FILOSOFIA: RODRIGO LEVINO E NEÍSA EM OS DISSIDENTES

Hoje um texto diferente que envolve filosofia voltada para a nossa política local. Achei muito interessante a metáfora e por isso publico aqui para o deleite do nosso leitor.

 

[ARTIGO] Rodrigo Levino e Neísa voltaram: de Sócrates a Fagner, por que as eleições nos arrastam quase irresistivelmente para pântano do rancor

por Dinarte Assunção

Vale a pena?

 

Rodrigo Levino e Neísa voltaram para “Os Dissidentes”, grupo que, como diz seu nome, reúne amigos que se cansaram de tretas virtuais e fundaram o próprio chat.

Levino e Neísa decidiram partir. Contemplanos, os que ficamos, o corolário: não há relação humana imune ao desentendimento, poderoso instrumento que pode conduzir à maturidade.

Mas só para quem se dispõe a assim enxergá-lo.

Levino e Neísa se foram lá atrás e voltaram para o grupo com a campanha aí na porta. Lembrei deles porque representam todo o pensamento de tolerância sobre o qual gostaria de falar.

Ele fizeram o movimento contrário da regra geral: pois é nesse período que vemos muitas relações se desintegrarem, no arrastamento quase irresistível que os inflamados debates promovem sobre as amizades.

A peneira de Sócrates é a vacina mais eficiente contra esse arrastamento quase irresistível.

Certa feita, um dos díscipulos do fabuloso pensador apresentou-se dizendo que lhe precisava contar algo. Sócrates o redarguiu fundando as bases contra a fofoca:

– O que você vai me contar já passou pelas três peneiras?

– As três peneiras!?

– Sim! A primeira peneira é a verdade. O que você quer me contar dos outros é um fato? Caso tenha ouvido falar, a coisa deve morrer aqui mesmo. Suponhamos que seja verdade. Deve, então, passar pela segunda peneira: a bondade. O que você vai contar é uma coisa boa? Ajuda a construir ou destruir o caminho de alguém? Se o que você quer contar é verdade e é coisa boa, deverá passar ainda pela terceira peneira: a necessidade. Convém contar? Resolve alguma coisa? Ajuda a comunidade? Pode melhorar o planeta? Se passou pelas três peneiras, conte! Tanto eu, como você e seu irmão iremos nos beneficiar. Caso contrário, esqueça e enterre tudo. Será uma fofoca a menos para envenenar o ambiente e fomentar a discórdia entre irmãos.

Na falta de luz espiritual própria, invocamos quem a tem. Dito isso, recorro ao apóstolo Paulo quando cravou que “As más conversações corrompem os bons costumes”.

É um difícil exercício.

Díficil. Mas, assim como o arrastamento de que falo é quase – e não irresistível, essa uma tarefa árdua, mas não impossível.

Em tempos de redes sociais, a peneira de Sócrates é ainda mais díficil de praticar. Antes mesmo que você tente aplicá-la e impor os questionamentos, as informações pendem na sua tela.

É aí que nosso ego se apresenta cantando o verso que antecede o refrão de “Jardim dos Animais”, de Fagner.

Assim a minha natureza não aguenta mais.

Os conflitos desses tempos resultam mais de egos feridos. A prova derradeira é o rompante que leva A a desferir golpes contra B, atirando-se ambos no pântano do rancor, um lugar díficil de sair.

Vejam o rancor que se arrasta aqui desde 2014. Fátima Bezerra está na frente na eleição de 2018, mas os ataques ainda se concentram entre os grupos que disputaram a eleição para o governo de quatro anos atrás.

Qualquer um que olhe seus conflitos longe do ego enxergará seu próprio erro e sua participação e responsabilidade na contenda. É o orgulho que nos impede de dobrar o joelho para a maturidade que se apresenta no sofrimento.

Se a sua natureza não aguenta mais o que o outro diz, o problema não é o outro. A paz que B tira de A depende do poder que A concede a B.

Se sua natureza não aguenta mais, mude sua natureza. O outro você não poderá mudar.

Acesse a Postagem Original: http://www.blogdobg.com.br/#ixzz5NCpCEPoB

Acesse a Postagem Original: http://www.blogdobg.com.br/#ixzz5NCoiGkhf

Deixe uma resposta

Fechar Menu