ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESSA QUINTA-FEIRA

Por G1

 

Chega a 110 o número de mortos em Brumadinho. A Vale diz que sirene de alerta não soou porque foi engolida pela lama e é contestada por especialistas. Alerta em Minas: as duas barragens mais perigosas do país estão abandonadas. Desemprego fecha 2018 em queda, mas com o aumento do trabalho informal e por conta própria. Líder da oposição na Venezuela relata intimidação e acusa Maduro. O que foi notícia hoje:

INTERNACIONAIS

Tudo branco

Uma onda de frio extremo derrubou as temperaturas para até -40ºC eliteralmente congelou algumas cidades nos Estados Unidos. 12 pessoas morreram.

Homem retira neve acumulada de rua de Buffalo, Nova York, durante onda de frio nos EUA — Foto: Lindsay DeDario/Reuters

Homem retira neve acumulada de rua de Buffalo, Nova York, durante onda de frio nos EUA — Foto: Lindsay DeDario/Reuters

Crise na Venezuela

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, denunciou hoje que as forças de segurança do país tentaram intimidar sua família e responsabilizou o presidente Nicolás Maduro. Segundo o líder da oposição, agentes foram até sua casa e perguntaram por sua mulher. “Neste momento, a ditadura acha que vai nos amedrontar”, afirmou.

Jornalistas soltos: meios de comunicação internacionais anunciaram que a Venezuela libertou os profissionais que haviam sido detidos ontem. Os jornalistas entraram em território venezuelano em 24 de janeiro para cobrir a crise política.

NACIONAIS

Brumadinho

Após o 7º dia de buscas na lama, a Defesa Civil de MG elevou para 110 o número de mortos e disse que 238 continuam desaparecidos. O Corpo de Bombeiros informou que a maioria dos corpos encontrados estava na superfície e que daqui em diante será preciso fazer escavações para tentar localizar os demais.

Números do desastre:

  • 110 mortos confirmados – 71 identificados
  • 238 desaparecidos
  • 192 resgatados
  • 394 localizados
  • 108 desalojados ou desabrigados

Sem alerta

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, afirmou que o rompimento da barragem foi tão rápido que não deu tempo de acionar a sirene de alerta. “A sirene foi engolfada pela queda da barragem antes que ela pudesse tocar”, explicou. Para especialistas, porém, o aviso sonoro deveria tocar em qualquer circunstância.

Acordos: Schvartsman afirmou também que a intenção da mineradora éfazer acordos extrajudiciais para acelerar o processo de indenização das vítimas. “Estamos preparados para abdicar de ações judiciais”, afirmou.

Caminho da lama

Em poucos minutos, o mar de lama que desceu da barragem varreu a comunidade local em Brumadinho, parte do centro administrativo e o refeitório da Vale, que estava cheio. O vídeo abaixo mostra, ponto a ponto, o deslocamento da enxurrada de rejeitos.

Tragédia em Brumadinho: animação mostra ponto a ponto deslocamento do mar de lama

Tragédia em Brumadinho: animação mostra ponto a ponto deslocamento do mar de lama

Histórias da tragédia

Fuga pela janela

O auxiliar administrativo Cláudio Pereira do Santos, de 34 anos, é um dos 100 funcionários da Vale resgatados com vida. Ele conta que só conseguiu sobreviver porque fugiu pela janela. “A sensação no momento em que eu pulei a janela e comecei a correr é que a lama ia me pegar, porque eu não olhava para trás, eu só sentia ela passando a minha esquerda”, diz. Assista ao relato:

Guarita fica intacta em meio à destruição e funcionário da Vale consegue fugir

Guarita fica intacta em meio à destruição e funcionário da Vale consegue fugir

Imóvel engolido

Abel Gomes, de 64 anos, foi uma das pessoas que tiveram que sair de casa às pressas. Sem imaginar que nunca mais poderia voltar, conseguiu levar apenas a roupa do corpo. “Esse barro ali que era minha casa”, diz Abel ao apontar para o terreno coberto pela lama.

'Seu' Abel mostra onde ficava a casa dele; ao fundo três homens da equipe de busca fazem uma varredura por vítimas — Foto: Raquel Freitas/G1

‘Seu’ Abel mostra onde ficava a casa dele; ao fundo três homens da equipe de busca fazem uma varredura por vítimas — Foto: Raquel Freitas/G1

Salvo ‘por milagre’

Ronan Otávio Gomes Santos, de 14 anos, nadava em uma lagoa quando foi levado pelo mar de lama. “Ele só escapou por milagre”, afirmou a avó de Ronan. Dona Maria da Conceição disse que o neto foi arrastado por um trecho de 500 metros. Para se salvar, ele se agarrou a um coqueiro e depois desmaiou. Com muitos ferimentos e hematomas, o jovem foi salvo pelo irmão. “Voltar para casa é muito bom”, disse ele.

Ronan volta para casa após sobreviver ao rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, e ganha abraço dos pais — Foto: Reprodução/TV Globo

Ronan volta para casa após sobreviver ao rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, e ganha abraço dos pais — Foto: Reprodução/TV Globo

Barragens abandonadas

As duas barragens classificadas como as mais perigosas do paísameaçam um manancial que abastece a a Região Metropolitana de Belo Horizonte. As barragens 1 e 2 da Mina Engenho, em Rio Acima (MG), aparecem na lista da Agência Nacional de Mineração como sendo de alto risco e elevado potencial de dano. As estruturas contêm rejeitos químicos de exploração de ouro e foram abandonadas pela empresa Mundo Mineração. Hoje, estão sob responsabilidade do governo de MG.

Eleição no Congresso

Câmara dos Deputados viveu um clima de campanha hoje, na véspera da eleição para presidente da Casa. A votação está marcada para amanhã às 18h. Em evento num dos auditórios do prédio, candidatos fizeram discursos e pediram votos. Em todas as entradas e pelos corredores, foram distribuídos adesivos e material de campanha. Sete nomes devem disputar o comando da Casa. O atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é apontado como favorito. Ele conseguiu de 15 partidos até o momento.

