PRIMEIRAS NOTÍCIAS DESTA QUARTA-FEIRA

12 de setembro, quarta-feira

Bom dia! Aqui estão os principais assuntos para você começar o dia bem-informado.


Por G1

 

Eleições 2018: o G1 destrincha os números da última pesquisa Ibope para presidente, por sexo, idade, escolaridade, renda, região, religião e raça. Já o Datafolha mostra qual o conhecimento do eleitor sobre os candidatos. Quais as funções dos três poderes? A nova série ‘Funciona Assim’ explica as principais responsabilidades dos cargos de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual. Em Brasília, o STF retoma o julgamento sobre homeschooling, o ensino em casa. O que é notícia nesta quarta-feira:

NACIONAIS

Eleições 2018

Eleições 2018 — Foto: Editoria de Arte / G1

Eleições 2018 — Foto: Editoria de Arte / G1

G1 destrincha os números da última pesquisa Ibope para presidente, por sexo, idade, escolaridade, renda, região, religião e raça.

  • Jair Bolsonaro (PSL): 26%
  • Ciro Gomes (PDT): 11%
  • Marina Silva (Rede): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 9%
  • Fernando Haddad (PT): 8%
  • Alvaro Dias (Podemos): 3%
  • João Amoêdo (Novo): 3%
  • Henrique Meirelles (MDB): 3%
  • Vera Lúcia (PSTU): 1%
  • Cabo Daciolo (Patriota): 1%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 0%
  • João Goulart Filho (PPL): 0%
  • Eymael (DC): 0%
  • Branco/nulos: 19%
  • Não sabe/não respondeu: 7%

E mais…

Entrevista ao G1 e à CBN

Jair Bolsonaro (PSL) durante entrevista ao Central das Eleições — Foto: Reprodução / GloboNews

Jair Bolsonaro (PSL) durante entrevista ao Central das Eleições — Foto: Reprodução / GloboNews

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, participaria hoje, das 8h às 9h, da série de entrevistas do G1 e da CBNcom os presidenciáveis. Mas ele continua internado e não pode comparecer ao estúdio da CBN em São Paulo, onde ocorreria a entrevista. Bolsonaro está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, desde sexta-feira (7), após ser esfaqueado por um homem em Juiz de Fora (MG) na quinta-feira (6). G1 e CBN o convidaram para dar entrevista em outra data neste mês. Amanhã será a vez de Marina Silva, candidata da Rede (veja o calendário).

Funciona assim

Quais as funções dos três poderes? A nova série do G1, ‘Funciona Assim’, explica as principais responsabilidades dos cargos de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual.

Ensino em casa

Criança estudando matemática — Foto: AJ Photo / BSIP

Criança estudando matemática — Foto: AJ Photo / BSIP

O STF retoma o julgamento sobre ensino em casa. Relator do tema, o ministro Luís Roberto Barroso, votou a favor do direito de os pais tirarem os filhos da escola para ensiná-los em casa. Ele considerou que a Constituição não proíbe a chamada educação domiciliar. Barroso entendeu que as famílias devem ser livres para escolher o melhor tipo de educação para suas crianças.

Loteria

 — Foto: Marcelo Brandt / G1

— Foto: Marcelo Brandt / G1

O concurso 2.077 da Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 28 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre às 20h (horário de Brasília) desta quarta-feira em Serra Negra (SP).

Curtas e Rápidas:

Bruna Linzmeyer em 'O Grande Circo Místico' — Foto: Divulgação

Bruna Linzmeyer em ‘O Grande Circo Místico’ — Foto: Divulgação

Futebol

  • 21h45: Flamengo x Corinthians
  • 21h45: Palmeiras x Cruzeiro

Fonte: G1

Corregedoria vai investigar promotores e procuradores que movem ação contra candidatos em época de eleição com “fins eleitoreiros”

A corregedoria do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), o órgão que fiscaliza e controla as atividades de procuradores e promotores, deve apurar eventuais irregularidades na atuação de alguns deles contra políticos que disputam a campanha eleitoral.

