o reforço do pedido de segurança, o presidente do TRE, desembargador Glauber Rêgo, destacou que o RN foi o primeiro estado do Nordeste a realizar a totalização de votos e o 12º no Brasil.

“Temos a missão de assegurar a segurança e organização da liberdade no exercício do direito do voto. Não apenas isso, temos a atribuição de garantir que o processo eleitoral obedeça às exigências de ordem normativa e siga base moral e ética compatível com os valores da probidade e da lisura”, afirmou.

Na ocasião, foram apresentados dados sobre o primeiro turno das eleições. Na região Oeste, por exemplo, uma falta de energia atingiu 114 seções, que correspondem a um terço das seções pertencentes à 34ª zona eleitoral. O fato gerou atraso no começo da votação.

Veja outros dados do 1º turno:

  • O primeiro voto no RN foi registrado às 08 horas e seis segundos;
  • A primeira transmissão de boletim de urna foi realizada às 17h 18min 16seg;
  • 80.075 eleitores justificaram ausência no primeiro turno;
  • Abstenção no primeiro turno: 17,12%;
  • Tempo médio para habilitação do eleitor: 29 segundos;
  • Tempo médio de votação por eleitor: 01 minuto e 07 segundos;
  • Média de eleitores por hora no RN: 30 pessoas;
  • Biometria: 86,32% dos eleitores do RN tiveram o reconhecimento biométrico, dos quais 65% foram na primeira tentativa.

Fonte: G1RN

Por Marksuel Figueredo, Inter TV Cabugi


Alunos de uma escola de Ceará-Mirim, na Grande Natal, estão há nove anos estudando em uma casa improvisada, enquanto o prédio, que foi fechado para reforma, não tem obra iniciada.

A Escola Municipal Augusto Xavier de Góis fica na Praia de Muriú e atende quase 500 crianças e adolescentes.

Na sala de aula improvisada, apenas uma das três lâmpadas funciona. Um armário separa os alunos do terceiro ano do ensino fundamental da cozinha, onde os freezeres estão enferrujados e as panelas usadas para fazer a merenda são guardadas ao lado do banheiro dos funcionários.

Mofo está espalhado por todo o espaço da escola, além de fiação exposta e ventiladores empoeirados. O quarto onde deveria funcionar a biblioteca é usado como depósito para materiais e alimento. “Nós fazemos o esforço, o possível e o impossível para colocar os filhos em uma escola, para chegar aqui e ver essas condições”, diz Aldemir Gomes, pai de dois alunos.

Prédio original da escola não passou por reformas e está abandonado — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Prédio original da escola não passou por reformas e está abandonado — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

O prédio original fica em uma das principais avenidas de Muriú, e está abandonado. Eleine Coelho, professora da Augusto Xavier de Góis, diz que a situação é desanimadora. “Como profissional, a gente luta todo dia para fazer o melhor por eles, mas reconhecimento e estrutura a gente não tem”.

A Secretaria de Educação de Ceará-Mirim diz que existe um projeto de reforma e ampliação da escola e que a prefeitura vai organizar a documentação para fazer uma licitação em 2019, de acordo com o orçamento do município.

Deixe uma resposta

Fechar Menu