Senado

No Senado, Renan Calheiros venceu a disputa interna no MDB e será o único candidato do partido. Ele inicia amanhã o 4º mandato como senador e já foi eleito quatro vezes presidente da Casa. Após a indicação do MDB, Renan recebeu um telefonema do presidente Jair Bolsonaro.

A história de Lulu

Índios da aldeia Kamayurá disseram à “Revista Época” que a filha adotiva da ministra Damares Alves foi levada da tribo de maneira irregular. Segundo a avó paterna, Kajutiti Lulu Kamayurá – hoje com 20 anos – foi retirada da aldeia por Damares aos 6 anos sob para fazer um tratamento dentário e nunca mais voltou. “Chorei, e Lulu estava chorando também por deixar a avó. […] Disse que ia mandar de volta, que quando entrasse de férias ia mandar aqui. Cadê?”, afirmou. A ministra diz que se considera “cuidadora” da menina e que a saída da aldeia foi autorizada por familiares.

Emprego

A taxa de desemprego caiu para 11,6% em 2018 e agora atinge 12,2 milhões de brasileiros, segundo o IBGE. No entanto, os dados mostram que há cada vez mais trabalhadores sem registro e por conta própria no mercado. O número de trabalhadores sem carteira assinada cresceu 3,8% (mais 427 mil pessoas) no 4 º trimestre do ano passado, enquanto a quantidade de pessoas que trabalham com registro caiu 1%.

Reforma da Previdência

O secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, afirmou que o presidente Bolsonaro determinou uma reforma das regras na aposentadoria que atinja “todos os segmentos” da sociedade. O governo vinha discutindo se militares seriam ou não incluídos na proposta. Representantes das Forças Armadas argumentam que a categoria deveria ficar fora devido a características da carreira.

Recuperação de Bolsonaro

Um dia após deixar a UTI, Bolsonaro mantém boa evolução clínica, segundo boletim médico. O presidente passou por uma cirurgia para a retirada de uma bolsa de colostomia na segunda e está despachando do hospital em SP. A previsão é que ele tenha alta na semana que vem.

Bolsonaro despacha no hospital após cirurgia — Foto: Presidência da República

Bolsonaro despacha no hospital após cirurgia — Foto: Presidência da República

Anitta loira

Com novo visual, a cantora Anitta gravou hoje em Salvador o clipe da música “Bola, Rebola”. O novo single tem participação de J. Balvin, Tropkillaz e Mc Zaac. Os dois últimos também fizeram parte do clipe de “Vai Malandra”, gravado no Rio.

Anitta grava novo clipe em Salvador — Foto: Mattoni Comunicação

Anitta grava novo clipe em Salvador — Foto: Mattoni Comunicação

Rei do camarote?

Shows exclusivos, massagens, espaço beleza, comidas e bebidas liberadas. Esse é o esquema VIP oferecido a quem vai aos camarotes espalhados pela Marquês de Sapucaí, no Rio. Mas, para assistir aos desfiles do carnaval carioca nos espaços privilegiados, é preciso abrir o bolso: os preços variam entre R$ 450 e R$ 7.800.

Camarotes da Sapucaí oferecem serviços exclusivos — Foto: Camarote Allegria / Divulgação

Camarotes da Sapucaí oferecem serviços exclusivos — Foto: Camarote Allegria / Divulgação

Mais carnaval:

Também teve isso…

 

Disputa por cargos na Câmara divide PSL

Núcleo da base governista, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, vive uma fase de disputas internas que dividem integrantes da segunda maior bancada da Câmara, a uma semana da eleição e da posse da nova direção da Casa. A divisão dos cargos de comando na Câmara é o novo foco de atrito, além de desavenças que marcam o relacionamento na bancada desde a campanha eleitoral do ano passado.

Há mais postulantes do que cargos, segundo a divisão prevista no acordo para dar apoio à reeleição do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para conseguir a promessa dos 52 votos do PSL, Maia cedeu à direção do partido a 2.ª vice-presidência da Mesa Diretora, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), a mais importante da Câmara, e a Comissão de Finanças e Tributação (CFT).

As suspeitas envolvendo o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) – o nome do filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro aparece em relatório do Coaf por conta de movimentações financeiras consideradas atípicas – também acirraram as discussões e deixaram mais nítidas as divisões entre deputados. A avaliação é que esses rachas, que incluíram conversas vazadas cuja autoria estimulou desconfiança mútua entre os parlamentares, podem comprometer a base do presidente no Congresso e até dificultar a tramitação de projetos de seu interesse.

A presidência da CCJ é a mais disputada, com ao menos quatro pretendentes. A advogada Bia Kicis (PRP-DF), cuja filiação está “prometida” ao PSL; o deputado Coronel Tadeu (SP), ex-policial militar do Batalhão de Choque; o delegado da Polícia Federal Marcelo Freitas (MG); e o advogado Felipe Francischini (PR), filho do ex-delegado da PF e ex-líder do PSL Fernando Francischini. Os já filiados ao PSL estão insatisfeitos com a candidatura prévia de Bia Kicis. Argumentam que ela não poderia ter uma função de destaque por não estar no partido ainda, embora sua indicação seja defendida por membros da cúpula do partido. A jornalista Joice Hasselmann (SP) também deve disputar uma posição de destaque, que pode ser a presidência da Comissão de Finanças ou a vice-liderança do partido na Casa.

Outro filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (SP) – que já se referiu ao baixo clero do partido como “favelados” – deseja manter influência sobre a política externa e articula, segundo aliados, sua candidatura à presidência da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN).