Em um memorando encaminhado ao órgão, Luiz Fernando Bandeira de Mello, conselheiro do CNMP, cita ações propostas contra os presidenciáveis Fernando Haddad, do PT, Geraldo Alckmin, do PSDB, e a prisão do ex-governador e candidato ao Senado pelo Paraná, Beto Richa (PSDB-PR).

Mello quer que sejam analisados “o tempo decorrido entre a suposta prática dos crimes delituosos e a propositura das ações”, para saber se elas foram aceleradas para causar “eventual impacto nas eleições”.

No pedido de averiguação, o conselheiro diz ser “evidente” que um promotor deve ajuizar uma ação se ela, “por acaso”, estiver concluída “à época da eleição”. “Mas também não pode reativar um inquérito que dormiu por meses ou praticar atos em atropelo apenas com o objetivo de ganhar os holofotes durante o período eleitoral”, afirma.

E o CNMP abriu um processo disciplinar contra o promotor Fernando Krebs, de Goiás, que chamou o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), de “maior laxante do Brasil”.

Krebs já responde a queixa-crime apresentada contra ele pelo magistrado. Em sua defesa, o promotor afirma que exerceu apenas o seu direito à liberdade de expressão e à crítica.

MÔNICA BERGAMO / FOLHA

 

Pesquisa Ibope traz alegria a Bolsonaro e angústia a adversários

mais recente pesquisa Ibope traz a Bolsonaro alegria e angústia e tensão aos demais. O candidato do PSL recupera-se do ataque sofrido e colhe frutos de sua enorme exposição. Mais ainda: sua condição de vítima lhe amainou a imagem e aumentou sua intenção de votos. Saiu de um candidato agressivo para um agredido, quase assassinado.

Bolsonaro mantém a liderança – seja no cenário estimulado (antes 22% e agora 26%) ou espontâneo (antes 17% e agora 23%) – colocando-o, virtualmente, no segundo turno da disputa. Mas, o melhor, para ele, é que sua rejeição teve uma leve queda de 3%, estando, agora, com 41%. No segundo turno, onde estava seu maior problema, o cenário mudou: nas últimas projeções ele só ganharia de Haddad e perderia para CiroMarina e Alckmin; agora, contudo, continua ganhando de Haddad, mas, de forma surpreendente, já está em empate técnico com os outros três.

Nos angustiados estão os que disputam um lugar no segundo turno: Alckmin, Marina, Ciro e, agora, Haddad. Tendo o maior tempo de TV, o tucano não cresce, mas Ciro e Marina caem. Marina caiu 3% e Ciro 1%. Haddad variou positivamente e tem 8%. Nesse grupo, todos estão tecnicamente empatados. A TV e a estrutura darão fôlego para Alckmin no final? Marina vai conseguir reagir com pouco tempo e estrutura? Ciro voltará a crescer e manter-se moderado em seu discurso? Haddad terá tempo para se tornar conhecido e herdar parte dos votos de Lula? Perguntas pululam e respostas são, sempre, provisórias, pois, como vimos, tudo pode mudar de um dia para o outro.

POR RODRIGO PRANDO / ESTADÃO

Comments

Transferência de votos de Lula para Haddad se estabiliza, aponta Ibope

O potencial de transferência de votos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para Fernando Haddad (PT) se estabilizou na última semana, depois de ter aumentado consideravelmente entre os dias 20 de agosto e 5 de setembro, segundo série de pesquisas Ibope divulgadas desde o início oficial da campanha nas eleições 2018.

Nas últimas três pesquisas, o instituto perguntou aos entrevistados se, com Lula, condenado e preso na Lava Jato, fora da disputa e declarando apoio ao ex-prefeito de São Paulo, eles com certeza votariam, poderiam votar ou não votariam de jeito nenhum em Haddad.

A parcela que votaria “com certeza” no ex-prefeito está agora em 23%, apenas um ponto porcentual acima do resultado obtido na semana anterior.

