PONTO DE VISTA: QUANDO O LEITE DA TETA ESGOTA O SOCIALISMO JÁ ERA

Na sessão PONTO DE VISTA desta quinta-feira não tenho muito a acrescentar ao belíssimo texto a seguir, escrito pelo articulista Marcelo Rates Quaranta, pois ficou tão perfeito e disse tudo que se melhorar estraga. A única coisa que tenho a dizer sobre o tema é citar uma frase da memorável 1ª Ministra da Inglaterra Margareth Tatcher: “O Socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros! 

A “resistência” não passa de um grito de agonia pelo fim da esquerda

Afinal de contas, qual é a do PT, PSOL, PCdoB et caterva?

A esquerda é contra as 19 medidas contra a criminalidade e a corrupção propostas por Moro. Razões há, e são três as principais:

A primeira é que vai atingir a maioria dos políticos da esquerda. A segunda é que vai mexer com os bandidos, que são os “dodóis” da esquerda. A terceira é que vai mostrar que após quase duas décadas no poder, o PT não teve nem capacidade e nem interesse de resolver esses problemas. Ao contrário! Dentre todos os partidos corruptos como PSDB e MDB, o PT foi um ativo incentivador e principal participante do esquema.

A esquerda é contra a parceria com Israel, para reduzir o problema da seca no nordeste. Razões também existem e são duas as principais:

A primeira é que a parceria vai destruir os currais eleitorais, onde a história de acabar com a seca e oferecer bolsas-esmolas deixarão de ser argumentos de chantagem eleitoral. A segunda repete a terceira do parágrafo anterior: Vai provar que a esquerda não teve nem competência e muito menos interesse em fazer. Simplesmente vai dizimar o PT no seu principal reduto.

O PT é contra todas as reformas e contra toda a nova legislação proposta em relação à redução do Estado. Razões existem pra isso também:

A primeira é que com as reformas o país vai entrar num ciclo de crescimento econômico que não interessa à esquerda. Quanto menos empregos e mais gente dependendo de esmolas, melhor para os discursos da esquerda, que para se manter sustenta-se nas retóricas de “ajudar os necessitados”. Não havendo os tais necessitados, acaba a a retórica. A segunda diz respeito à redução do Estado. Todos os escândalos de corrupção protagonizados pela esquerda tiveram como principal fator o poder de pressão do Estado sobre tudo. A terceira se repete: Será a prova de que a esquerda não teve nem competência e muito menos interesse em promover um avanço econômico e social, já que vive da miséria alheia, no mais clássico “quanto pior melhor”.

Toda e qualquer ação do governo que venha a trazer qualquer benefício ao povo e ao país será como um diploma de incapacidade outorgado à esquerda. Vai mostrar que ela é completamente desnecessária ao país, e vai mostrar que sua única função é promover assaltos aos cofres públicos, e levar o Brasil ao mais profundo atraso.

A esquerda hoje está resumida a dois tipos de políticos: Os que estão presos e os que serão presos.

Tá desenhado. Agora só depende da boa vontade de alguns para entender.

Nota: Para aqueles que costumeiramente dizem coisas como “esse articulista odeia a esquerda!”, “jornalista tendencioso!”, “Fascista!”, “meu Deus, quanto ódio!”, esclareço:

1. Sim, odeio a esquerda. Odiar a esquerda não é só uma questão de princípio moral tal qual odiar o roubo e o crime organizado. É também uma questão de higiene.

2. Não sou jornalista, mas se fosse, não faria parte da corriola que viveu de chafurdar no lamaçal da corrupção, e ganhou muito bem para proteger e elogiar bandidos.

3. Fascismo é achar que é dono absoluto do poder, fazer discurso social enquanto o povo morria nas filas dos hospitais ou sem medicamentos, enquanto mandavam dinheiro para ditaduras socialistas.

Se precisar que eu desenhe, mais fácil você aprender a interpretar textos. Não tenho paciência para desenhos.

Deixe uma resposta

Fechar Menu