Há preocupação com uma possível postulação do deputado Coronel Chrisóstomo (RO) à 2.ª vice-presidência da Câmara. A vaga estaria reservada ao presidente nacional do partido, deputado Luciano Bivar (PE), que anunciou o acordo com Maia sem consultar o restante da bancada. Uma candidatura avulsa de Chrisóstomo pode criar mais atritos no PSL e ameaçar o poder do grupo de Bivar, porque, com votação secreta, poderia receber votos de opositores e adversários para emplacar uma derrota ao governo.

Chapa única

Como a bancada não se organizou ainda para decidir quais serão seus representantes, há quem espere que Bivar tenha a palavra final, escalando os nomes, e há quem defenda uma reunião interna até o fim da próxima semana, para escolher os indicados. A busca de uma chapa única, com apenas um nome postulando cada comissão, visa a minimizar os conflitos.

Os deputados, sob pressão, não garantem nem mesmo honrar o acordo de cúpula com Maia. Reservadamente, dizem que haverá defecções por causa das particularidades de cada parlamentar e da liberdade para votar. Um deputado estreante lembrou que a direção do PSL não terá nem como punir levando à comissão de ética quem não votar de acordo com os interesses do governo, porque o voto na eleição é secreto.

Uma das últimas disputas envolveu os deputados da “bancada da China” – grupo que viajou ao país comunista e sofreu fogo amigo, turbinado pelas críticas públicas de colegas, dos filhos do presidente e de formadores de opinião da direita, como o filósofo Olavo de Carvalho. Entre os que viajaram, correm ameaças de retaliar a direção do partido na eleição da Câmara, ao não entregar votos a Maia, e reclamações de falta de blindagem por parte de Bolsonaro e de Bivar.

“O PSL é um partido que vai se moldar a partir de agora. Ele se formou com ativistas de toda sorte e políticos vindo de vários partidos”, diz o deputado federal e senador eleito Major Olímpio, presidente do PSL em São Paulo, sobre os conflitos internos. Ele admitiu esforços para apaziguar a bancada no episódio da excursão à China.

Sem consulta à bancada, escolha de líder gerou críticas

Até a escolha de um deputado do próprio PSL para a liderança do governo na Câmara causou ciúmes. A bancada não foi consultada pelo presidente Jair Bolsonaro. A equipe da Casa Civil, à frente da articulação política, defendia que o posto fosse exercido por outra legenda, como forma de incluir mais partidos à base aliada.

Escolhido por Bolsonaro, o deputado de primeiro mandato Major Vitor Hugo (GO) é desafeto do atual líder da legenda na Câmara, Delegado Waldir (GO). A indisposição decorre das eleições. Vitor Hugo acusou o diretório estadual do PSL em Goiás, comandado por Waldir, de monopólio de verbas do fundo eleitoral, mas o processo não foi aceito.

“O PSL é a pedra fundamental da base do governo. Inclusive, eu postei isso no polêmico grupo do WhatsApp. Algumas acomodações de divergências vão acontecer e a gente vai começar a legislatura muito unido e efetivamente sendo o núcleo duro de apoio ao presidente”, diz o líder do governo.

Há ainda a formação dos grupos regionais. Em São Paulo, o deputado Junior Bozella, com base no litoral sul do Estado, é uma espécie de representante dos paulistas, enquanto o delegado da PF Felício Laterça coordena demandas dos parlamentares do Rio.

Bozella chegou a postular a presidência da Câmara, mas recuou. Já o delegado Laterça deve disputar a liderança com o delegado Waldir.

Esplanada. Antes mesmo de o governo ser formado, parte da bancada entrou em atrito com o único representante do partido no primeiro escalão, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, deputado reeleito por Minas Gerais, por causa de escolhas para sua equipe técnica.

O ministro foi pressionado publicamente pelo ator e deputado federal eleito Alexandre Frota (SP) a demitir dois assessores acusados de defender posições consideradas de esquerda. “A bancada do PSL tem suas particularidades, são 52 cabeças se encontrando. É natural que exista um tempo para que a afinidade aconteça”, contemporizou o ministro do Turismo.

Marco Aurélio indica que vai rejeitar nesta sexta-feira pedido de Flávio Bolsonaro sobre foro privilegiado

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello disse ao Broadcast Político, sistema de tempo real do Estadão, que vai proferir já nesta sexta-feira (1º), primeiro dia de trabalho após a volta do recesso do Judiciário, a decisão em que pretende rejeitar o pedido apresentado pelo senador eleitoFlávio Bolsonaro(PSL-RJ), no qual requer foro privilegiado nas investigações sobre movimentações financeiras atípicas identificadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Em conversa por telefone, Marco Aurélio disse que já vinha “sinalizando” seu posicionamento sobre o tema e enfatizou que a jurisprudência é clara no que se refere à prerrogativa de foro. “Os precedentes do meu gabinete deixam claro meu pensamento em relação a casos como este. Além disso, o Supremo tem uma jurisprudência amplamente pacificada em relação a este assunto: a prerrogativa de foro vale para o exercício do mandato e a atos ligados ao mandato”, afirmou Marco Aurélio.

Marco Aurélio disse ainda que, a rigor, entende que Flávio Bolsonaro “não deveria ter sequer o direito de ser julgado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro”, uma vez que seu mandato de deputado estadual também se encerra. No entendimento do ministro, o caso deve ser anaçisado pela 1ª instância.

No último dia 17, o ministro Luiz Fux, vice-presidente do Supremo, determinou a suspensão das investigações sobre as movimentações financeiras identificadas pelo Coaf nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, reveladas pelo Estado em dezembro do ano passado. O órgão constatou que, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017, Queiroz movimentou mais de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária. A decisão tomada por Fux paralisou o processo até que Marco Aurélio, que é relator do caso, retomasse suas atividades e apresentasse seu parecer.

Pouco depois de a decisão de Fux vir a público, Marco Aurélio já havia indicado que deveria rejeitar o pedido, ao declarar à Globonews que tem remetido ao “lixo” reclamações como a do filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro. Marco Aurélio também já havia indicado que pretendia anunciar sua decisão já na volta do recesso, mesmo dia em que Flávio Bolsonaro tomará posse como senador pelo Rio de Janeiro.