Antes disso, havia ocorrido uma elevação de nove pontos porcentuais, de 13% para 22%, entre 20 de agosto e 5 de setembro. Os que “poderiam votar” são 15% (eram 17% há uma semana). Os porcentuais se referem ao universo total de entrevistados pelo Ibope, não apenas aos que simpatizam com Lula.

Os que não votariam em Haddad apoiado por Lula em nenhuma hipótese são a maioria absoluta do eleitorado: 54% (eram 53% no levantamento anterior). A rejeição ao ex-prefeito sobe quanto maior é a renda e a escolaridade dos entrevistados. No segmento com curso superior, é de 63%, e chega a 73% entre os que recebem mais de cinco salários mínimos. Na região Sudeste, seis em cada dez eleitores rejeitam a possibilidade de votar no petista.

Já no Nordeste, Haddad tem alto potencial de crescimento: lá, 38% do eleitorado declara intenção de votar nele “com certeza” quando é citado como o candidato de Lula.

Se o potencial de transferência de votos se concretizar, os adversários que mais terão a perder serão Ciro Gomes (PDT)Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB). Aproximadamente metade do eleitorado dos três é formada por pessoas que admitem seguir a orientação de Lula e votar em Haddad. Já entre os admiradores de Jair Bolsonaro (PSL) a chance de migração é mínima: 88% afirmam que não votariam no petista de jeito nenhum.

O Ibope fez a pergunta sobre a potencial de Haddad com o apoio de Lula porque, desde o início oficial da campanha eleitoral, as chances de o ex-presidente poder de fato se candidatar eram nulas. A lei da Ficha Limpa impede que condenados em segunda instância concorram a cargos públicos. Lula foi condenado em duas instâncias e está preso por corrupção e lavagem de dinheiro desde o dia 7 de abril.

Tribunal Superior Eleitoral indeferiu o registro da candidatura do ex-presidente na madrugada do dia 1o, e deu um prazo para a substituição. Nesta terça, Haddad foi oficializado como novo titular da chapa petista.

ESTADÃO CONTEÚDO

PT inclui informação falsa em perfil de Haddad

O site da coligação presidencial do PT contém uma página biográfica sobre o substituto de Lula. “Você Conhece Fernando Haddad?”, eis o título. Na sequência, há “um resumo do que você precisa saber”. Nele, injetou-se pelo menos uma informação inverídica. Num esforço para aproximar o personagem bem-nascido dos eleitores mais modestos, anotou-se que Haddad estudou “sempre em escola pública” (veja na ilustração abaixo). Fake News!

 

Haddad, 63, nunca foi rico. Mas seu pai, Khalil Haddad, de origem libanesa, ganhou a vida em São Paulo como um próspero atacadista de tecidos. Faturou o suficiente para prover os confortos da família que constituiu a partir do casamento com Norma, uma filha de libaneses nascida no Brasil. Matriculou os filhos —Haddad é o segundo de uma prole de três— em boas escolas privadas. Antes de prestar o vestibular, o agora presidenciável do PT passou pelos bancos do lendário Colégio Bandeirantes.

Em junho de 2012, quando disputava a prefeitura de São Paulo, Haddad interrompeu a campanha para visitar o antigo colégio. Festejado como ex-aluno ilustre, deu uma palestra para os estudantes. Em setembro de 2014, já acomodado na poltrona de prefeito, visitou o Tribunal de Contas do Município, então presidido por um ex-professor. Na saída, declarou:

”Sempre que venho ao Tribunal me vejo na condição de estudante diante do presidente Edson Simões, que foi meu professor no ensino médio do Colégio Bandeirantes. É  um encontro agradável de um ex-aluno com um dos seus professores preferidos.”

O PT não toma jeito. Demora a aprender um ensinamento básico da política: jamais conte uma mentida que não possa provar. Produzida no final de agosto, quando Haddad ainda era o fake vice do candidato-presidiário, a biografia do novo cabeça de chapa do PT segue o padrão Tim Maia: “Não fumo, não bebo e não cheiro. Só minto um pouco.”

