PONTO DE VISTA: UMA ATITUDE COMO ESSA DE TOFFOLI É DE CUNHO PESSOAL

PONTO DE VISTA

Da forma como o ministro Dias Toffoli vem agindo é explicita, pública e notória a sua atitude de tomar partido pelas coisas do PT, de Luma e de Gleisi Hoffman. Ele, assim como Gilmar Mendes não tem nem o pudor de disfarçar quando o assunto é proteger os bandidos e criminosos da sigla. É impressionante a falta de vergonha na cara. 

Essa história ou desculpa de dizer que a lei é cega não trás um único benefício para quem é acusado de um crime e realmente é inocente. Só trás benefícios para quem é culpado.  Ora bolas! É público e notório que Lula meteu a mão com muita força no dinheiro do erário. Já foi condenado em 1ª e 2ª instância e continua agindo como se nada houvesse acontecido. Confundindo a cabeça do povo, atravancando a economia brasileira, deixando tudo estagnado unica e exclusivamente por causa de uma única pessoa, num país de 200 milhões de pessoas. Isso tudo que está acontecendo é inadmissível em qualquer lugar do mundo. Chega a ser surreal.

O próximo presidente tem de entrar pra mudar radicalmente o nosso cabedal de leis. Da forma que está não dá pra continuar.

Depois de mandar investigar Dallagnol, Toffoli parte pra cima de Moro

Parece que a questão do futuro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, é com a Operação Lava Jato. Algo lhe incomoda.
Assim, a tática é partir pra cima de seus principais protagonistas.
Há poucos dias, Toffoli ‘mandou’ investigar o procurador Deltan Dallagnol.
O ministro foi pessoalmente ao encontro do corregedor-geral do Conselho Nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, exigir a providência.
Deltan, em comentário sobre a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de tirar da Lava Jato os relatos das delações da Odebrecht sobre a propina do ex-presidente Lula, teria dito que a medida foi realizada “pelos três de sempre, que tiram tudo de Curitiba e que mandam tudo para a Justiça Eleitoral e sempre dão habeas corpus, estão sempre formando uma panelinha e mandam uma mensagem muito forte de leniência a favor da corrupção”. Foi essa a infração de Deltan.
Desta feita, o alvo é Sérgio Moro.
Toffoli quer que ele seja investigado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por sua atuação no episódio conhecido como “Golpe do Plantonista”.
O plantonista da ocasião e sua ação ilegal, desembargador Rogério Favreto, não mereceu qualquer tipo de atenção ou preocupação. A tentativa é punir Moro.
É a mais completa inversão de valores.
Fonte: www.jornaldacidadeonline.com.br

Deixe uma resposta

Fechar Menu