Ao explicar o motivo de formalizar sua decisão já no primeiro dia de trabalho, Marco Aurélio disse considerar fundamental a retomada do andamento das investigações, paralisadas pela decisão de Fux. “As investigações sobre este caso, que são de grande relevância, estão suspensas. Isso não é bom em termos de ordem jurídica”, afirmou Marco Aurélio. Ele evitou, entretanto, polemizar sobre a decisão do colega de Corte. “Processo não tem capa, tem conteúdo.”

ESTADÃO CONTEÚDO

Comments

Bolsonaro liga para parabenizar Renan Calheiros

O presidente Jair Bolsonaro ligou para o senador Renan Calheiros (MDB-AL) assim que reunião da bancada do partido acabou, na noite desta quinta (31).

Bolsonaro parabenizou o alagoense por ele ter vencido a disputa interna contra Simone Tebet (MS) e ser escolhido o candidato do MDB à Presidência do Senado na eleição desta sexta-feira (1º).

PAINEL / FOLHA

Comments

Presidente do STJ manda soltar ex-governador Beto Richa por falta de provas

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, determinou liminarmente, a libertação imediata do ex-governador do Paraná Beto Richa, preso desde o dia 25 de janeiro, acusado de obstruir investigações. Após parecer do Ministério Público Federal, o mérito será julgado pela 6ª Turma, com relatoria da ministra Laurita Vaz.

Na mesma decisão, o ministro expediu uma ordem de salvo-conduto em favor de Beto Richa e do seu irmão José Richa Filho para que eles não sejam presos cautelarmente no âmbito da Operação Integração II, exceto se demonstrada, concretamente, a presença de algum dos fundamentos admitidos pela legislação processual para a decretação de tal medida.

Segundo o ministro, não há, no caso, fundamentação apta a justificar a decretação da prisão preventiva contra o ex-governador. “Nada de concreto foi demonstrado que se prestasse a justificar a necessidade de proteger a instrução criminal e, com isso, justificar a preventiva decretada”, afirma.

O ministro cita ainda trechos do decreto prisional que mencionam atos supostamente praticados pelo ex-governador nos anos de 2011 e 2012. A situação fática, de acordo com o presidente do STJ, mudou completamente.

“Os fatos remontam há mais de sete anos e, além disso, a realidade é outra, houve renúncia ao cargo eletivo, submissão a novo pleito eleitoral e derrota nas eleições. Ou seja, o que poderia justificar a manutenção da ordem pública – fatos recentes e poder de dissuasão – não se faz, efetivamente, presente”, avalia.

Segundo Noronha, a prisão “mostra-se precipitada e desprovida de embasamento fático”.

Prisão 
O recurso foi interposto pela defesa de Richa após determinação de prisão pela 23ª Vara Federal de Curitiba. O entendimento da primeira instância foi que a prisão era necessária por conveniência da instrução processual, tendo em vista suspeitas de ações para dissuadir uma testemunha do caso em duas operações que investigam recebimento de propina. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

RHC 107701

CONSULTOR JURÍDICO

Comments

Como presidente do Senado, Renan discutiu com JBS nomeação no governo; ouça

Interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal revelam que, como presidente do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) procurou o empresário Joesley Batista para discutir uma nomeação para o Ministério da Agricultura, pasta de alto interesse para os negócios da JBS.

As ligações, às quais a Folha teve acesso, mostram pela primeira vez a voz do senador em conversas com a cúpula do conglomerado de alimentação, indicando uma relação de intimidade entre Renan e os dirigentes da gigante das carnes.

Os áudios são de 2014. Em 2017, Joesley, seu irmão, Wesley, e outros cinco executivos afirmaram ter pagado milhões a deputados e senadores em eleições em troca de vantagens para a empresa.

Renan, que pretende disputar a presidência do Senado em eleição nesta sexta-feira (1º), está entre os delatados.

Segundo os colaboradores, ele recebeu R$ 9,9 milhões de caixa 2, dinheiro eleitoral não declarado à Justiça Eleitoral.

Folha teve acesso a 18 áudios. O alvo da interceptação era Ricardo Saud, diretor de relações institucionais da JBS e quem fazia a intermediação da empresa com o Congresso.

Em um dos telefonemas, Renan e Joesley comemoram juntos a vitória de Dilma Rousseff (PT) na eleição de 2014 momentos após a divulgação do resultado oficial.

A vitória apertada da petista sobre Aécio Neves, candidato do PSDB no segundo turno, foi noticiada após as 20h do dia 26 de outubro de 2014 (na Folha, às 20h07). A ligação entre o senador e o empresário foi feita às 20h08m38s.

O emedebista é quem dá “parabéns” primeiro a Joesley, que retribui. “Como dizem, foi sofrido mas valeu”, diz Renan. “Foi sofrido, mas ganhamos, hein, presidente?”, completa Joesley, entre “parabéns”, de um a outro.

No mesmo telefonema, Joesley e Renan ficam de se encontrar para “pensar os próximos passos”. Dois dias depois, um jantar foi marcado na casa de Renan e realizado uma semana depois, em 5 de novembro.

Em outro episódio, no dia 12 de dezembro de 2014, o então presidente do Senado procura Joesley, em meio a um debate sobre quem seria o titular da Agricultura no novo governo Dilma.

A petista já tinha escolhido Kátia Abreu, que não era o nome preferido do empresário. Em uma ligação na noite daquele dia, Renan pede a Saud um encontro com Joesley.

“Deixa eu te dizer uma coisa, era importante a gente bater um papo com o Joesley”, diz o senador. “Para a gente conversar um pouco sobre essa questão aí da Agricultura”, reforça Renan.

