ECONOMIA: A DITADURA COMEÇOU. VEJA A PREVISÃO DOS INVESTIMENTOS PARA 2019

A esquerda está dizendo que começou uma ditadura fascista no Brasil. Será que é mesmo? Veja alguns exemplos de como vai funcionar a economia no Brasil nessa nova ditadura.

   

Empresário confirma investimentos de R$ 500 milhões para a Havan em 2019

Por Pedro Machado
30/10/2018 – 19h15 – Atualizada em: 30/10/2018 – 19h49
Luciano Hang quer abrir 20 novas lojas no ano que vem (Foto: Patrick Rodrigues, BD

Ao som de “Eu voltei”, clássico do rei Roberto Carlos, o empresário Luciano Hang utilizou as suas redes sociais para confirmar, no início da noite desta terça-feira, que a Havan vai investir, no ano que vem, R$ 500 milhões na construção de 20 novas lojas e na ampliação e automação do Centro de Distribuição em Barra Velha, onde a rede já comprou parte de um terreno que pertencia à Altona para este fim. A expansão, promete Hang, vai gerar cinco mil novos empregos.

A exemplo do presidente do conselho do Grupo Kyly, Salézio Martins, que na segunda-feira anunciou aporte de R$ 40 milhões na empresa têxtil de Pomerode no próximo ano, Hang fez o comunicado em tom de celebração à vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial de domingo – os dois empresários apoiaram abertamente o capitão da reserva.

A diferença é que, neste caso, o investimento não é uma novidade. No ano passado, antes mesmo de mergulhar de corpo e alma na campanha por Bolsonaro – o que lhe rendeu notoriedade e processos na Justiça –, Hang já havia revelado planos de desembolsar R$ 2 bilhões até 2022, com a ambiciosa meta de alcançar 200 megalojas até lá – serão 120 ao final de 2018. Ao longo da campanha, no entanto, ele ameaçou rever o projeto em caso de “vitória da esquerda”. E jura que não era mera bravata.

As 20 lojas previstas para 2019 serão instaladas em cidades de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Em solo catarinense, as unidades serão abertas no Campeche, em Florianópolis, no Ilha Shopping, também na Capital, Palhoça, Itajaí, Joinville e Balneário Camboriú.

Fonte: nsc total

Leroy Merlin investirá R$ 300 milhões no País em 2019

O diretor-geral da companhia no Brasil, Alain Ryckeboer, espera que esse seja o início de uma onda de crescimento

27/10/2018 – 09H41 – ATUALIZADA ÀS 09H41 – POR ESTADÃO CONTEÚDO

Leroy Merlin: parte do Grupo Adeo (Foto: Divulgação)

A Leroy Merlin vai investir R$ 300 milhões no País em 2019 na cadeia logística de abastecimento, num centro de distribuição com 120 mil m2 em Cajamar (SP), em uma loja e na área digital. É praticamente a mesma cifra aplicada neste ano. “O Brasil sempre anda. Faz quatro anos que está devagar e, se continuar, estamos acostumados. Não deixamos de investir”, diz o diretor-geral da companhia no Brasil, Alain Ryckeboer.

Há 20 anos no País, o executivo diz que viu quatro crises. “Tomara que estejamos no início de uma onda de crescimento”, afirma o executivo, que se diz otimista.Esta semana a empresa concluiu a construção do maior home center da rede na América Latina, que fica na Marginal Tietê, em São Paulo, e consumiu aporte de R$ 110 milhões.

Uma das inovações da loja, além de um ‘drive thru’, em que o cliente pode comprar o produto sem sair do carro, é um laboratório equipado com impressoras 3D, gravadoras a laser e máquinas de corte. “Qualquer pessoa que quiser inovar, inventar um produto ou substituir uma peça vai poder fabricá-la aqui, na impressora 3D, em acrílico”, diz Ryckeboer.

SMART VAI INVESTIR R$ 700 MILHÕES ATÉ 2021


shutterstock_chungking_Tecnologia_tendencia_TIC_TI_chip

A SMART Modular Technologies Brasil anunciou que vai ampliar os investimentos no Brasil para R$ 700 milhões, até 2021.  A empresa já investiu cerca de R$ 670 milhões no desenvolvimento, projeto e implementação de componentes semicondutores como o eMCP (embedded multichip package), aplicado em smartphones, e de outros circuitos integrados de memória de alta tecnologia.

Com  faturamento de R$ 2,2 bilhões no Brasil no ano passado, a empresa inicia em julho a operação de sua nova unidade, onde fabricará baterias para smartphones.

Em 2019, a SMART pretende retomar a produção de Solid State Drives – SSDs, com o objetivo de atuar  nas áreas de armazenamento de dados para data centers e servidores, adicionalmente à sua produção atual de módulos de memória. A empresa iniciou a produção de dispositivos de comunicação em meados de 2017, com a montagem de módulos WiFi/bluetooth para notebooks, mas chegou no país em 2002. (com assessoria de imprensa)

 Fonte: Tele Sintese

Deixe uma resposta

Fechar Menu