JOSIAS DE SOUZA

Servidores do Ibram criticam criação de agência para cuidar de museus

Foto: Ricardo Moraes/Reuters/Agência Brasil

Após o anúncio feito ontem (10) pelo presidente Michel Temer da criação da Agência Brasileira de Museus (Abram) e consequentemente da extinção do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão reuniu-se com os funcionários do instituto na manhã de hoje (11).

Na reunião, que durou cerca de três horas, os trabalhadores do Ibram questionaram o porquê da decisão ter sido tomada sem consultá-los e de que forma a nova agência poderia melhorar a situação dos museus. “Eu quero saber o que eu faço agora. Vou para a minha sala e tenho uma série de questões para resolver. O que acontece agora? Eu te digo: estou ofendida”, disse uma das funcionárias do Ibram ao ministro.

Leitão disse que só haverá extinção do Ibram quando a Abram e a Secretaria de Museus e Acervos Museológicos, que será criada pelo Ministério da Cultura, estiverem constituídas e quando houver uma definição sobre servidores e instituições. “Não há risco. Não há nada que esteja na Medida Provisória que implique risco de paralisia, descontinuidade ou situação não resolvida. O último ato será a extinção do Ibram, quando não tiver mais nada nessa caixa”, disse Leitão.

Medidas provisórias

Ontem, Temer assinou duas medidas provisórias, a primeira cria a Agência Brasileira de Museus (Abram), que passará a administrar os 27 museus que até então estavam sob responsabilidade do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). A Abram também participará da reconstrução do Museu Nacional do Rio de Janeiro, destruído por um incêndio no início de setembro. A segunda medida provisória estabelece o marco regulatório para a captação de recursos privados, com a criação de Fundos Patrimoniais.

As funções do Ibram, assim como o pessoal, serão repartidas entre a Abram e a Secretaria de Museus e Acervos Museológicos. Segundo o ministro, todos os funcionários do Ibram serão mantidos, tanto os servidores, quanto os terceirizados. Os contratos e convênios também serão incorporados na nova configuração.

Segundo Leitão, os servidores do Ibram não foram consultados porque “não houve tempo. O tempo foi o tempo político estabelecido pelo governo. Tempo definido para que MP saísse sem perder a caracterização da urgência”, conforme respondeu aos servidores. Uma minuta da MP ficou pronta na quinta-feira (6) pela manhã. Às 14h representantes de ministérios e também do Ibram foram chamados para uma reunião que durou até as 20h. O presidente do Ibram, segundo o ministro, Marcelo Araujo, esteve nessa reunião.

“O presidente pediu para manter o Ibram. Ficou acordado que avançaríamos no texto e que essa questão seria levada a outros ministros e superiores. O posicionamento veio no sábado à noite, de que o Ibram seria transformado em Abram e em secretaria. Conheci o texto final junto com vocês, nesta manhã, com a publicação no Diário Oficial”, disse a presidente substituta do Ibram, Eneida Braga, aos funcionários hoje.

Na prática, o Ibram será dividido entre Secretaria de Museus e Acervos Museológicos, responsável por estabelecer as diretrizes e políticas públicas e a Abram, que será responsável por executá-las. A Abram será um serviço social autônomo, seguindo o modelo de funcionamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), por exemplo, podendo gerir recursos privados e fazer contratações.

Questionado ontem (10), pela Agência Brasil sobre a necessidade da criação da Abram e não apenas da reformulação do Ibram, o ministro do Planejamento Esteves Colnago disse: “Precisamos de outra estrutura jurídica para permitir o recebimento de recursos privados próprios ou de doação, como qualquer outro tipo de recurso privado que não impactem no orçamento dos órgãos públicos”, acrescentando que o Ibram “não tinha essas características. A personalidade [jurídica] não permitia isso”.

Publicadas, as MPs passam a vigorar imediatamente, mas dependem de aprovação do Congresso Nacional para serem transformadas definitivamente em lei. O prazo para que isso ocorra é de no máximo 120 dias.