Minutos depois, Saud retorna para confirmar a reunião e o senador então afirma: “Tem um cenário que estou construindo, de levar o Vinicius [Lages], que é ministro do Turismo, para ser o secretário executivo [do Ministério da Agricultura]. Então, acho que era importante a gente conversar um pouco sobre algumas estratégias”.

Vinicius Lage foi chefe de gabinete de Renan e indicado por ele para ser ministro do Turismo no primeiro governo Dilma. Ele acabou sendo confirmado para continuar na mesma função no segundo governo da petista.

Ao final da conversa gravada pela PF, um jantar fica marcado para a segunda-feira seguinte, em Brasília, e Saud ainda acrescenta ao senador: “Eu levo o vinho”.

No mesmo diálogo, Renan lembra que haveria, dias depois, uma posse na CNA (Confederação Nacional da Agricultura). No dia 16 de dezembro, quatro dias após a conversa entre o senador e Saud, Kátia Abreu tomou posse como presidente da entidade.

O senador foi delatado pela JBS sob acusação de caixa 2 de R$ 9 milhões em 2014. Os delatores afirmaram ainda ao Ministério Público que houve pagamento de R$ 46 milhões a senadores do MDB a pedido do PT.

Hoje ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), Vital do Rego, aliado de Renan, aparece em ligações com relação bastante próxima também de Saud, por quem é chamado de Vitalzinho.

Saud fala sobre a relação com Renan Calheiros e como as coisas estão andando em outras ligações. De maneira cifrada, por exemplo, ele confirma com Joesley o primeiro jantar após a eleição de Dilma.

Saud pergunta se Joesley entendeu os “valores” que ele havia mandado. O empresário primeiro fica mudo, e depois responde: “é 500 com 1 e 500” e “entendi, mas não entendi”, cortando a conversa para se encontrarem possivelmente pessoalmente.

Logo após esse jantar com Renan, Saud faz uma ligação para uma pessoa não identificada e fala sobre negócios e indicações.

Eles conversam por cerca de quatro minutos. O homem diz que “as coisas andaram bem, Renanzinho está satisfeito com o modelo” e que “ele está satisfeito com o negócio, da forma que vai andar”. Ele pergunta: “O jantar com J foi bem, né?”. Saud responde: “[Foi] excelente, falou desse negócio, abriu mais umas perspectivas boas para você”.

Procurado pela Folha, Renan Calheiros não se manifestou até a conclusão desta reportagem.

Procurada pela Folha, a defesa de Joesley e Saud afirmou, por meio da assessoria, que “os assuntos referentes às doações eleitorais ou qualquer ato ilícito foram exaustivamente tratados e esclarecidos em acordo de colaboração firmado em 2017”.

“Na medida em que investigações avançam, comprova-se a efetividade desse acordo de colaboração. Vale pontuar ainda que nunca houve interferência do senador Renan Calheiros em favor da empresa junto ao Ministério da Agricultura, mas sim do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB), conforme descrito em anexo”, disse.

OS ÁUDIOS DE RENAN CALHEIROS

  • Interceptações da Polícia Federal de 2014 revelam intimidade entre Renan Calheiros e Joesley Batista, dono da JBS
  • O alvo da PF era Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais da JBS
  • Joesley, Saud e mais cinco executivos se tornaram delatores em 2017
  • Eles afirmaram ter feito pagamentos de mais de R$ 40 milhões para o MDB do Senado a pedido do PT
  • Renan é acusado de ter recebido em seu nome R$ 9,9 milhões

26/10/14
Dilma Rousseff (PT) é reeleita presidente da República, vencendo Aécio Neves (PSDB) na disputa mais acirrada da história

Assim que saiu o resultado, o empresáreio Joesley Batista e o senador Renan Calheiros (MDB-AL) comemoram no telefone

29/10/14
Ricardo Saud marca com Vital do Rêgo (MDB-PB) jantar com Joesley e Renan

4/11/14
Renan e Saud se falam para confirmar o jantar

Joesley e Saud se falam de forma cifrada por telefone, sobre o jantar e sobre “valores”

5/11/14
Renan liga para Saud para avisar que vai atrasar um pouco para o jantar

7/11/14
Saud fala com uma pessoa não identificada sobre negócios e cita Renan e seu filho, Renan Filho, atual governador de Alagoas

2/12/14
Indicada por Dilma para o ministério da Agricultura, Kátia Abreu sofre resistência de Joesley Batista

9/12/14
Renan liga para Saud cobrando a presença dele

12/12/14
Conversa em ligação interceptada mostra Renan marcando reunião com Joesley e sugere tratativas para indicação de secretário

FOLHAPRESS

OUÇA TODOS OS ÁUDIOS CLICANDO NO LINK: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/01/como-presidente-do-senado-renan-discutiu-com-jbs-nomeacao-no-governo-ouca.shtml

Comments

MDB SENDO MDB: Renan vence disputa para ser o candidato ao senado do partido

Em votação da bancada do MDB para decidir quem seria o candidato à presidência do Senado, Renan Calheiros venceu por 7 votos a 5 a concorrente Simone Tebet.

Resta saber agora se Simone vai se lançar de forma avulsa, como chegou a cogitar. Jarbas Vasconcellos, que era voto certo para a senadora, não compareceu.

O ANTAGONISTA

Presidente da Vale diz que sirene de alerta não tocou em Brumadinho porque foi ‘engolfada’ pela lama

Presidente da Vale — Foto: Reprodução

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, afirmou nesta quinta-feira (31) que o rompimento da barragem em Brumadinho (MG) foi muito rápido, e a sirene que iria soar foi “engolfada” pela lama.

“Aconteceu um fato que não é muito usual: houve um rompimento muito rápido da barragem”, declarou ele em entrevista coletiva concedida em Brasília.

“A sirene foi engolfada pela queda da barragem antes que ela pudesse tocar.”

