PONTO DE VISTA: A GRANDE IMPRENSA VISIVELMENTE TENDENCIOSA PODE SER RESPONSÁVEL POR CONSEQUÊNCIAS GRAVES NAS ELEIÇÕES

Caro leitor(a),

Venho fazer uma crítica procurando ser totalmente imparcial neste momento, mas procurando antes de mais nada a justiça em certos episódios da política no nosso país. Nessa reta final de campanha presidencial do segundo turno a pancadaria aumentou substancialmente entre as duas candidaturas com declarações esdruxulas e descompensadas de ambas as partes. Entretanto a reação da chamada grande imprensa tem sido no mínimo bastante tendenciosa pró esquerda, pois tem creditado, escancaradamente, muito mais tempo de exposição e estardalhaço para as asneiras ditas pelo candidato Bolsonaro e seus correligionários do que por Fernando Haddad e os seus. Foram vário os episódios de ambas as partes sendo que os últimos dois praticados por Haddad que mereceriam muitas e muitas horas de exposição e repúdio da mídia praticamente passou desapercebido, principalmente porque se tratou de coisas gravíssimas, passíveis de processo judicial. Uma foi a falácia de Haddad sobre uma declaração falsa dada pelo cantor Geraldo Azevedo dizendo que em 1969 foi torturado pelo General Mourão. O candidato, na terça-feira (ontem) pela manhã, em uma sabatina na Jovem Pan, repetiu várias vezes que o candidato a vice-presidente General Mourão é torturado e que torturou Geraldo Azevedo. Não teve o mínimo cuidado de verificar datas. Atitude totalmente leviana, irresponsável e desequilibrada, conforme vídeo abaixo. A outra, está retratada abaixo. Diz respeito a matéria publicada na Folha de São Paulo pela jornalista Patrícia Campos Mello que acusou, também levianamente, sem prova alguma, o candidato Bolsonaro de ter empresários na sua retaguarda impulsionando a sua campanha com fake news através do whatsapp e que teriam gasto mais de 12 milhões de reais em caixa 2. Ontem recebi o registro fotográfico abaixo com os detalhes de um diálogo de Fernando Haddad e Sérgio Gabrielli (ex-presidente da Petrobrás) sobre a execução de um plano para botar fogo na disputa para presidente da república. Cita nomes de pessoas da Folha de São Paulo e diz que “tá no pacote”.

Resolvi publicar as postagens abaixo porque, apesar de ter recebido através do whatsapp a foto da jornalista ao lado de Fernando Haddad deixa claro que ela é correligionária dele e quanto as outras imagens podem até ser montagem, mas tenho ciência que o PT é capaz de fazer tudo isso sem sombra de dúvidas.

Portanto temos dois pesos e duas medidas vindo da grande mídia quando o assunto é política e ideologia política. E essa injustiça causada pela grande imprensa pode ser a causadora de consequências graves nessas eleições. Por isso faço um alerta aqui para a grande responsabilidade dos grandes órgãos de imprensa sobre o que pode acontecer durante e depois das eleições com esse país.

Também estou postando dois vídeo mais abaixo que recebi pelo whatsapp. Na altura dos acontecimentos não podemos mais duvidar de nada. Pode ser até que não tenha fundamento, mas por tudo que aconteceu nessa e na campanha de 2014 temos sim o direito de acreditar que essas coisa são passíveis de acontecer.

Então fica o alerta para o que pode vir por ai!

Fonte: 

Publicado em 23 de out de 2018

Fonte: 

Publicado em 22 de out de 2018

Fonte: Whatsapp

Deixe uma resposta

Fechar Menu