Críticas

Segundo o museólogo Newton Soares, representante dos trabalhadores do Ibram, as medidas tomadas pelo governo servirão para “sucatear cada vez mais uma política nacional de museus”, ao tirar os 27 museus da gestão do governo, transferindo-os para organizações de âmbito público privado. “Tirar essa gestão de dentro do governo e passar para outras organizações é transformar os 27 museus do Ibram em um grande balcão de negócios. Fica-se refém da vontade do mercado. Não se tem autonomia para dizer quais as necessidades e para pautar as políticas públicas”, disse.

O ex-presidente do Ibram José do Nascimento Júnior divulgou nas redes sociais um vídeo no qual critica as medidas que, segundo ele, na prática significam a privatização dos museus e dos acervos “de forma autoritária”. “Termina o Ibram, termina a política nacional de museus, privatiza todos os museus federais, acaba com as políticas públicas na área de museus, com os pontos de memória, com todas as ações. A Agência é para criar as OS [Organizações Sociais], privatizar os museus de forma geral e tirar o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro”.

Repúdio

Em nota, os trabalhadores do Ibram repudiaram a criação da Agência Brasileira de Museus, a extinção deste Instituto e a privatização das políticas públicas de museus e pedem a suspensão imediata das duas medidas provisórias.

“O processo de mudança institucional imposto, sem diálogo com os trabalhadores e trabalhadoras, a sociedade civil organizada, o Sistema Brasileiro de Museus, o Conselho Consultivo do Patrimônio Museológico, bem como todo o setor museológico, impossibilita a implementação da Política Nacional de Museus, a função social da memória e precariza a gestão, além de desrespeitar os profissionais que atuam nesse campo ao longo desses 200 anos de história museológica brasileira”, diz a nota.

Agência Brasil

Para eleitores, saúde e violência são os principais problemas do país

Pesquisa Datafolha mostra que, para os eleitores brasileiros, os principais problemas do país hoje são a saúde e a violência.

Segundo levantamento realizado na segunda (10) com eleitores de todas as regiões do país, 23% apontam a saúde como principal problema do país, enquanto 20% acreditam ser a violência.

Na pesquisa anterior, realizada em junho, esses números eram 18% para saúde e 9% para violência. Corrupção era o principal problema do país para 18% dos entrevistados em junho e o desemprego, para 14%, nível que se mantém inalterado agora.

Folhapress

Fonte: Blog do BG

 

LOCAIS

Zenaide comemora crescimento nas pesquisas

Assessoria da deputada Zenaide Maia envia release comemorando crescimento na pesquisa BlogdoBG / 98FM / Consult publicada na segunda-feira.

Concorrendo ao Senado Federal pelo Rio Grande do Norte, a deputada Federal Zenaide (PHS) foi a candidata que mais cresceu nas últimas pesquisas de intenção de voto, se destacando como uma das favoritas a uma das duas vagas no Senado. O crescimento foi de 9,95 pontos percentuais quando comparadas as três últimas pesquisas do instituto Consult Pesquisa em parceria com o Blog do BG, entre julho e setembro.

Na pesquisa publicada nesta segunda-feira (10), Zenaide aparece com 17,29% das intenções de voto do eleitor. O levantamento foi realizado entre os dias 4 e 7 de setembro em todas as 12 regiões do Estado. Foram feitas 1.700 entrevistas, com margem de erro de 2,3% e índice de confiabilidade de 95%.

Na pesquisa divulgada em 03 de agosto, Zenaide aparecia com 7,34% das intenções de voto do eleitor. Na pesquisa divulgada em 1º de julho, Zenaide aparecia com 9% das intenções na soma dos votos.

Zenaide reafirma o seu compromisso com o povo do Rio Grande do Norte e celebra o número crescente nas intenções de voto. “É com alegria e otimismo que vejo os resultados das pesquisas, que tem me colocado cada vez mais próxima da vitória. Caso eleita, trabalharei para que a população do Rio Grande do Norte se sinta verdadeiramente representada no Senado”, disse Zenaide.

Comments

Deixe uma resposta

Fechar Menu