A barragem de rejeitos, que ficava na mina do Córrego do Feijão, se rompeu na sexta-feira (25), provocando uma tragédia que deixou ao menos 99 mortos e 259 desaparecidos.

O mar de lama varreu a comunidade local e parte do centro administrativo e do refeitório da Vale. Entre as vítimas, estão pessoas que moravam no entorno e funcionários da mineradora. A vegetação e rios foram atingidos.

Mais cedo nesta quinta, a Vale havia enviado nota à BBC Brasil dizendo: “Devido à velocidade com que ocorreu o evento, não foi possível acionar as sirenes relativas à barragem 1”.

Especialistas afirmaram que existe tecnologia para que alertas sonoros de emergência sejam acionados em qualquer circunstância, independentemente da velocidade do evento.

Raio-X da cidade de Brumadinho — Foto: Karina Almeida/G1

Detalhes sobre as barragens da Vale no Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG) — Foto: Juliane Souza/G1

Caminho da lama: veja por onde passaram os rejeitos da barragem rompida em Brumadinho (MG) — Foto: Betta Jaworski e Alexandre Mauro/G1

G1

 

A mensagem de Bolsonaro ao Congresso: “Previdência mais humana, mais justa, que não retire direitos e restabeleça o equilíbrio fiscal”

Jair Bolsonaro enviará mensagem ao Congresso, a ser lida no dia 7, na qual defenderá uma Previdência “mais humana, mais justa, que não retire direitos e restabeleça o equilíbrio fiscal, que garanta que nossos filhos e netos tenham um futuro assegurado”.

Segundo o porta-voz do governo, Otávio do Rêgo Barros, no texto vai também propor projeto de combate ao crime organizado e corrupção “atacando o fim da impunidade”.

Na infraestrutura, informou que vai trabalhar para acabar com gargalos logísticos. Outra proposta “imediata” será a revisão da lei de segurança das barragens.

O Antagonista

Comments

ENCONTRO DE DEPUTADOS – (FOTO): Túlio Gadêlha registra momento ao lado de Alexandre Frota, e recebe pedido de desculpas por comentário xenofóbico

Túlio Gadêlha e Alexandre Frota (Foto: Reprodução/Instagram)

Ao final de 2018, Túlio Gadêlha protocolou uma interpelação judicial na Procuradoria da República de Pernambuco após um comentário de caráter xenofóbico publicado por Alexandre Frota em suas redes sociais. E nesta quinta-feira (31.01), o deputado federal do PE disse ter sido surpreendido por um pedido de desculpas vindo do deputado federal de SP.

“Faltando 1 dia para iniciar os trabalhos na Câmara, no café da manhã do hotel, olha quem veio sentar ao meu lado para dialogar, mesmo que por poucos minutos. Fui surpreendido por um pedido de desculpas de Frota. Estamos em campos opostos mas não precisamos conviver com o ódio”, dizia a legenda da publicação que trouxe um clique de Túlio e Alexandre lado a lado.

Nos comentários, os seguidores se mostraram contentes com a postura de ambos os deputados federais. “O diálogo sempre é a melhor saída, não adianta proliferar o ódio”, disse um, “maturidade é tudo até nas divisões políticas. Te admiro @tulio.gadelha”, escreveu outro, “tomara que ele de fato esteja disposto a respeitar os outros. Que o pedido de desculpa não seja da boca pra fora”, afirmou mais um.

Túlio Gadêlha (Foto: Reprodução/Instagram)

À época, Túlio compartilhou a foto acima em seu Instagram e escreveu na legenda: “Xenofobia é crime. Agora é com a Justiça, Frota. Protocolei hoje interpelação judicial – pedido de explicações em juízo e representação contra o deputado paulista recém eleito, Alexandre Frota. Esse senhor não tem limites e agora irá aprender com as consequências dos seus atos. #xenofobiaécrime #pernambucopresente #vaiterrespeitosim”. Em seguida, compartilhou prints do comentário de Frota.

Comentário de Alexandre Frota (Foto: Reprodução/Instagram)

Globo, via Vogue

LOCAIS

Caern suspende abastecimento para a Zona Norte na próxima terça-feira. 18 bairros ficarão sem abastecimento

A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) realizará uma manutenção preventiva na próxima terça-feira, 05, na Estação de Tratamento de Águas (ETA) de Extremoz. Com a realização do serviço, o abastecimento para os bairros da região ficará suspenso por 48 horas.

Durante o serviço será realizada a manutenção da subestação elétrica da ETA, que permitirá um melhor funcionamento da estrutura, evitando possíveis oscilações. Além disso, será feita a limpeza de toda a estrutura de tratamento, assegurando a qualidade da água fornecida para a população.

O equipamento é responsável pelo tratamento da água que abastece 70% da Zona Norte de Natal. Para a realização destas manutenções, o fornecimento de água será interrompido durante todo o dia, sendo o abastecimento retomado no fim da noite. A normalização da distribuição deve ocorrer em até 48h.

Os bairros que ficarão desabastecidos são os seguintes: África, Algimar, Alvorada, Amarante, Golandim, Igapó, Jardim Lola, Nova Zelândia, Panatis, Parque dos Coqueiros, parte do Conjunto Santarém, parte Gramoré, Potengi, Redinha (nova e velha), Riverside, Santa Inês, Soledade I e Vale Dourado. Os demais bairros terão redução no abastecimento.

A recomendação da Companhia é que os moradores desta região reservem água para o período e que, principalmente, utilizem a água de forma racional.

