BOAS NOTÍCIAS: PESQUISADORES REVELAM QUE INTELIGÊNCIA ARTIFICAL DETECTA ALZEHEIMER 6 ANOS ANTES DE SURGIR COM 90 DE PRECISÃO

Cientistas da Universidade da California (EUA) descobriram que a Inteligência Artificial pode detectar Alzeheimer até 6 anos antes de se manifestar, com 90% de precisão. Veja a reportagem completa e saiba como!

IA detecta Alzheimer 6 anos antes de surgir com 90% de precisão

Cérebro com (esq) e sem Alzheimer - Foto: Universidade da Califórnia

Cérebro com (esq) e sem Alzheimer – Foto: Universidade da Califórnia

A “IA”, Inteligência Artificial, pode detectar Alzheimer 6 anos antes de a doença surgir e com mais de 90% de precisão, para ajudar no tratamento precoce.

É o que mostra um novo estudo feito por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos EUA, publicado este mês na Radiology.

A pesquisa usou um tipo de mapeamento cerebral com um algoritmo de aprendizado de máquina, que aprendeu a diagnosticar o estágio inicial da doença de Alzheimer cerca de seis anos antes que um diagnóstico clínico pudesse ser feito.

Jae Ho Sohn, principal pesquisador do estudo, disse que um dos maiores problemas do Alzheimer é que quando os sintomas clínicos se manifestam e o diagnóstico é feito, muitos neurônios já morreram, o que torna a doença irreversível.

Assim, o diagnóstico feito com IA pode dar aos médicos um avanço importante no tratamento da doença degenerativa.

Como

Sohn e sua equipe monitoraram os níveis de glicose no cérebro, porque a glicose é a principal fonte de combustível para as células cerebrais. Uma vez que as células adoecem, elas param de usar a glicose. No entanto, as mudanças são sutis – pelo menos para o olho humano.

O pesquisador treinou o algoritmo em exames de pacientes que acabaram sendo diagnosticados com doença de Alzheimer, comprometimento cognitivo leve ou nenhum distúrbio, e o algoritmo começou a descobrir como prever a doença de Alzheimer.

O acerto foi de aproximadamente 92% no primeiro teste e 98% no segundo, fazendo previsões corretas em média 75,8 meses antes do paciente receber o diagnóstico de Alzheimer.

Embora o algoritmo ainda não esteja pronto para uso clínico, essa já é uma linha pode ajudar os médicos a começarem a tratar os pacientes muito antes da doença progredir.

Com informações da Radiology e B9

Fonte: Só Notícia Boa

Deixe uma resposta

Fechar Menu