POLÍTICA: A ASTÚCIA DE JOÃO DORIA. OLHO VIVO NELE!

Esse cara não me engana. Eu nunca acreditei que ele havia desistido da presidência da república. Ele é ambicioso demais e essa ambição desmedida pode ser muito perigosa. Vamos ficar de olho nos movimentos de Doria para descobrir quais as verdadeiras intenções dele.

Doria volta a articular para ser presidente

Uma das maiores polêmicas envolvendo o PSDB nos últimos tempos é a briga entre Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo, e João Doria Jr., ex-prefeito da capital paulista. O entrevero esteve adormecido nos últimos meses, mas pode ressurgir conforme alguns correligionários de Doria fazem pressão para que ele seja o candidato do partido à Presidência.

Quem confirma a possibilidade é um dos principais adversários internos de Doria: Alberto Goldman, ex-governador de São Paulo e ex-presidente do PSDB. “Eu diria que há pouca viabilidade. Mas não existe o não absoluto”, afirma. Em outubro do ano passado, Doria disse que Goldman era um “fracassado”. O ex-governador tucano respondeu que o prefeito era uma “desgraça para o PSDB”.

Apesar de Alckmin não ter largado mal na corrida presidencial, Doria teria mais condições de angariar partidos aliados para compor uma grande coligação. Alckmin tem mais resistência de outros partidos e denúncias em suas costas. Por exemplo, o ex-diretor da Dersa (estatal que gerencia as rodovias paulistas) Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, foi preso em 6 de abril por escândalos envolvendo a gestão de Alckmin. Além disso, Doria, que não foi bem avaliado na prefeitura, disparou na primeira pesquisa para o Palácio dos Bandeirantes.

Conta a seu favor o apoio de importantes quadros do Democratas, como Antonio Carlos Magalhães Neto. Partidos como o PP, hoje a segunda bancada na Câmara, PSD e até mesmo o MDB poderiam formar com o tucano um imenso bloco, com grande acesso ao fundo partidário e largo tempo de TV. Seria, na visão dos apoiadores de Doria, a melhor chance do partido de conquistar o Planalto. Contam nesse cálculo o confronto contra os partidos de esquerda e contra Jair Bolsonaro, do PSL, quem lidera as pesquisas.

E Alckmin?

O último tucano a ocupar o Palácio dos Bandeirantes ficaria com a candidatura ao Senado. Aloysio Nunes Ferreira, hoje ministro das Relações Exteriores, já afirmou que não concorrerá à reeleição.

“Ele arrebanharia todos os partidos de centro-direita. Teria mais condições do que o Alckmin para isso”, afirma Gustavo Guedes, advogado com trânsito dentro dos partidos.

O cientista político Antônio Lavareda, por outro lado, acha pouco provável a candidatura de Doria a Presidência. “As pesquisas divulgadas em São Paulo não ajudam. Ele para conseguir ser presidente precisa ser bem avaliado administrativamente. E ele só tem 17% de aprovação na prefeitura. Se Fernando Collor tivesse só 17% em Alagoas, em 1989, não teria sido presidente”, decreta.

Este post tem um comentário

  1. Olho no homem! Os Brasileiros precisam ser mais atentos aos candidatos. Esperamos que todos votem melhor daqui pra frente!

Deixe uma resposta

Fechar Menu