AGORA RN

 

Defesa de Ricardo Mota emite nota referente a denuncia de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato

Por desconhecer o conteúdo das denúncias, considerando que a própria notícia traz a informação de que as ações estão em segredo de justiça, igualmente não sabendo em que contexto houve citação de nomes, a defesa se limita a afirmar que não irá se pronunciar sobre o mérito neste momento.
Thiago Cortez
Advogado

MPRN denuncia deputado estadual Ricardo Motta por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato

Denúncias contra Ricardo Motta são desdobramentos da operação Candeeiro e são corroboradas por acordos de colaboração premiada e de leniência. MPRN pede sequestro de bens de parlamentar

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) denunciou o deputado estadual Ricardo Motta pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato. Ao todo, foram oferecidas quatro denúncias contra Ricardo José Meireles da Motta, todas desdobramentos da operação Candeeiro, deflagrada pelo MPRN em 2 de setembro de 2015. As denúncias são assinadas pelo procurador-geral de Justiça (PGJ), Eudo Rodrigues Leite, e ainda estão sob segredo de justiça.

As denúncias são embasadas por acordos de colaboração premiada já homologados e acordo de leniência. Além disso, as denúncias são reforçadas por provas compartilhadas pelo Supremo Tribunal Federal, em decisão de outubro do ano passado. O MPRN também pediu o sequestro de bens de Ricardo Motta para ressarcir os cofres públicos.

Uma das denúncias oferecidas é reforçada por um acordo de leniência, o primeiro firmado na história do Ministério Público do Rio Grande do Norte. Um acordo de leniência se configura quando uma empresa investigada admite ter participado de um esquema fraudulento e se compromete a auxiliar na investigação.

Nesse acordo firmado, a empresa se comprometeu a pagar, em decorrência das infrações e ilícitos cometidos, o valor de R$ 800 mil ao Idema a título de reparação de danos e multa prevista na Lei de Improbidade Administrativa, além de relatar e comprovar como eram cometidos os crimes. Um funcionário da empresa que servia como elo de ligação no esquema também firmou acordo de colaboração premiada, comprometendo-se a devolver R$ 150 mil ao Idema. Somados, os dois acordos proporcionaram a devolução de R$ 950 mil à autarquia estadual.

Em 2016, Gutson Reinaldo foi condenado a 17 anos, um mês e 75 dias de prisão e a restituir aos cofres do Idema. Após a condenação, ele firmou acordo de delação premiada com o MPRN e o Ministério Público Federal (MPF), onde relatou como os crimes eram cometidos dentro do Idema. Na delação, Gutson afirma que o principal beneficiário dos desvios de recursos foi o deputado estadual Ricardo Motta, que, por exercer o controle político da autarquia, indicou pessoas para ocupar cargos na entidade e compor a organização criminosa.

Operação Candeeiro

Deflagrada em 2 de setembro de 2015, a operação Candeeiro buscou descortinar esquema milionário no âmbito do Idema, através do qual uma refinada associação criminosa instalada na sua Unidade Instrumental de Finanças e Contabilidade se utilizava de ofícios autorizadores de pagamento como forma de desviar recursos.

Ao todo, participam da operação 26 promotores de Justiça e cerca de 100 policiais nas cidades de Natal, Parnamirim, Santana do Matos e Mossoró, para cumprimento de cinco mandados de prisão temporária, 10 mandados de condução coercitiva e 27 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 6ª vara Criminal de Natal.

Fonte: Blog do BG

 

Por G1 RN

 


Ricardo Motta deputado — Foto: João Gilberto/ALRN

Ricardo Motta deputado — Foto: João Gilberto/ALRN

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) denunciou o deputado estadual Ricardo Motta (PSB), que encerra mandato nesta quinta-feira (31), pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato. Ao todo, foram oferecidas quatro denúncias contra o deputado, todas como desdobramentos da operação Candeeiro, deflagrada em setembro de 2015.

As denúncias, que são assinadas pelo procurador-geral de Justiça (PGJ), Eudo Rodrigues Leite, e ainda estão sob segredo de justiça, acontecem no último dia de mandato do parlamentar. Ricardo Motta não conseguiu se reeleger em 2018 e a posse dos novos parlamentares acontecem nesta sexta-feira (1º).

Procurada pelo G1, a defesa do deputado informou que não vai se pronunciar. “Por desconhecer o conteúdo das denúncias, considerando que a própria notícia traz a informação de que as ações estão em segredo de justiça, igualmente não sabendo em que contexto houve citação de nomes, a defesa se limita a afirmar que não irá se pronunciar sobre o mérito neste momento”, informou o advogado Thiago Cortez.

Segundo o MP, as denúncias são embasadas por acordos de colaboração premiada homologados e um acordo de leniência. Além disso, as denúncias seriam reforçadas por provas compartilhadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão de outubro do ano passado. O MP também pediu o sequestro de bens de Ricardo Motta para ressarcir os cofres públicos.

Uma das denúncias oferecidas é reforçada por um acordo de leniência, que se configura quando uma empresa investigada admite ter participado de um esquema fraudulento e se compromete a auxiliar na investigação. Esse é o primeiro acordo do tipo na história do MP no estado.

Nesse acordo, a empresa se comprometeu a pagar, em decorrência das infrações cometidas, o valor de R$ 800 mil ao Idema a título de reparação de danos e multa prevista na Lei de Improbidade Administrativa, além de relatar e comprovar como eram cometidos os crimes.

Um funcionário da empresa que servia como elo no esquema também firmou acordo de colaboração premiada, comprometendo-se a devolver R$ 150 mil ao Idema. Somados, os dois acordos proporcionaram a devolução de R$ 950 mil à autarquia estadual.

Em 2016, Gutson Reinaldo foi condenado a 17 anos, um mês e 75 dias de prisão e a restituir aos cofres do Idema. Após a condenação, ele firmou acordo de delação premiada com o MP e o Ministério Público Federal (MPF), onde relatou como os crimes eram cometidos dentro do Idema.

Na delação, Gutson afirma que o principal beneficiário dos desvios de recursos foi o deputado estadual Ricardo Motta, que, por exercer o controle político da autarquia, indicou pessoas para ocupar cargos na entidade e compor a organização criminosa.

