AUTOCONHECIMENTO: A NOSSA CRIANÇA E A CORTINA DO PASSADO DE VERA CALVET

Na sessão de AUTOCONHECIMENTO desta sexta-feira trago um texto de uma escritora experiente e especialista em meditação e terapias de autoconhecimento: 

Vera Calvet

Fundadora e atual vice presidente do Instituto Ráshuah do Brasil
Diretora do Núcleo de Meditação e Terapias de Autoconhecimento do IRB
Mestra em filosofia e Meditação Ráshuah – Com o grau de Grã Mayáh – Grã Mestra

Escritora, Palestrante, Psicoterapeuta, Arquiteta e Artista plástica

Formada em Arquitetura e Urbanismo, passou a estudar Psicologia, Parapsicologia e Psicobioenergética no Instituto Mens Sana, além de Análise Transacional, Regressão de memória, Controle Mental, Neurolinguística, métodos terapêuticos alternativos, filosofias orientais, etc.

Desenvolveu os métodos de Meditação e Terapias de Autoconhecimento ministradas no Instituto Ráshuah do Brasil

24/05/2018

Vera Calvet

Vera Calvet - Escritora e Psicoterapeuta Ráshuah

A nossa criança e a cortina do passado

 

Otto Lara Resende, jornalista e escritor, disse certa vez em uma de suas colunas:

“Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém vê. E há pai que nunca viu o próprio filho, marido que nunca viu a própria mulher. Isso existe às pampas! Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos. É por aí que se instala no coração, o monstro da indiferença!”

Isso é tão verdadeiro! Creio que não abrirmos os olhos de nossa criança interior é sermos condenados por nossa maturidade!

Talvez não se possa acusar propriamente a maturidade pelos olhos opacos, pela perda da criança e do poeta. Mas o olhar sempre voltado ao passado sim, esse pode ser o grande responsável! Pois o passado pode se infiltrar no presente, trazendo uma cortina de velhos hábitos de percepção que roubam a luz do sol e impedem o ar da renovação entrar.

Ao mesmo tempo que nossas experiências de passado nos trazem conhecimento, podem também nos dar a impressão de que nada muda. De que, por exemplo, uma vez vista uma paisagem, será sempre a mesma a partir dali. Ou que as pessoas que conhecemos também serão sempre as mesmas. E com isso pensamos ter que conhecer outras paisagens e outras pessoas o tempo todo, tentando manter nosso olhar curioso e interessado. A vida começa a parecer uma corrida contra o tédio!

Mas a mesmice está apenas em nossos olhos voltados ao passado, pois cada minuto do presente é tão novo, mágico e belo! Tantas descobertas, mudanças e detalhes nunca percebidos em nós, nas pessoas e no mundo estão agora em nossa frente, no presente!

Como podemos enxergar essa explosão de vida e novidades quando tudo o que percebemos é a cortina do passado? Atrás da cortina tudo é velho, repetitivo, sempre o mesmo e tedioso dia! Nada muda e nosso espaço fica cada vez menor, sufocante e escuro! Qual a motivação possível para se iniciar um novo dia, se todos parecerão iguais? Na tentativa de dar algum movimento, tentamos provocar novos e emocionantes eventos, mesmo que negativos, para nos sentirmos vivos! Porém, a cortina faz com que os novos eventos passem a ser rapidamente, tediosos e velhos eventos.

Sim! Nada consegue chacoalhar e banir o monstro da indiferença caso não se recupere o olhar curioso da criança e a observação sensível de nosso poeta interior, no momento presente.

Viver nossa criança interior é despertar para a excepcionalidade de cada momento e ser feliz!

Fonte: Blog Háshuah

Deixe uma resposta

Fechar Menu