Operação Candeeiro

Deflagrada em 2 de setembro de 2015, a operação Candeeiro buscou descortinar esquema milionário no âmbito do Idema, através do qual uma “refinada associação criminosa instalada na sua Unidade Instrumental de Finanças e Contabilidade”, segundo o MP, utilizava ofícios autorizadores de pagamento como forma de desviar recursos.

Ao todo, participam da operação 26 promotores de Justiça e cerca de 100 policiais nas cidades de Natal, Parnamirim, Santana do Matos e Mossoró, para cumprimento de cinco mandados de prisão temporária, 10 mandados de condução coercitiva e 27 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 6ª vara Criminal de Natal.

Por G1 RN


Vídeo mostra barragem de Oiticica, ainda em construção, prestes a sangrar

Vídeo mostra barragem de Oiticica, ainda em construção, prestes a sangrar

Com 70% de obras realizadas – pelo menos na parte estrutural – a barragem de Oiticica, em Jucurutu, região Oeste potiguar, acumula 5 milhões de metros cúbicos de água, segundo a Secretaria Estadual de Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte. Isso representa menos de 1% da capacidade total prevista para a barragem, mas a imagem já chama a atenção de quem visita a região.

Um vídeo feito pelo secretário do Comitê da Bacia Hidrográfica Piancó-Piranhas-Assu e assessor do movimento dos atingidos pela construção do Complexo Barragem de Oiticica, Procópio Lucena, mostra uma calha secundária da barragem, com a água prestes a “sangrar”.

“É esta calha que ficará aberta para o escoamento das águas do rio Piranhas até que todas as obras sociais do Complexo barragem de Oiticica sejam concluídas. Só após isso, ela será fechada. Fruto das chuvas as águas desta calha, a água está transbordando em direção a Jucurutu-Barragem Armando Ribeiro”, afirmou Procópio.

A imagem foi confirmada pelo secretário de Recursos Hídricos, João Maria Cavalcanti. De acordo com ele, trata-se do braço esquerdo do rio, que foi deixado com a “cota” (altura) mais baixa justamente para sangrar e não atrapalhar os serviços que estão sendo feitos em outras partes da barragem. “A cota nessa parte está em 88, até que a obra termine. Então ela irá para 115 – um metro a mais que a principal, que vai ter um 114”, explicou o secretário.

A “sangria” na região não causa risco às obras, nem aos moradores da região, segundo o secretário. De acordo com ele, na repactuação da obra ficou definido o prazo até dezembro deste ano para que a barragem seja concluída. Ainda segundo ele, o que mais o preocupa atualmente são as obras “sociais”, que envolvem transferência de moradias, por exemplo.

“As obras sociais estão um pouco mais atrasadas. Vamos nos empenhar mais nessa parte para poder concluir o quanto antes”, disse o secretário.

Trecho da barragem de Oiticica tem 5 milhões de metros cúbicos de água — Foto: Reprodução

Trecho da barragem de Oiticica tem 5 milhões de metros cúbicos de água — Foto: Reprodução

Projeto de sete décadas

Mais R$ 239 milhões para a obra foram disponibilizados pelo governo federal, no final do ano passado. O dinheiro vai ser liberado de acordo com o avanço das obras, totalizando R$ 550 milhões investidos. Os recursos iniciais não foram suficientes porque serviços e estudos complementares que não estavam previstos no projeto original apareceram ao longo do tempo.

Oiticica fica no município de Jucurutu, distante 260 quilômetros de Natal. Quando pronta, beneficiará aproximadamente 330 mil pessoas com oferta de água nas regiões do Seridó, Vale do Açu e região Central. Com capacidade total para 560 milhões de metros cúbicos de água, ela será o terceiro maior reservatório do estado. A barragem vai receber águas do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco.

A barragem foi idealizada há quase 70 anos, mas só começou a ser construída em 2013. Inicialmente, tinha previsão de conclusão para 2015. Quando pronta, Oiticica terá uma extensão de 7 quilômetros. O paredão principal, de concreto compactado a rolo, tem cerca de 4,5 km de extensão.

Fonte: G1RN

Por G1 RN — Natal

 

Polícia Civil detalhou investigação da Operação Sal da Terra — Foto: Acson Freitas/Inter TV Cabugi

Polícia Civil detalhou investigação da Operação Sal da Terra — Foto: Acson Freitas/Inter TV Cabugi

Fonte: G1RN

Um homicídio no final de 2017 na cidade de Pendências, na região Oeste do Rio Grande do Norte, levou a Polícia Civil a dar início à investigação que culminou com a apreensão de mais de R$ 100 mil e a prisão de 19 pessoas envolvidas com tráfico de drogas na manhã desta quinta-feira (31), na operação denominada “Sal da Terra”. A investigação foi detalhada nesta tarde em uma coletiva.

A Polícia Civil começou a investigação após a prisão de um traficante envolvido nesse assassinato acontecido no final de 2017. A apuração do caso durou cerca de um ano e apontou que ele estava ligado a uma facção criminosa envolvida no tráfico de drogas no Rio Grande do Norte e, que, segundo a polícia, se mostrou bem articulada.

A operação da Polícia Civil aconteceu nesta manhã e cumpriu mandados de prisão nas cidades de Pendências, Alto do Rodrigues, Macau, Guamaré e na Grande Natal. “Ainda há algumas pessoas que não conseguimos prender, mas vamos continuar em diligências para prendê-los”, disse o delegado regional de Macau, Thyago Batista.

Operação ‘Sal da Terra’

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte deflagrou nesta quinta-feira (31) uma operação denominada ‘Sal da Terra’, cujo objetivo foi o cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão contra integrantes de uma facção criminosa que atuam no tráfico de drogas no estado. Mais de R$ 100 mil foram apreendidos e 19 pessoas foram presas.

Cerca de 200 policiais civis e militares participaram da ação, que também contou com o apoio de agentes penitenciários. Além do dinheiro, armas e drogas também foram apreendidas.

Fonte: G1RN

Deixe uma resposta

Fechar Menu